Um Projeto: Fundação Estudar
O CEO da Embraco Luis Felipe Dau fala sobre equilíbrio entre a vida pessoal e profissional

Como um CEO que comanda 10 mil pessoas mantém equilíbrio entre a vida pessoal e profissional

Por Suria Barbosa

CEO da Embraco, Luis Felipe Dau se esforça em manter harmonia entre os principais aspectos da sua vida privilegiando seu propósito com cuidados nas tomadas de decisão e praticando rituais diários.

Em qualquer fase de carreira pode ser um desafio conseguir atingir equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Um lado estar bem apenas porque o outro está sendo negligenciado, não caracteriza uma relação sustentável. É no que acredita Luis Felipe Dau, CEO da Embraco (Empresa Brasileira de Compressores) e membro da Rede de Líderes da Fundação Estudar.

“Para mim não existe um ou outro: tem que ser um e outro para que as coisas andem bem”, destaca. Como líder de uma empresa que conta com 10 mil colaboradores, Luis Felipe considera que os principais pontos de sucesso profissional, para si mesmo, se baseiam em ter uma boa performance, conseguir desenvolver as pessoas e chegar nos resultados que precisa com seu time.

Mas isso não pode vir sozinho: ele também busca atingir as expectativas de suas funções “pessoais”, de marido e pai de três filhos.. Tudo isso enquanto corre atrás da sua missão de vida, que é “inspirar as pessoas ao sucesso pessoal e profissional”.

Um aspecto afeta o outro, e dá para perceber

“Olhando meu time direto e até indireto, pelo conhecimento deles, é fato notório que se as duas coisas não caminham bem, o desempenho é afetado.”

Para o CEO, por conta disso, uma das grandes características em líderes é entender cada um do seu time, particularmente a forma de motivar e também como cada um está no cotidiano – a fim de identificar o problema e se colocar à disposição. Mesmo quando a questão é parte do aspecto pessoal da vida do profissional.

E o que o líder pode fazer?

Nos casos em que consegue verificar de perto e entender, Luis Felipe destaca que a liderança deve trabalhar, em equipe, para resolver o problema.

Porém, também está no escopo do líder criar medidas de “prevenção”, principalmente garantindo um ambiente em que as pessoas se sintam engajadas em atuar. “O engajamento vem da própria forma como a liderança define missão, define propósito, a dinâmica do dia a dia de trabalho e até as regras mais simples”, explica ele.

Além de um propósito que inspire, a empresa tem uma forma de recompensação transparente? Ela dá autonomia para os profissionais entregarem as metas com autonomia e accountability?

Leia também: Teorias de liderança: 3 definições do que é ser um bom líder

A nível mais concreto, o CEO exemplifica com uma política implantada na Embraco: berçário para mães e pais que têm crianças pequenas. “Produtividade para nós, para o funcionário e, também, tranquilidade para ele de que os filhos estão sendo bem-cuidados”, destaca.

Quando, ainda, a liderança consegue desenvolver seus colabores, a situação torna-se mais benéfica para ambos os lados, já que essa é uma das formas de garantir que o time dê conta quando o líder não está tão perto. Para Luis Felipe, “todo líder tem atribuição de desenvolver seu sucessor ou seu time de sucessores”.

Privilegiar a harmonia na tomada de decisões 

Uma das medidas que utiliza para manter o equilíbrio vida pessoal X profissional, o CEO da Embraco toma suas decisões – principalmente, as maiores – levando em conta três valores, que são máximos para si mesmo:

  • Família
  • Saúde
  • Sucesso

“Olho para esses três como valores que têm de estar balanceados”, afirma ele. “Não basta ter dois – não basta me levar ao sucesso profissional, se a minha família é muito prejudicada, ou a minha saúde”, acrescenta.

As 4 dimensões do equilíbrio entre a vida pessoal e profissional

Seu esforço para a harmonia entre os principais aspectos de sua vida, porém, permeia sua rotina de forma ainda mais prática. Luis Felipe conta que acredita no princípio do Envolvimento Total, em que a premissa básica é alinhar cada aspecto com seu propósito e se dedicar a desenvolver todos eles para atingir o objetivo final. “Tem funcionado muito bem, especificamente, tem trazido muito sucesso nesses anos de liderança”, conta.

São quatro as dimensões a que mais se dedica: física, mental, espiritual e emocional. “Procuro gerenciar essas quatro energias, ou quatro dimensões, para atingir o máximo de performance em cada uma delas”, explica ele. Confira alguns exemplos do que o CEO privilegia em cada campo:

Energia física

“Ter uma rotina de de exercícios que faz com que eu consiga ter uma vida saudável. Eu sei que isso me ajuda e está provado cientificamente que prática de exercícios físicos está relacionada ao desempenho profissional e pessoal.”

Energia espiritual

“Crença em alguma coisa maior. No meu caso, sempre procuro fazer meditação, pelo menos três a quatro vezes por semana. Acredito que isso me ajude bastante no foco, na tomada de decisões e a ter equilíbrio em situações de grande pressão.”

Energia mental

“Estar sempre procurando formas de me desenvolver como líder. Lendo constantemente ou buscando situações e oportunidades de desenvolvimento. Eu sei que estou, hoje, melhor do que ontem como pessoa e profissional e amanhã estarei melhor do que hoje. É um desafio constante de aprendizado.”

Energia emocional 

“É muito ligada ao relacionamento com a família, como pai – como estou inspirando meus filhos e sendo um exemplo – para minha esposa, para a comunidade, amigos que tenho.”

Rituais ajudam a chegar lá

Baseado nas dimensões em que busca trabalhar – e nos seus objetivos -, o CEO desenvolveu 10 rituais diários.

“Os rituais são coisas simples, específicas, mas que ajudam a dar esse movimento em relação às dimensões que eu acho que levam ao equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.”

Ele cita como exemplo: acordar quatro a cinco vezes por semana às 5h da manhã para se exercitar; meditar pelo menos três vezes por semana e não usar o celular entre 19h e 21h da noite. Esse último, algo simples que mostra que está dedicando tempo à família, destaca ele.

Faz parte do esforço monitorar seu cumprimento dos rituais, o que ele faz com uma planilha e reflexões duas vezes: de manhã e no final do dia. Medindo o desempenho e fazendo a autorreflexão, Luis Felipe consegue se “pressionar positivamente”. “O investimento de 20 minutos por dia ajuda tanto a melhorar o dia, a te dar disciplina para fazer as coisas, também em relação à liderança, que eu acho que é um investimento super bem feito.”

Leia também: Como funciona e qual é a importância da autoliderança para a carreira?

Como desenvolver disciplina

Embora acompanhar os rituais seja uma forma de garantir seu cumprimento, ela funciona melhor quando a pessoa já tem um nível de disciplina em relação a eles, diz o CEO.

Para quem quer começar, Luis Felipe recomenda primeiro fazer uma autorreflexão que deixe claro seus valores e missão de vida. Só, então, a partir daí, definir rituais particulares. “É começar a fazer, não tem mágica e não é complicado”, afirma ele.

“No começo é difícil, mas é aquilo que sabemos, depois de algumas vezes fazendo com dificuldade, vira hábito e você sente falta de não fazer”, completa. 

Mas não adianta dar um passo maior do que a perna no início. Promessas exageradas tendem a desmotivar em relação à meta, alerta Luis Felipe. “O importante é sair da inércia, e aí, com o tempo, você vai adequando frequência, tempo, forma de fazer. Esse é outro ponto.”

 

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo