Um Projeto: Fundação Estudar
Onde você se vê em 10 anos

“Onde você se vê em dez anos?” Aprenda a responder a pergunta

Por Tatyane Mendes

Temida por grande parte dos candidatos em processo seletivo, a questão levanta dúvidas e gera confusão. Recrutadores explicam o que de fato querem saber e dão dicas de como responder.

Quem já participou de uma entrevista de emprego já deve ter ouvido essa pergunta: “Onde você se vê (ou quer estar) em cinco ou dez anos?”. O questionamento faz parte de um questionário base que recrutadores costumam usar para entender o perfil do candidato. Mas como responder corretamente e garantir a vaga?

Não existe fórmula mágica, afirmam os especialistas. Consultora comportamental e pós-graduada em gestão de recursos humanos, Williani Carvalho revela que a resposta dessa pergunta mostra aos recrutadores como funciona a linha de raciocínio do candidato. “Queremos saber se a pessoa tem um planejamento de carreira e objetivos de vida. A organização busca pessoas que saibam o que elas querem para o futuro delas”, garante. 

Para ela, pessoas com objetivos definidos são mais propensas a se especializar e trazer resultado para a organização. “Você não precisa ter algo fechado. Você pode estar fazendo um processo seletivo para auxiliar administrativo e ser apaixonado pela área financeira. Não tem problema. Você vai buscar melhorar até chegar a esse ponto. Conheça-se, identifique suas habilidades e verifique se você se sente atraído pelo o que a empresa tem a oferecer”, recomenda.

Pessoal vs. profissional: o que significa a pergunta sobre onde você se vê em 10 anos?

Empresas que fazem essa pergunta querem saber projeções de futuro, confirma a psicóloga especialista em recursos humanos Ana Darla Arruda. “As organizações querem entender se a ideia que você faz do próprio futuro condiz com os interesses da empresa a longo prazo. Em uma entrevista de emprego é interessante abordar coisas que não estejam tão diretamente ligadas com sua vida pessoal”, exemplifica. 

Respostas muito subjetivas como “quero ser feliz” não são indicadas, segundo Ana Darla. “Porque elas não vão dar a projeção necessária para o avaliador. Você vai precisar de cinco anos para ser feliz? É interessante montar referências, mostrar interesse em iniciativas da empresa e em crescimento profissional e pessoal. Tudo é muito sutil, depende do entrevistador”, ressalta. 

Leia também: O que o recrutador avalia com suas respostas sem você saber

Definindo um plano

Pessoas que projetam o próprio futuro geralmente possuem bastante conhecimento, mas é preciso tomar medidas para colocar os planos em ação, afirma a professora de desenvolvimento humano da HSM University Dalila Bonfim. “A segunda pergunta é a mais importante: como eu posso fazer isso? A maioria das pessoas querem alguma coisa, mas não tem um plano de como chegar lá”, revela.

Dalila explica que é importante que o candidato trabalhe para que esse futuro que ele planejou aconteça. “Senão é só um sonho. As empresas precisam de planejadores, mas também de realizadores”, pontua. As especialistas sugerem conhecer bem a empresa para qual você está se candidatando para identificar oportunidades de crescimento, dentro da sua área de interesse, e se a empresa é compatível com suas preferências de trabalho.

Constante aprimoramento

Já Andrea Martins, professora de gestão de pessoas e projetos da Universidade São Judas, acredita que essa pergunta não faz sentido. “A gente dobra de conhecimento a cada seis meses e estamos em um mercado que muda constantemente. Então é impossível falar onde vou estar em cinco anos. O que podemos sempre pensar é que estaremos nos aprimorando, desenvolvendo competências e aprendendo sobre o mercado. Essa é a resposta ideal. Não um cargo específico. Mas um profissional em desenvolvimento constante”.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo