Um Projeto: Fundação Estudar

14 princípios de Fayol: como usar a gestão para liderar uma empresa de sucesso

Por Tatyane Mendes

No começo do século XX, Henri Fayol apresentou e discutiu 14 conceitos gerais sobre administração de empresas. As ideias do engenheiro viriam a formular um modelo administrativo que hoje se enraíza na maioria das corporações, parte da teoria clássica da administração. 

Professora de empreendedorismo e gestão de negócios do UniCEUB, Erika Lisboa aponta  que o objetivo era estruturar as organizações para uma máxima eficiência e melhorar a produtividade. “São questões que podem parecer um pouco óbvias porque estão absorvidas em grande parte das organizações atualmente. Mas foram muito importantes para o desenvolvimento dos modelos de gestão que temos hoje”, afirma.

Os 14 princípios de Fayol

A gestora explica os 14 princípios de gestão de Fayol. 

#1 Divisão do trabalho

Fayol entende que o trabalho precisa ser bem definido e que cada colaborador deve entender qual é o seu papel dentro da organização. Isso gera um aumento de produtividade e melhor aproveitamento dos recursos humanos e financeiros da empresa. 

#2 Autoridade e responsabilidade

Cada gestor tem o papel de dar ordens, para isso ele deve ter autoridade, ser líder e ser percebido dessa forma. Os funcionários precisam estar aptos a receber os comandos e cumprirem seu papel levando em conta o que foi solicitado.

#3 Unidade de comando

Cada colaborador deve receber orientações de uma única pessoa para manter a clareza dos direcionamentos, respeitando a hierarquia da empresa. O líder deve ser o superior imediato. 

#4 Unidade de direção

A empresa deve ter um único direcionamento, alinhada com todos os colaboradores, buscando o mesmo objetivo. É importante que isso fique claro para todos e um planejamento estratégico ajuda a esclarecer qual é essa direção. 

#5 Disciplina

Regras de conduta devem ser estabelecidas para que os funcionários saibam como devem se portar e manter a ordem dentro da organização. 

#6 Prevalência dos interesses gerais

Cada colaborador deve entender que os interesses da organização são mais importantes e devem prevalecer sob os interesses individuais, para que um objetivo maior seja alcançado. 

#7 Remuneração  

A remuneração deve ser suficiente para garantir a satisfação do funcionário, mas também tem que estar de acordo com o que a empresa pode oferecer.

Leia também: Pesquisa da Catho revela que qualificação profissional pode aumentar o salário em até 118%

#8 Centralização

Serve tanto para as autoridades como as atividades. O líder carrega a responsabilidade, mas pode dividi-la e delegá-la em subgrupos para que todos possam realizar adequadamente seus papéis. 

#9 Hierarquia

É um dos princípios mais fortemente defendido por Fayol. Ele acredita que é necessário haver alguém com autoridade para conduzir todo o processo da empresa, que pode ir se dividindo entre os subordinados. 

#10 Ordem

Cada coisa e pessoa deve ter um lugar específico e determinado dentro da estrutura da organização, visando manter a organização e o bom andamento das atividades. 

#11 Equidade

Os líderes devem inspirar um senso de lealdade e devoção à empresa. 

#12 Estabilidade

A rotatividade de funcionários tem consequências para a empresa, por isso é ideal é mantê-lo dentro da corporação. 

Leia também: Gestão da Inovação – nova área de atuação para administradores

#13 Iniciativa

Cada colaborador ou unidade deve ter capacidade para estabelecer e executar planos, levando em conta os objetivos da empresa. 

#14 Espírito de equipe

Todos devem ter consciência de classe, entender que o trabalho é feito em conjunto e que juntos é possível proporcionar melhores resultados.

Erika analisa que atualmente existem modelos de negócio que vão contra algumas das ideias de Fayol, principalmente dentro de startups ou empresas inovadoras, mas que direta ou indiretamente todos os princípios ainda estão dentro das organizações. 

“Porque são ideias que foram absorvidas, não paramos para pensar sobre. Quando olhamos para as empresas tradicionais, conseguimos ver todas dando um bom resultado. Contudo, existem outras possibilidades. Depende do momento que o empreendimento vive e da cultura organizacional”, finaliza. 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo