Um Projeto: Fundação Estudar
Trabalhar com gestão pública

Trabalhar com gestão pública pode ser a resposta para quem quer causar impacto social, de dentro e fora do governo

Por Suria Barbosa

Atuar com gestão pública exige profissionais bem preparados para lidar com desafios e pressões diárias, das mais diversas ordens. Entenda quais são os principais focos de atuação, possibilidades de formação e habilidades necessárias para trabalhar neste setor.

Quem pensa em seguir uma carreira que tenha impacto social pode se encontrar na área de gestão pública. Nela, os profissionais atuam, principalmente, elaborando, coordenando e avaliando políticas públicas. Isso envolve desenvolver e aperfeiçoar todas as etapas dos processos, inclusive, melhorar o aproveitamento de recursos e buscar aumento de efetividade, em geral.

“Tem que ter preocupação com a sociedade, com o bem-estar coletivo”, diz Letícia Cancela de Oliveira, Gerente de Resultado na Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão da Prefeitura de Belo Horizonte. Hoje ela (que também faz parte da rede de Líderes Estudar), é encarregada de construir o contrato de metas, produzir o planejamento, além de auxiliar seis órgãos, dos quais é responsável, nestas tarefas e monitorá-los.

Até então, ela havia seguido carreira estadual, onde era Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. “Está sendo uma experiência bem interessante trabalhar no município. A gente fica mais perto da ponta, da execução direta das políticas públicas”, conta.

Baixe e-book gratuito “Guia para descobrir e conquistar o trabalho dos sonhos”

Administração Pública X Gestão Pública

Na teoria, a distinção entre os dois é que o termo “gestão pública” inclui práticas contemporâneas, além dos aprendizados ligados ao ato de “administrar”, como empreendedorismo e busca por eficiência. No entanto, os cursos modernos de Administração Pública incluem o ensino destas competências, o que faz com que a diferenciação não seja tão evidente, na prática. Na realidade, os profissionais formados em cada um deles têm um escopo de atuação bem similar.

“Sou formada em Administração Pública, mas uma grande parte do curso foi focada em gestão pública, que sempre foi a área em que atuei”, conta Letícia, que estudou Administração Pública na Escola de Governo da Fundação João Pinheiro. Segundo ela, a diferença se dá apenas no sentido em que cursar Administração Pública possibilita trabalhar “direto na execução de uma política pública”.

Atualmente, existem muitos cursos de graduação tecnológica chamados de Gestão porque “Administração” pressupõe a formação de “Administradores”, profissão regulamentada que tem como requisito formação superior tradicional – o bacharelado.

Trabalhar com gestão pública

“O setor público tem desafios o tempo todo”, diz Letícia. “Tem que ter muita garra e persistência para encarar os problemas, mantendo a ética e o profissionalismo”, completa.

Entre os principais obstáculos que trabalhar com gestão pública envolve, a Gerente de Resultado aponta a necessidade de redução dos gastos públicos, de criação de políticas públicas mais efetivas e de utilizar a tecnologia para aprimorar os processos. Além disso, inserir a prática de “gestão por resultado”. “Fazer com que os servidores trabalhem com metas, com visão estratégica, atuando com monitoramento e baseados em indicadores”, explica ela.

Por último, Letícia fala da vulnerabilidade à pressão de vários grupos. “Você lida tanto com as pessoas que estão demandando políticas públicas básicas, de Saúde e Educação, quanto empresas que prestam serviço e que se relacionam com o setor público o tempo todo”, conta.

Os desafios mencionados se aplicam, em sua maioria, à atuação em órgãos do governo – Ministérios, Secretarias, etc. -, mas quem quer trabalhar com gestão pública tem outras possibilidades. Uma delas são as organizações do terceiro setor que conduzem projetos ligados às políticas públicas, ou as consultorias que, por sua vez, planejam ações para potencializá-las. Também é possível atuar diretamente na política, e em empresas privadas – na prestação de serviços para o governo, ou administrando a relação com o setor público.

Leia mais: Iniciativas para quem quer trabalhar com engajamento cívico e social

Alternativas para formação

As universidades federais de Minas Gerais, do Paraná, da Paraíba, do Oeste do Pará, de Cariri (no Ceará) e do Rio de Janeiro promovem bacharelado em Gestão Pública, segundo o Ministério da Educação (MEC). Além destas, a Universidade de São Paulo (USP) disponibiliza formação específica com o curso chamado “Gestão de Políticas Públicas”.

Há mais alternativas de curso superior em Administração Pública. Entre as principais instituições que o oferecem, estão a Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (EG-FJP), em que Letícia estudou, a Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), a Universidade Estadual Paulista (UNESP), a Universidade de Brasília (UNB) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Outras organizações, como a Fundação BRAVA, Artemisia e Vetor Brasil, proporcionam experiências práticas que intensificam o aprendizado de quem pretende seguir carreira no setor. O mesmo fazem os estágios que são “bem importantes” para o desenvolvimento do profissional, de acordo com Letícia. “Sempre procurei fazer estágio em diferentes órgãos públicos. Para mim foi muito enriquecedor”, conta.

O estudo se mostrou imprescindível na trajetória da Gerente de Resultado. Além da faculdade em Administração Pública, ela se graduou em Direito, fez uma pós-graduação em Direito Administrativo, e mestrado também em Administração Pública. Apesar da educação formal, Letícia reforça a relevância que as atividades extracurriculares, como cursos focados em disciplinas de gestão, planejamento e avaliação, tiveram. 

Habilidades, disciplinas e perfil

Para capacitar quem vai trabalhar com gestão pública, as faculdades procuram desenvolver nos estudantes habilidade de avaliar, criticar e refletir acerca dos projetos públicos. E também reconhecer e analisar problemas de interesse da sociedade e fortalecer a consciência em relação às questões éticas do exercício da profissão, segundo Letícia. 

Recheadas de disciplinas tradicionais como Economia, Matemática, Estatística e Contabilidade, os alunos são estimulados a praticar raciocínio lógico, crítico e analítico – úteis, principalmente “nas questões de análise de políticas públicas, desenvolvimento de indicadores, análises de processos econômicos, sociais e políticos”, explica a Gerente de Resultado. Sua faculdade ainda ajudou-a a dominar habilidades de comunicação, iniciativa, criatividade, organização, determinação e adequação diante de mudanças, indispensáveis para sua carreira.

Ainda que a graduação potencialize as capacidades do aluno para trabalhar com gestão pública, há traços fundamentais que caracterizam o perfil do profissional do setor. A já mencionada preocupação com o bem-estar coletivo é um dos que Letícia aponta. Os outros, que considera serem muito relevantes, são: habilidades de comunicação, planejamento, liderança, gosto pelo diálogo e pela política e facilidade de lidar com números e contas.

 

Dica do Na Prática:

Autoconhecimento é fundamental para você embasar as suas decisões de vida e carreira. É por meio  dele que você vai responder dúvidas que podem estar na sua cabeça, como: “O que te traz felicidade genuína?”, “O que dá significado para sua vida?”, “Qual carreira faz mais sentido para mim?”. Foi pensando nesse seu momento que a Fundação Estudar criou o Autoconhecimento Na Prática, um curso de três dias que vai ajudá-lo a desvendar o seu verdadeiro Eu e a guiar com mais segurança suas escolhas profissionais e de vida. Inscreva-se agora com 10% de desconto usando o cupom AUTO10. É só clicar aqui!

 

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo