Um Projeto: Fundação Estudar
Currículo com seção de objetivo profissional, caneta e teclado

Como descrever o objetivo profissional no currículo (e o que o recrutador realmente quer saber)

Por Suria Barbosa

Mais uma das seções do currículo que causa dúvidas, os “objetivos profissionais” servem como importante filtro para os recrutadores. Entenda o que eles querem avaliar e como escrever da melhor forma para garantir a atenção (e a vaga!)

O currículo tradicional requer algumas informações que parecem, à primeira vista, apenas formalidades. No entanto, cada uma das seções tem um propósito de seleção para os recrutadores. No caso da parte de objetivo profissional, ela é importante porque é o primeiro “filtro”, como explica Rodrigo Pires, gerente de Recursos Humanos da Centauro: “geralmente, a parte de objetivos profissionais é a primeira que o recrutador tende a ler”. 

É de acordo com o que está escrito nesta área que acontece o que ele chama de matching inicial. Na prática: o recrutador verifica se o objetivo do candidato está alinhado com suas demandas – o que ele busca para a posição e para a empresa.

Curso gratuito: O que ninguém te ensina na hora de fazer um currículo excelente

Melhor forma de descrever o objetivo profissional

“Ao incluir um objetivo de longo prazo, neste campo, pode-se correr o risco do recrutador não terminar de ler o currículo por não se encaixar na demanda atual”, diz o especialista. Por conta disso, sua sugestão é descrever metas a curto prazo.

Outra dica é ser sucinto, específico e direcionar o texto deste campo para a vaga que quer conquistar. O nome do cargo não é obrigatório, mas informar a área em que se pretende trabalhar é essencial – e é aí que a adequação para cada posição se dá. Isso vale para quem tem, ou não, metas claras.

“Sempre digo que as pessoas devem buscar aquilo que desejam para sua carreira e trocar de objetivos em função da empresa pode ser um erro. A variação deve ocorrer pela área na qual as pessoas estão se candidatando.”

Embora alguns destaquem o nível da posição (como “gerente”, “analista”, “assistente”, etc.), Rodrigo afirma que não há problema em ser mais genérico, principalmente sendo iniciante no mercado de trabalho.

Coerência na entrevista

Na fase da entrevista, é importante falar seu objetivo profissional de acordo com o que está descrito no currículo. Porém, pode – e deve! – se aprofundar. O currículo costuma ser a primeira parte das seleções, mas na entrevista há muito mais chances de se destacar, mostrando sua personalidade e perfil.

Rodrigo aconselha tentar construir uma narrativa, partindo do objetivo atual, mas colocando-o como uma das etapas para atingir seu verdadeiro alvo. Para o gerente de RH, “isso demonstra que seu objetivo hoje possui um propósito maior, ou seja, faz parte do seu plano de carreira”.

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo