Um Projeto: Fundação Estudar
Garrafas empilhadas

Ambev na prática: por dentro da área de marketing de inovação

Por Tiago Mittraud

O gerente Rodrigo Azambuja conta quais são suas principais atribuições e descreve o contato que tem com outros profissionais da empresa

“Na Ambev, o marketing de inovação envolve tanto a criação de um novo produto, quanto o desenvolvimento de um produto antigo. Nosso objetivo é passar a mensagem certa através das nossas marcas, de forma que o consumidor entenda facilmente o recado”, explica Rodrigo Azambuja, gerente nacional dessa área na empresa.

Rodrigo estudou engenharia de produção na PUC-Rio e começou a estagiar na Ambev em vendas. Morou um tempo fora, fez cursos de verão sobre negócios e marketing em Stanford e Harvard, depois voltou para a empresa como supervisor de vendas. Logo tornou-se gerente da área no Rio de Janeiro e foi aos poucos ampliando seu escopo.

“Em vendas, conquistei bagagem analítica e conhecimento comercial, que me deram um senso de liderança desde cedo”, diz. Hoje, ele gerencia as pesquisas de tendências do mercado global e a adaptação das informações que fazem sentido para a realidade brasileira. “Marketing tem um pouco de feeling, mas a base de tudo está em dados concretos.”

Leia também: Marketing e vendas, o cliente em primeiro lugar

Dia a dia da função

Segundo Rodrigo, uma parte do seu trabalho envolve a criação de um conceito, a partir de insights vindos de fora do Brasil, a elaboração de um briefing e a reunião com uma agência parceira para o desenvolvimento de novos produtos. E outra parte, o acompanhamento semanal de produtos que já estão no mercado, com planos de ação para melhoras.

“Ao mesmo tempo em que temos que criar produtos inovadores, precisamos gerenciar e fazer o follow de projetos antigos de tempos em tempos, a fim de melhorar o padrão de uma campanha, por exemplo, e conseguir chegar mais perto do que o consumidor quer”, conta. “São atividades paralelas, que exigem mão na massa e planejamento”, acrescenta.

A parte frustrante, afirma ele, é trabalhar muito tempo em cima de um conceito que pode não dar certo. “Muitas vezes, a gente se dedica a uma ideia por meses – desde a pesquisa até o próprio desenvolvimento de um produto – e, quando ele de fato é apresentado ao consumidor, vemos que não atende à demanda da forma como imaginamos no briefing.”

Leia também: Cinco competências essenciais em um profissional de marketing

Marcas inovadoras

A cerveja Skol é um exemplo de produto que foi revisto recentemente na Ambev. “Hoje, a Skol é uma marca muito mais forte do que há cinco anos. Nesse período, houve um trabalho de entendimento do real propósito da marca, que a gente chama de ‘brand ideal’. A gente se fez a pergunta: o que eu, como marca, quero passar para meu consumidor?”, explica.

Depois de muitas reuniões de criatividade, desenvolvemos um briefing redefinindo o propósito da marca: desta vez, focado no público jovem. “A partir do momento em que chegamos a um ‘brand ideal’ poderoso e simples, começamos a criar plataformas para uma campanha muito mais efetiva, suportando que a Skol é mais do que uma cerveja, é um estilo de vida.”

Se mesmo as marcas já consagradas ainda têm oportunidades de melhora, os produtos mais novos podem demorar um pouco a deslanchar. O energético Fusion, por exemplo, está em constante processo de definição do conceito. “É um produto novo, de 2 anos de idade, mas que esperávamos estar crescendo mais do que cresce hoje”, admite Rodrigo.

Leia também: Bens de consumo, o foco no produto

Perfil do profissional

Além de identificar o que é tendência no mercado global, faz parte do trabalho de um profissional de marketing de inovação antecipar o que o consumidor vai querer daqui a alguns anos. “Para isso, é preciso ter uma boa base analítica, estar sempre antenado nas novidades e por dentro de todos lançamentos dentro do seu setor, no Brasil e no mundo”, diz.

Também é essencial saber lidar com gente e conhecer de perto como cada etapa do processo acontece, da formação de um conceito, aprovação, desenvolvimento, até o acompanhamento do produto. “É importante colocar a mão na massa – o que a gente chama de ‘managing by walking around’ – e ser paciente. Pode demorar um ano para colocar um líquido no mercado.”

Leia também: Sete dicas para quem sonha em trabalhar em bens de consumo

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo