blocos de moedas empilhadas em matéria que ensina candidatos a vagas de emprego a como responder à pergunta sobre pretensão salarial
Photo by Ibrahim Rifath

Seu currículo é selecionado, você faz uma série de testes, chega à entrevista de emprego e consegue se destacar, mas, em um dado momento, o recrutador olha no fundo dos seus olhos e faz a pergunta mais difícil de todas: qual é a sua pretensão salarial?

É, não tem jeito. Nessa hora, parece que até os mais experientes se sentem pressionados e tudo parece estar por um triz. Falta repertório, nos sentimos sem dimensão sobre a vaga e percebemos que qualquer deslize pode nos tirar da disputa.

Mas, afinal: por que isso acontece? O que leva os recrutadores a questionarem a pretensão salarial das pessoas e por que é importante ir bem nessa pergunta?

Bom, para resolver esse mistério e sanar todas as dúvidas, o Na Prática conversou com a especialista em recrutamento e seleção Andréa Greco, fundadora da Alcance Assessoria, que explicou os motivos das empresas e nos deu dicas para ir bem nessa hora. Confira.

Vai participar de um processo seletivo? Acesse 12 modelos de currículos que podem te ajudar a se destacar!

Por que as empresas perguntam a pretensão salarial?

Não se trata de uma curiosidade ou de um simples teste à toa. Quando as empresas perguntam a nossa pretensão salarial, há uma série de estratégias envolvidas e que estão na mente dos recrutadores.

Segundo Andréa, há uma política de cargos e salários que os recrutadores precisam respeitar para que a contratação de um novo funcionário se enquadre nos parâmetros da empresa. Ela pontua, porém, que isso pode variar de empresa para empresa.

“Uma pretensão salarial fora da realidade pode excluir o candidato”, afirma a especialista.

Atenção às soft skills

Outro ponto abordado por Andréa é que uma pergunta delicada como essa, do salário, pode ajudar os recrutadores a analisar as habilidades psicológicas dos candidatos.

“Isso serve para ver se os profissionais têm essas soft skills aderentes à vaga”, diz ela. “Será que ele sabe lidar com pressão, será que ele tem inteligência emocional? Tudo isso é visto para ver se o candidato tem o perfil desejado”

O que é preciso ter em mente para responder bem a essa pergunta?

De modo geral, tudo o que temos que dizer aos recrutadores é um simples número, que pode ser melhor compreendido quando temos alguns pontos em mente. Ainda assim, é preciso, sim, chegar preparado para essa pergunta, com uma estimativa realista e coerente, nas entrevistas.

Pensando nisso, Andréa Greco deu as seguintes dicas:

#1. Pensar no último salário

Ao responder à pergunta para os recrutadores, é importante pensar no último salário que você recebeu ou está recebendo. Não faz sentido pedir um salário menor – na maioria das vezes – e também não faz sentido pensar em um salário muito acima do que você ganha. Tente equilibrar essa conta.

#2. Estudar o mercado

Algo que também precisa ficar em mente para os candidatos é a percepção de mercado para cada área de atuação. Pode ser que setores ligados a novas tecnologias paguem mais, por exemplo, em relação a setores mais tradicionais. Mas isso muda de tempos em tempos.

Na entrevista de emprego, é possível até que você tenha uma noção de mercado sobre sua área, mas é preciso ficar sempre atento às mudanças do mercado para de adaptar.

#3. Considerar a região de trabalho

A depender do local em que você vai trabalhar, a pretensão salarial deve e vai ser diferente. Em grandes capitais, por exemplo, o custo de vida é mais alto e, por isso, as empresas acabam pagando mais aos seus funcionários.

Faça uma pesquisa aprofundada sobre a região da vaga e oriente-se nesse sentido para responder aos recrutadores. O site Custo de Vida, que analisa quanto custa para viver em cada cidade brasileira, pode ser uma mão na roda para a análise.

#4. Avaliar o nível de senioridade

Normalmente, os recrutadores já divulgam as vagas descrevendo o nível de senioridade que esperam dos candidatos. Ainda assim, é preciso ficar sempre atento a esse detalhe, já que a sua experiência é um fato determinante para pensar um possível salário.

Aqui no Na Prática, nos temos um conteúdo dedicado a explicar exatamente isso: os níveis de senioridade e como cada um deles é pensado nas empresas. Pode ser útil para que você avalie em que momento da carreira você está.

Acesse: Qual a diferença entre cargos de nível Júnior, Pleno e Sênior?

Ferramenta para pensar pretensão salarial

Apesar de ser difícil analisar todos os aspectos listados neste artigo, vale ressaltar que é muito importante considerar cada um deles na hora de pensar uma pretensão salarial.

Todavia, existe uma ferramenta que Andréa Greco considera muito útil para essa missão. Trata-se do Glassdoor, uma plataforma em que profissionais podem registrar seus salários e cargos em diferentes empresas.

Por lá, é possível ter uma noção do quanto cada empresa paga em cada região e para cada tipo de profissional. Pode ser muito útil atrelar os dados do Glassdoor à sua pesquisa.

Pretensão salarial no currículo

Em casos onde a empresa pede para que você envie a pretensão salarial no currículo, siga as mesmas dicas. É importante dizer, porém, que você não deve enviar a pretensão salarial quando a empresa não pede por isso. O ato, ainda que bem intencionado, pode ser interpretado de forma errada pela empresa.

Portanto, só coloque a pretensão salarial no currículo quando a empresa pedir por isso.

Leia também: Como fazer um bom currículo? Aprenda a fazer um currículo excelente e se destacar

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: