o que caracteriza o vale do silício como polo tecnológico

Tanto o Vale do Silício quanto Massachusetts apresentam universidades líderes em pesquisa e com alto nível de excelência acadêmica. De um lado, Stanford e Berkeley; do outro, MIT, Harvard e Babson (entre outras). Mas qual região se destaca quando o assunto é tecnologia e inovação?

De acordo com o livro Regional Advantage, escrito pela pesquisadora Annalee Saxenia, da Universidade de Princeton, o que caracteriza o Vale do Silício como polo tecnológico são três aspectos culturais:

#1 Cultura de negócios

As firmas do Vale do Silício colaboram umas com as outras de maneiras formais e informais, desenvolvendo alianças, contratando peças e serviços, ou simplesmente compartilhando informações. Encontros casuais são frequentes entre colaboradores de diferentes firmas.

 

 

Por outro lado, a cultura que prevalece em Massachusetts é muito mais contida: por vezes, informações são secretas e os empregados tem pouco contato com diferentes firmas.

#2 Relações de trabalho

Enquanto os profissionais do Vale do Silício trocam de empresas frequentemente (ou se demitem para empreender, sendo inclusive encorajados nessas decisões), em Massachusetts trocar uma firma por outra – ainda mais por uma startup – é pouco frequente e vista como uma atitude desleal.

Quer saber a hora certa para sair do emprego? Ex-funcionária do Google (e empreendedora) responde

#3 Cultura de colaboração

A atuação de universidades, grandes corporações e empresas de venture capital também influenciaram nessa diferenciação. Comparando o MIT com Stanford, por exemplo, a segunda encorajou muito mais a participação dos alunos em atividades de empresas locais. A Hewlett-Packard, a famosa HP, ajudou no desenvolvimento de muitas startups no começo. Enquanto em Massachusetts, o mercado digital ficou restrito à economia regional.

Empresas de venture-capital do Vale do Silício desempenharam um importante papel transferindo habilidades e conhecimento entre empresas, onde o estereótipo de grandes corporações foi deixado para trás sobre compartilhar informações e habilidades. Enquanto as firmas em Massachusetts trabalhavam de forma a proteger a sua propriedade intelectual. Estas diferenças de sistema afetaram diretamente o número de novas startups, e o tempo de ir para o mercado de novos produtos.

Assim, mesmo com universidades de renome e capital intelectual de ponta em ambos os locais, a cultura de colaboração do Vale do Silício influenciou de forma significativa o surgimento e a prosperidade de novos negócios da região.

Leia também: Tudo sobre estudar e empreender no Vale do Silício

Sobre a Autora

Marina Aoe é graduada em Arquitetura e Urbanismo pelo Mackenzie e foi presidente da Liga Empreendedora do Mackenzie, a MackEmpreende. Hoje integra o time de Inovação e Tecnologia do LAIOB e hoje tem como objetivo promover a inovação e as tecnologias exponenciais no ecossistema brasileiro.

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: