Um Projeto: Fundação Estudar
Candidata realizando testes online

Como ter bom desempenho nos testes online mais comuns dos processos seletivos

Por EXAME.com

No segundo episódio da websérie do Na Prática em parceria com a EXAME, o tema são testes online de inglês e de lógica, que descartam de uma vez só milhares de candidatos a emprego.

Na semana passada, EXAME e Na Prática, portal da Fundação Estudar, começaram a publicar a série de vídeos sobre processos seletivos para vagas de estágio, trainee e emprego.

No primeiro vídeo da série, Felippe Caso, do Na Prática, explicou como currículo tem a possibilidade de destacar um profissional em meio a milhares de perfis semelhantes ou pode fazer com que essa mesma pessoa seja descartada do processo ainda na etapa de triagem.

No segundo vídeo da websérie as dicas são para quem vai fazer testes online de inglês e/ou de lógica. “ O objetivo destes testes é o de eliminar vários candidatos de uma só vez e também de analisar o que é fundamental para a empresa e para aquela vaga que está sendo preenchida”, diz Felippe Caso, do Na Prática.

Em testes de inglês, os candidatos devem ficar atentos às “pegadinhas”. Não é prudente responder rapidamente assinalando a primeira opção que parece ser a correta. Uma leitura mais cuidadosa é recomendada porque muitas vezes o que está sendo analisada é capacidade de interpretação de texto. 

Uma dica de estudo para reforçar o domínio da gramática? Phrasal verbs, diz Caso, é um tema frequente.  

Leia também: Pontos fortes ou pontos fracos? Saiba como identificá-los e quais desenvolver

Já nos testes de lógica é medida a capacidade do candidato de resolver problemas. Segundo, Caso, é mito pensar que só pessoas que têm afinidade em Exatas vão bem neste teste. “ O Objetivo do teste é mostrar a forma como você raciocina e que você consegue estruturar esse pensamento”, diz Caso.

Felippe Caso diz que, também nas questões de lógica, a interpretação de texto é crucial. “ As respostas podem estar nos pequenos detalhes que você consegue ler no enunciado”, diz.

 

Esta matéria foi originalmente publicada em Exame.com.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo