Um Projeto: Fundação Estudar
Cultura de Inovação

Cultura de Inovação: por que e como adotá-la nas empresas

Por Nathalia Bustamante

Entenda real necessidade da Cultura de Inovação dentro das instituições e como implementá-la de forma adequada, respeitando as principais barreiras, desafios e forças de cada equipe.

Se a cultura da inovação fosse um sistema, certamente empresas de mercados diversos já teriam contratados seus SAP a fim de introduzi-lo na rotina de trabalho. Mas, como o próprio nome já diz, uma cultura de inovação não se trata de um sistema, ou de um programa previamente moldado para se encaixar nos diversos tipos de gestão empresarial. É uma cultura. É um comportamento. Um hábito que a empresa adota na intenção de otimizar a criatividade dos seus funcionários culminando em processos de criação inovadores e sustentáveis, novos produtos, resoluções, e até métodos de planejamento.

No contexto atual, em que as empresas precisam fazer cada vez mais, com excelência e menos recursos, a cultura da inovação é necessária para que os funcionários sejam capazes de chegar a soluções favoráveis sem depender de muito capital. A tendência agora é ser sustentável.

Como implementar a Cultura de Inovação

A implementação de uma cultura é um processo complexo e que deve ser adaptado para cada organização, respeitando as principais barreiras, desafios e forças da equipe. Assim, os líderes da empresa devem buscar pela forma mais eficaz de introduzir uma cultura nova.

O grupo 3M, por exemplo, sabia que a maior barreira do funcionário é o tempo. Entre reuniões, prazos, metas e números, era um desafio encontrar agenda para fomentar um espaço dinâmico e favorável a novas ideias. Por isso a empresa passou a fornecer o tempo: todo funcionário precisa dedicar 15% de sua carga horária de trabalho a desenvolver novas ideias.

Leia mais: 10 e-books gratuitos sobre empreendedorismo e inovação

O sucesso do grupo neste aspecto é tão relevante que há sete anos o mercado era surpreendido pelo livro “O Poder da Inovação” de autoria Luiz Serafim, então gerente de Marketing corporativo do grupo 3M no Brasil. Na obra são elencados alguns pontos que garantem o sucesso da implementação da cultura da inovação em empresas e grandes organizações. De acordo com o livro, o processo de inovação pode ser divido em quatro etapas, que precisam ser fomentadas pelo ambiente, pelos líderes e pela proposta da empresa:

1. Busca por conhecimento

Essa premissa passa pelo raciocínio de que quanto maior o conhecimento de alguém, maior a capacidade dessa pessoa de se desenvolver e desenvolver o ambiente externo.

2. Ampliação da capacidade de questionamento das pessoas

A ideia aqui é não se conformar com as opções. O questionamento de que algo pode ser feito de forma melhor leva as pessoas a de fato realizarem projetos da melhor forma.

3. Desenvolvimento de projetos

Inovar não é fácil por isso dificilmente uma primeira ideia resulta em algo de sucesso. Essa etapa ressalta a importância do planejamento, da tentativa, da visualização, dos testes antes da implementação de fato e da tolerância ao erro.

4. Implementação

Toda implementação de uma ideia nova ou projeto traz novas regras, novos comportamentos, novos hábitos. Por isso, o processo de implementação é necessário e deve ser claro e de fácil entendimento para os envolvidos

Em suma, não basta a empresa ter a inovação em seu discurso e cobrá-la de seus funcionários. É necessário adotá-la em sua rotina e jornada de trabalho como forma de fomentar um ambiente propício e criativo, em que os colaboradores sintam a importância de suas ideias e do propósito da otimização e sustentabilidade como forma de inovação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo