Um Projeto: Fundação Estudar
vocação profissional

7 estratégias para descobrir a sua vocação profissional

Por Tatyane Mendes

A maioria dos estudantes usa a vocação profissional como critério decisório para escolher uma profissão. Mas se você ainda não sabe a sua, profissionais de orientação vocacional ensinam como descobrir

A vocação profissional é ainda o principal critério utilizado por estudantes na hora de optar por um curso superior, de acordo com pesquisa da Companhia de Estágio. Os dados também mostram que aqueles que escolheram a profissão baseando-se em gostos pessoais são mais otimistas em relação ao mercado de trabalho. E segundo relatórios de órgãos de educação, a falta de vocação profissional é um dos principais motivos de jovens abandonarem cursos superiores.

A palavra vocação é uma variação do verbo em latim vocare, cujo o significado é chamar. Se refere a uma habilidade, aptidão ou pré-disposição que uma pessoa tem que a leva a um determinado exercício profissional. O psicólogo Filipe Buranelli chama atenção para o fato de que o termo vocação se tornou desatualizado para profissionais que trabalham com a orientação profissional, expressão mais usual para o processo.

“O jovem hoje chega mais despreparado na hora de escolher uma carreira. A grande maioria das escolas não oferecem essa orientação, e os estudantes entram cada vez mais cedo nas universidades, sem preparo algum. Muitos deles não sabem o que escolher por não conhecerem suas potencialidades, além de existir uma demanda específica de certos pais”, explica.

Programa de contratação

7 estratégias para descobrir a sua vocação profissional

#1 Observe suas características pessoais

Para Filipe, o processo de vocação profissional deve ser baseado tanto nas vivências pessoais do estudante como nas profissões atuais do mercado. “É preciso escolher baseado não apenas em aptidões, mas no panorama do mercado. O jovem precisa entender o trabalho e a realidade dele, o que pode ser feito procurando profissionais dentro do mercado de trabalho. Outro ponto é que existe uma grande diferença sobre como é um curso superior de uma profissão e como ela é exercida na prática, que por vezes a maioria das pessoas desconhece”, aponta. 

#2 Saiba o que você não quer

E existem diversos caminhos para chegar até uma escolha profissional. “Saber o que você não quer é um deles. Os jovens são preparados para o vestibular mas não para fazer escolhas de carreira. Pode ser que a melhor opção para ele seja fazer um curso técnico, dependendo de com que ele quer trabalhar. Importante ressaltar que as escolhas de carreira também são feitas no momento. Elas podem mudar. Arrependimentos acontecem. Descobrindo do que gosta, o jovem consegue traçar um panorama e ter consciência para tomar decisões”, pondera.

#3 Faça uma escolha consciente

Orientadora vocacional da Colmeia, instituição de assistência social que busca desenvolver jovens, Maria Stella Leite acredita que a escolha de uma vocação profissional deve ser feita conscientemente, sem ser delegada a algum teste ou outra pessoa. “Também não acredito que a decisão deve ser baseada na crença de que alguém tem um dom especial para determinada coisa. Mas do que uma inclinação, podemos dizer que as pessoas têm interesse em atuar em certas áreas. E a pessoa pode até não ter habilidade para isso, mas se tiver interesse, ela vai se dedicar e desenvolver um talento”, salienta.

Ainda se sente perdido? Faça o teste vocacional profissional grátis do Na Prática e descubra profissões que fazem sentido de acordo com seu perfil e interesses.

#4 Busque atividades prazerosas

Maria Stella aponta que não é porque alguém tem uma determinada habilidade, que a pessoa gosta disso ou tenha vocação profissional. “Porque ela não vai se aplicar para se desenvolver. A coisa mais importante é gostar do que se faz. O filósofo Santiago Kovadloff defende que a vocação é algo para qual se tem uma inclinação, mas não é uma profissão propriamente, e sim uma atividade. Por exemplo, escrever, ajudar, lecionar ou desenhar. E para cada fazer, existem um conjunto de profissões. É uma boa abordagem para o assunto”, descreve.

#5 Conheça a si mesmo e ao mercado

As escolhas profissionais estão baseadas em um tripé, segundo a psicóloga: autoconhecimento, o mundo das profissões e o mundo educacional. Simone Pita, professora de carreiras da HSM University, concorda e percebe que os alunos têm muita dificuldade em encontrar sua vocação profissional.

“Eu sempre falo para eles que a gente vive um momento em que é necessário buscar o autoconhecimento. Não existe fórmula pronta. Primeiro, eles tem que observar suas características pessoais, gostos e traços de personalidade por meio de um exercício diário. Segundo, é interessante observar as necessidades do mercado e como essas questões pessoais e o que eu desejo para mim podem contribuir para essa realidade. Além disso, conciliar os desejos de carreira com expectativas pessoais”, aconselha.

#6 Confira tendências  e realidade profissionais

Contudo, a docente aponta que apenas isso não é suficiente. “Também é preciso analisar as profissões do futuro, ver se existe espaço e demanda para esse tipo de atuação. Porque muitos cargos e posições estão sendo reinventados e alguns não existirão no futuro. Se o estudante estiver em dúvida sobre sua vocação profissional, é interessante falar com profissionais que atuam na área para entender melhor como é a rotina profissional, as condições de trabalho e o tipo de remuneração para ver se isso realmente se encaixa com as aptidões e anseios dele. O LinkedIn é uma plataforma muito interessante para isso”, indica.

Leia também: Especialista explica: como fazer melhores escolhas para sua carreira?

#7 Faça testes e converse sobre o assunto

Simone também recomenda fazer testes vocacionais para conhecer opções de carreira e analisa que é importante se divertir na busca pela vocação profissional. “A gente precisa entender que podemos descobrir a nossa vocação muitas vezes conversando com um amigo ou familiares, se relacionando com pessoas, falando do que se deseja em uma carreira porque assim conseguimos pegar dicas e trocar experiências de forma mais fluida”, observa.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo