Um Projeto: Fundação Estudar
emprego sem experiência

Como conseguir o primeiro emprego sem experiência

Por Leticia Moraes

É possível conseguir um emprego mesmo sem ter experiência profissional - há diversas alternativas para driblar essa situação no início da carreira. O que todas têm em comum? Elas exigem a sua proatividade.

Início de carreira é quase sempre aquela história: os jovens não conseguem um emprego porque não tem experiência profissional. Mas como conseguir a tal experiência se ninguém dá a primeira chance?

Para muitos, o paradoxo do primeiro emprego é um beco sem saída. E aí, quando não enxergam nenhuma alternativa ou solução para vencer esse impasse, acabam perdendo a motivação e deixando a busca de lado.

Você se identificou e está buscando opções para conseguir o primeiro emprego sem ter experiência? Para te ajudar a conquistar esse objetivo, o Na Prática fez uma lista de opções para impulsionar o ínicio da sua vida no mercado de trabalho.

 

Leia também: Como fazer um currículo perfeito

 

#1 Você pode ser o seu maior case

Se ninguém parece estar disposto a te dar uma oportunidade, por que você não a cria?

Você pode tocar aquele projeto pessoal que sempre teve vontade de levar para frente, usando-o como uma forma de desenvolver as suas habilidades e ganhar vivência prática. Na hora de conversar com um recrutador, você vai ter exemplos para falar sobre o seu perfil e também resultados para mostrar.

Também existe a possibilidade de você prestar o seu serviço para outras pessoas. Existem plataformas online, como a Trampos.com, a Freelancer, a GetNinjas, a 99freelas e a Workana, que conectam empreendedores e profissionais autônomos, oferecendo um ambiente online no qual as partes podem trabalhar juntas.

Foi exatamente o que o Lucas Silva fez. Ainda cursando a faculdade de Sistemas da Informação, ele se cadastrou em uma dessas plataformas porque queria ganhar experiência para facilitar a sua entrada no mercado.

“Vi uma possibilidade de correr atrás de projetos e conseguir ganhar o meu dinheiro. Sabia que pela plataforma eu teria um retorno mais rápido das minhas ações e poderia me aplicar para vários projetos, conseguindo ser mais independente ao mesmo tempo em que ganhava experiência”, conta.

Há 4 anos trabalhando como freelancer na área de Design e Programação, Lucas já trabalhou em mais de 150 projetos. Entre os mais de 1.114.764 profissionais cadastrados em todo o mundo, ele ocupa 250º lugar no ranking da plataforma.

“Quando fui buscar um emprego convencional, o trabalho que fiz como autônomo foi essencial para que eu tivesse um portfólio para apresentar. Também ganhei vivência de mercado por conta do dia a dia com os clientes”.

Baixe modelo de carta de apresentação

 

O co-fundador e COO da Workana, plataforma usada por Lucas, Guillermo Bracciaforte, endossa o quanto a experiência como freelancer é enriquecedora: “É possível desenvolver habilidades como: boa comunicação, organização, disciplina, proatividade e atitude empreendedora. Além disso, grande parte dos freelas buscam ampliar os seus conhecimentos para aumentar as opções de serviços que oferecem. Assim, acabam conquistando diferenciais para encarar o mercado de trabalho”.

Ele também destaca que dentro da plataforma, o mais importante é que o profissional realize os projetos para o qual foi contratado com qualidade e dentro dos prazos.

“Com certeza, existe uma grande oportunidade de os jovens criarem a sua reputação online. O primeiro passo é preencher 100% do perfil na Workana ao realizar o seu cadastro, incluindo experiências em projetos, formação e cursos realizados, habilidades e etc.”

#2 Busque por trabalhos voluntários

Além de enriquecer o currículo, os trabalhos voluntários são uma ótima alternativa para você entender a dinâmica do mercado e colocar em prática o que aprendeu na faculdade.

Organizações internacionais como o Enactus, rede que fomenta projetos com foco no empreendedorismo social e a AIESEC, que tem como objetivo desenvolver a liderança de seus membros por meio de experiências de gestão e intercâmbio, são uma ótima porta de entrada para jovens recém-graduados.

Além de ganhar a experiência prática que vai facilitar a posterior entrada no mercado de trabalho, é possível construir um networking sólido que pode ser muito estratégico para conseguir um emprego por meio de indicações, por exemplo.

Leia também: AIESEC: desenvolvendo liderança por meio de intercâmbios

Outra opção é procurar por ONGs (Organizações Não Governamentais) em sua cidade que precisem de profissionais na área em que quer atuar. Se durante a busca, você encontrar uma causa com a qual se identifique, é ainda melhor para manter a sua motivação em alta.

Além das ONGs, existem outras possibilidades dentro do terceiro setor, como entidades filantrópicas e diferentes organizações sem fins lucrativos, como os clubes e os condomínios.

#3 Capacite-se sempre que tiver oportunidade

Participe de eventos na sua área e faça o máximo de cursos que puder. Entenda qual foi a contribuição de cada um para torná-lo um profissional melhor e também aproveite esses momentos para fortalecer a sua rede de contatos.

Durante os processos seletivos, saber apontar como determinado curso auxiliou a sua formação e dar exemplos de como a teoria pode ser aplicada na prática ou no contexto da empresa faz com que os recrutadores valorizem mais o candidato.

Lembre-se que existem muitos cursos online que são gratuitos e possuem um conteúdo excelente. Para se capacitar, você só precisa de proatividade e disciplina!

Leia também: 7 ebooks, cursos gratuitos e ferramentas que vão te ajudar a ser contratado

#4 Viaje

Se for possível, aproveite o fato de que você ainda não ingressou no mercado de trabalho para ganhar experiência internacional. Esse é o melhor momento para conseguir passar um tempo fora do Brasil sem ter em mente as preocupações que irão surgir quando você estiver trabalhando, inevitavelmente.

Você pode fazer um intercâmbio profissional na sua área de atuação ou um trabalho voluntário. É a oportunidade perfeita para aprender ou praticar um outro idioma e ainda desenvolver competências muito requisitadas no mercado, como a adaptabilidade, a visão global e a inteligência emocional.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo