Um Projeto: Fundação Estudar
Homem de óculos conversa com outro

Para que serve um programa de coaching dentro das empresas?

Por Rafael Carvalho

'Coaching não é terapia, não é treinamento e nem consultoria', explica Sofia Esteves, fundadora do grupo DMRH e Cia de Talentos

Cada vez mais a figura do coach tem sido requisitada, tanto por profissionais quanto por empresas que desejam obter o melhor desempenho de seus colaboradores. Mas a maior difusão do tema, aliada à subjetividade que caracteriza os pontos desenvolvidos nestes processos, tem gerado muitas dúvidas.

Primeiramente, esclareço que coaching não é terapia tampouco psicoterapia – estas tendem a fazer uso das experiências e dos sentimentos relacionados a eventos passados para melhorar o futuro. Coaching também não é treinamento ou consultoria – estes tendem a fornecer conselhos direcionando o que deve ou não ser feito.

Conheça o Autoconhecimento Na Prática, o novo programa de autodescoberta e desenvolvimento do Na Prática

O conceito de coaching

O conceito coaching está atrelado a um contexto empresarial/profissional e requer um nível de conhecimento de técnicas e metodologias muito além do aconselhamento puro e simples. O objetivo do coach (quem dá o coaching) é ajudar o coachee (quem recebe o coaching) a crescer e, com este crescimento, trazer melhores resultados para a empresa na qual atua.

Quando o coach trabalha com jovens em início de carreira, seu papel é fazer com que eles incorporem elementos culturais e posturas comportamentais do mundo corporativo com as quais não estão familiarizados, visto que não faziam parte da realidade universitária. O diferencial desta ferramenta está na possibilidade de aprofundar o autoconhecimento do jovem, para o qual crescimento profissional, metas e feedbacks são fundamentais.

Para profissionais seniores, ter um coach pode significar ter a oportunidade de trocar experiências sobre questões e dificuldades profissionais com alguém não envolvido emocionalmente com aquele ambiente, estando, portanto, mais preparado para ajudar a iluminar pontos que ficam obscuros sob a ótica de quem está dentro da situação.

Leia também: Especialista em coaching fala sobre a formação de líderes e empreendedores

A prática de coaching

Independentemente de qual for o contexto, o ideal é que área de recursos humanos, o gestor, coach e coachee estabeleçam o que será desenvolvido e o porquê. Esta ferramenta só fará a diferença se houver esse alinhamento. Caso contrário, pode não atender às necessidades e expectativas tanto da organização quanto do coachee, gerando a impressão de que o investimento foi desperdiçado.

Em minha opinião, um bom coach precisa ter: interesse genuíno pelas pessoas, intuição e percepção aguçadas, disposição para ouvir e bom senso, além de ter formação profissional na técnica Coaching – o que lhe permite proporcionar um bom desempenho com resultados concretos. É alguém capaz de enxergar o que não está aparente e, principalmente, fazer o coachee ver quem ele é, onde está, aonde quer chegar e, se possível, dispor de elementos para iluminar seu caminho.

Em linhas gerais, um coaching deveria ser realizado por etapas: estabelecer a real necessidade deste processo de desenvolvimento, determinar como será feito, alinhar expectativas, definir o objetivo, identificar opções e barreiras, criar comprometimento para a ação, acompanhar e encorajar, coletar dados para analisar os resultados, dar feedback e, se necessário, revisitar as metas.

Leia também: Coach X Mentor – entenda como cada um pode ajudar a sua carreira

Em suma, o coaching é o ponto de partida para desenvolver pessoas com capacidade de lidar com situações cada vez mais complexas ou ambíguas, buscando sempre caminhar para uma importante tomada de decisão. É um processo de desenvolvimento que permite a um profissional ter autonomia para aprimorar suas competências com responsabilidade.

Sofia Esteves é fundadora do grupo DMRH e Cia de Talentos

Este artigo foi originalmente publicado em EXAME.com

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo