Um Projeto: Fundação Estudar
adrian jovem em viagem

Experimentar é o segredo para se encontrar profissionalmente

Por Ana Pinho

De supervisor de obras a gerente em uma startup, o engenheiro de produção Adrian Moll passou por diversas áreas antes de se encontrar feliz em sua formação

A supervisão de um canteiro de obras em Paris foi o primeiro estágio do engenheiro Adrian Moll.

O início inusitado – Adrian supervisionou uma equipe de construção civil da RATP, responsável pelo transporte público na cidade – é uma exigência da École Centrale de Nantes, onde ele estudou entre 2009 e 2011 em um programa de duplo diploma com a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), quando tornou-se parte da rede Líderes Estudar, que reúne jovens de alto impacto.

“Pede-se um mês de trabalho braçal mesmo, para que você sinta na pele como é estar na base”, explica ele, lembrando-se das risadas que deu ao lado dos trabalhadores portugueses da equipe.

A experiência mais difícil, no entanto, foi outra: a transição da vida de estudante para a profissional. “Eu estava muito ansioso para ter a certeza que estava trilhando o caminho certo”, conta. “Mas hoje sei que deixar as coisas acontecerem não é se acomodar, e que mesmo involuntariamente você está aprendendo.”

Em busca de apoio para os seus estudos?
Inscreva-se no Programa de Bolsas da Fundação Estudar

Vivência no exterior

Durante a graduação, ele escolheu conhecer o maior número de caminhos possíveis, dentro e fora do Brasil. Na USP, deixou os planos de se formar em Engenharia Mecânica – técnica demais apesar de sua paixão por carros – pela Engenharia de Produção, mais generalista e focada em gestão. Na França, descobriu que tinha preferência por um ambiente mais aberto, ao contrário de sua experiência anterior no Grupo Renault. Na Alemanha, onde estagiou na Henkel, aprovou a valorização individual em equipes multinacionais.

De volta a São Paulo, estagiou na consultoria estratégica BCG (Boston Consulting Group) e na Ambev, em busca de experiências que refletissem o cenário nacional.

Começo de carreira Após ter estagiado nessas duas grandes empresas, seu primeiro emprego efetivo foi na startup de e-commerce Men’s Market, onde enfim sentiu-se confortável e tomou gosto pelo ambiente menor e mais diverso. A oportunidade de trabalho surgiu por acaso, quando uma amiga lhe indicou para a vaga de gerente de purchasing.

Adrian permaneceu lá por um ano, energizado pela possibilidade de enxergar o impacto de seu trabalho em primeira mão. “Foi lá que aprendi que uma empresa não precisa só de gente boa com números, as pessoas precisam trabalhar por uma causa.”

Descubra seu propósito com o Autoconhecimento Na Prática, nosso programa de autodesenvolvimento e autoconhecimento!

Outra ideia que tomou forma durante o mesmo período foi a vontade de voltar a trabalhar como engenheiro. Filho de um economista e uma administradora de escritórios, Adrian sempre vislumbrou o sucesso em áreas comerciais, e estava preparado para usar os conhecimentos adquiridos na Poli no mundo dos negócios.

Surpreendeu-se quando se viu sentindo falta de sua formação e resolveu tentar algo novo – de novo. Aceitou recentemente um convite do Banco Itaú para trabalhar na área de Operações e Tecnologias, e segue em seu processo de autoconhecimento. Apesar da inquietude suscitada em certos períodos, ele recomenda seu método experimental aos mais curiosos: “Hoje tenho a clareza que estou construindo minha trajetória.”

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo