Um Projeto: Fundação Estudar

As inovações que estão por vir no mercado financeiro brasileiro

Por Suria Barbosa

As principais transformações que mexem com o mercado financeiro hoje são em relação às tecnologias e aos modelos de trabalho das instituições, segundo especialista em inovação na B3, bolsa de valores do Brasil.

A movimentação decorrente dos avanços tecnológicos toma conta também do mercado financeiro. Entender como ele está sendo mudado é uma vantagem – tanto para quem busca crescer profissionalmente em uma organização, quanto para quem quer se inserir no ramo de alguma forma.

Izabella Neves, especialista em Inovação e Novos Negócios na B3 (bolsa de valores do Brasil), conta que as principais inovações se dão em dois campos: em tecnologias e nas formas de trabalho.

Atualmente, blockchain, open banking, payments (métodos de pagamento) e soluções de impacto das fintechs são algumas das tecnologias mais em foco no mundo inteiro.

Cursos da Fundação Estudar

Dentre os novos modelos de trabalho, Izabella menciona os métodos design thinking, design de serviço, Lean e Ágil como destaques. “São modelos orientados a necessidades humanas reais e a trazer mais eficiência para as organizações”, explica a especialista.

“Para atender à essas demandas, as instituições financeiras estão se atualizando, e um pilar estratégico fundamental de sustentação é a cultura organizacional.”

As 2 inovações tecnológicas de mais impacto

Blockchain

“Funciona como um banco de dados descentralizado, onde a distribuição é feita de maneira pública e transparente, sem a necessidade de uma instituição facilitando ou moderando a transação.”

Por conta de suas características, o blockchain possui um alto potencial de inovação tecnológica, mas também traz desafios. Por exemplo, como garantir a segurança das transações? Hoje essa questão vem sendo amplamente discutida.

Open Banking

O termo open banking representa um sistema bancário aberto em que o usuário teria posse de seus dados, sendo possível trazê-los para quaisquer plataformas que utilizasse.

“Podemos enxergar isso como um ecossistema aberto e possivelmente mais integrado, onde seu histórico não ficaria restrito a uma instituição apenas, o que aumenta as possibilidades na geração de novos produtos e serviços”, diz Izabella.

Ainda de acordo com ela, hoje o Banco Central analisa o assunto, bem como suas regras de funcionamento.

Como funcionam os modelos de trabalho em alta

Por muito tempo, as tradicionais instituições financeiras dominavam completamente o setor, mas o surgimento de startups – que cresceram exponencialmente e rapidamente em valor de mercado – fez com que as grandes empresas revisassem e adotassem novas formas de trabalho.

Essas startups, de início com menos recursos e capacidade, funcionam com base em métodos enxutos – como Lean e Ágil –, com ciclos de criação e teste rápidos, entre outras particularidades – mentalidade e modelo que se disseminam dentro do mercado financeiro e de outros ramos. “É importante ressaltar, este impacto vem como oportunidade de construirmos soluções e serviços melhores para a sociedade”, afirma a especialista.

No entanto, as mudanças pelas quais as grandes empresas passam em relação ao modelo organizacional não são triviais. “Transformar a forma de trabalho é de altíssimo impacto e alto esforço, pois você precisa atuar considerando diferentes gerações dentro das organizações e diferentes repertórios, individuais e coletivos.”

Aprenda sobre temáticas do mercado financeiro e faça networking com o curso Carreira Na Prática!

Materiais recomendados para se manter atualizado

“Vale a pena estudar e interagir [com tais tecnologias e conceitos]. Principalmente quando falamos de novas formas de trabalho, pois é fundamental experimentar, envolver-se com projetos que as utilizem. Ou seja, aprender fazendo”, destaca Izabella.

Nesse sentido, segundo ela, vale a pena ver vídeos, documentários e principalmente participar de grupos de estudo temáticos. “É tudo tão recente, que estamos agora na construção da aplicação destas tecnologias”, conta.

Ela também indica cinco tipos de materiais para profissionais da área que queiram se manter atualizados.

#1 Blog

#2 Podcasts

#3 Perfis no LinkedIn

#4 Eventos

#5 Cursos

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo