Um Projeto: Fundação Estudar
tipos de mentores

Os 5 tipos de mentores que você precisa ter na vida

Por Suria Barbosa

A mentoria oferece oportunidade de desenvolvimento valiosa. Porém, um só mentor pode não fomentar todos os aprendizados que você precisa para crescer. Conheça os cinco tipos de mentores indispensáveis para evoluir – pessoal e profissionalmente.

“Os melhores mentores podem nos ajudar a definir e expressar nossa vocação interior”, diz Anthony Tjan, CEO da companhia de venture capital Cue Ball Group e autor do livro Good People: The Only Leadership Decision That Really Matters, em uma palestra TEDx. “Mas raramente uma pessoa pode dar tudo o que você precisa para crescer.” É exatamente esse o ponto do executivo: existem vários tipos de mentores, e cada um deles pode te ajudar de forma específica.

Tjan identificou cinco grupos de mentores que podem acrescentar muito ao desenvolvimento de alguém. Talvez você já conheça alguns deles e é possível que um cubra duas ou mais categorias. O Ideas Ted recomenda usar a lista como “um guia e um empurrão para aprofundar seu vínculo com eles.”

Leia também: Como conseguir um mentor para  acelerar seu desenvolvimento profissional?

5 tipos de mentores que você precisa ter

Mentor #1: o mestre das artes

“Se você sabe que quer ser o melhor em seu campo – seja o melhor editor, quarterback de futebol, empresário – pergunte: quem são as figuras mais icônicas da área?”, afirma Tjan. O primeiro da lista de mentores é alguém que acumulou conhecimento ao longo dos anos. Além de oferecer insights sobre a indústria, ele pode indicar as melhores formes de aprimorar suas habilidades.

Assim, procure essa pessoa quando precisar de conselhos sobre lançar uma nova iniciativa ou em momento de brainstorming sobre o próximo passo profissional. “Eles devem ajudá-lo a identificar e desenvolver suas forças para o estado mais próximo da perfeição possível”, diz ele.

Mentor #2: o defensor da sua causa

Esse mentor é alguém que vai falar de você para os outros. Segundo o CEO, o ideal é ter um desses no próprio local de trabalho. “Essas são pessoas que são defensores e que tomam conta de você.” No entanto, não são mais do que impulsionadores. Embora, muitas vezes, também possam ser conectores, apresentando-o a pessoas úteis em seu setor.

Mentor #3: o copiloto

Ou: seu melhor amigo do trabalho. O copiloto é o colega que pode conversar com você sobre projetos, aconselhá-lo sobre o comportamento dos colaboradores da sua empresa e ouvi-lo desabafar. Porém, esse tipo de relacionamento de mentoria é mais benéfico quando está próximo de ser igualmente recíproco.

Como explica Tjan: “vocês são colegas comprometidos em apoiar um aos outro, colaborando um com o outro e responsabilizando-se mutuamente. E quando você tem um copiloto, tanto a qualidade do seu trabalho quanto o seu nível de engajamento melhoram.”

Leia também: Job shadowing – ser a “sombra” de um profissional pode ajudar sua carreira

Mentor #4: o âncora

Entre os tipos de mentores apontados pelo CEO, o quarto não necessariamente trabalha na sua indústria. Na realidade, ele pode ser um amigo ou até membro da família. Enquanto o seu defensor o ajuda a alcançar objetivos específicos de carreira, o âncora é um confidente e “caixa de ressonância”.

“Todos nós vamos passar por lombadas e incertezas na vida”, diz Tjan. “Então, precisamos de alguém que possa nos dar um impulso psicológico e nos ajudar a ver luz através das rachaduras durante os tempos difíceis.”

Como o âncora tem seus interesses em mente, de forma geral, ele pode te apoiar a definir suas prioridades, alcançar equilíbrio entre a vida pessoal e profissional e te ajudar a não perder de vista seus valores.

Mentor 5#: o mentor inverso

Para Tjan, o contraponto ao mentor mais velho e sábio é igualmente importante. Por isso, ele indica se abrir ao aprendizado que mentorar alguém também pode oferecer, mesmo que o mentorado tenha menos anos de trabalho do que você.

“Falar com os meus orientandos é uma oportunidade de feedback sobre o meu estilo de liderança, me envolver com uma geração mais jovem e manter minhas perspectivas relevantes”, explica ele.

 

 

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo