Um Projeto: Fundação Estudar
Muhammad Yunus

Todas as pessoas têm potencial para empreender, diz Muhammad Yunus

Por Rafael Carvalho

Conhecido como 'banqueiro dos pobres', o economista e Nobel da Paz Muhammad Yunus está no Brasil para uma série de eventos sobre negócios sociais

Em entrevista recente para o jornal Folha de São Paulo, o economista e Nobel da Paz Muhammad Yunnus defendeu que todas as pessoas têm potencial para empreender. Para ele, é o empreendedorismo – e não a filantropia – a grande solução para a pobreza do mundo, por meio dos chamados negócios sociais.

Doutorado pela Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos, ele próprio fundou, em 1976, o Grameen Bank, instituição especializada em microcrédito para pobres em Bangladesh (seu país de origem), o que lhe rendeu o prêmio Nobel em 2006. Atualmente ele está no Brasil para uma série de palestras sobre negócios sociais, termo cunhado por ele mesmo.

Leia também: Conheça a Yunus&Youth, que ajuda jovens a se tornarem empreendedores sociais

“As matérias-primas principais do negócio social são o inconformismo com problemas que estão ao nosso redor e a criatividade humana para enfrentá-los. Neste sentido, a principal condição é a existência de empreendedores, pessoas munidas dessa vontade de solucionar problemas, de mergulhar neles, estudá-los para que surjam as ideias e possibilidades de resolvê-los”, disse o economista.

Sobre o conceito de negócio social, ele explica: “É um tipo de business que, em vez de ter como missão o lucro, visa resolver alguma questão social”. Sua visão sobre o que configura ou não um negócio social, no entanto, é bastante pragmática. Para ele, os investidores ou donos da empresa de um negócio social podem gradualmente recuperar o dinheiro investido, mas não obtém lucro depois disso. Outros defensores desse modelo de negócios admitem a possibilidade de lucro para os empreendedores.

Leia também: Seu plano de carreira é ajudar um Nobel da Paz a tornar o mundo melhor

Nessa sua segunda vinda ao Brasil, Yunus propõe criar uma rede de universidades unidas em torno da promoção de negócios sociais como uma maneira para a resolução de problemas sociais. “Nossa intenção é que as universidades possam cada vez mais se tornarem centros, não apenas de formação teórica de negócios sociais, mas que possam ser incubadoras de projetos sociais”, defende.

Acompanhe a página da Yunus Negócios Sociais para saber mais sobre os próximos eventos que contarão com a participação do economista no Brasil.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo