Um Projeto: Fundação Estudar
Grupo de trabalho etnicamente diverso discutem papeis

Asset Allocation: conceito chave no mercado financeiro

Por Rafael Carvalho

Entenda uma das estratégias adotadas por consultores e fundos de investimento para decidir onde colocar o dinheiro de seus clientes

Todo mundo sabe que investir no mercado financeiro pode envolver riscos significativos, e nem sempre os resultados pretendidos são alcançados. O segredo para se dar bem, ao que tudo indica, é saber onde colocar o seu dinheiro – ou o dinheiro dos outros! Existem diversas estratégias de investimento que buscam garantir bons resultados para o investidor. Asset allocation, ou alocação por classes de ativos, é uma dessas estratégias.

Leia também: Como se destacar como analista financeiro?

O que é asset allocation?

A tática de asset allocation preconiza uma repartição do dinheiro a ser investido em diferentes tipos de investimento, como ações, títulos de renda fixa, moedas estrangeiras, real state (imóveis) entre outros.

O objetivo é usar essa diversificação para equilibrar o risco que o investidor está disposto a correr e o retorno que ele espera conseguir. Mas não existe uma fórmula simples para se chegar a alocação de recursos ideal para cada perfil de investidor.

No mercado financeiro, a lucratividade de um investimento está quase sempre diretamente relacionada ao risco dele não dar certo. Ações, por exemplo, embora possam ser mais rentáveis, também são mais arriscadas. Já os investimentos de renda fixa, como títulos públicos, são mais seguros, porém não trazem lucros astronômicos.

Leia também: Entenda a indústria de private equity no Brasil

Como funciona?

É o perfil do investidor que vai determinar o desenho do portfolio de investimentos, também chamado de carteira, e que corresponde ao conjunto dos investimentos realizados. O asset mix é a representação de quanto cada tipo de investimento contribui para o valor total dessa carteira, normalmente na forma de porcentagens. E é aí que a estratégia de asset allocation entra.

Imagine um jovem que está interessado em investir 50 mil reais, não tem muito medo de perder dinheiro (alta tolerância a riscos) e pretende continuar com os mesmo investimentos a longo prazo. Usando a estratégia de asset allocation, é possível propor para esse investidor uma carteira com 90% dos recursos alocados em ações (45 mil reais) e 10% alocados em títulos de renda fixa (5 mil reais).

Com o passar do tempo, será necessário fazer alguns ajustes e redistribuir o dinheiro entre os investimentos para manter as mesmas proporções. Voltando ao exemplo acima, suponha que após um ano as ações tiveram um retorno de 15%, que significa um lucro de 6750 reais, enquanto os títulos retornaram 2%, representando um lucro de 100 reais. Com isso, o perfil dessa carteira mudou: agora, 51750 reais estão aplicados em ações, somando 91% da carteira, e 5100 reais em títulos, ou 9%. Para voltar ao mesmo asset mix, que corresponde ao perfil de carteira que o cliente busca, será necessário vender algumas ações e usar o dinheiro para comprar títulos, voltando a proporção 90/10.

“Para cada necessidade e perfil há uma proposta adequada. Este modelo é um ponto de partida, permitindo ao investidor utilizar produtos variados, incluindo desde CDBs e LCAs [Certificados de Depósitos Bancários e Letras de Crédito do Agronegócio, ambos tipos de títulos de renda fixa] até fundos de participação e investimento no exterior, nos casos mais sofisticados”, explica Gisele Andrade, do Valor Econômico.

Na Prática explica: Chinese Wall, a barreira de informações no mercado financeiro

Por que usar?

A ideia por trás dessa estratégia é que a diversificação do portfolio reduz o risco e melhora o retorno geral para o investidor. Essa teoria parte do princípio de que, em um período determinado, alguns tipos de investimento serão vencedores e outros não darão certo, e isso vai se alternando ao longo do tempo.

Ter em uma mesma carteira estilos de investimento diferentes, que não se relacionam entre si – em outras palavras, que performam de maneira independente – é um jeito de se proteger dessas variações.

A chance de todos os tipos de investimento darem errado ao mesmo tempo é bem pequena. Se uma das classes de investimento do seu portfolio vai mal, o prejuízo é compensado pelo rendimento dos outros investimentos mais seguros. Dessa maneira, o resultado geral da carteira não sai tão prejudicado.

No jargão do mercado financeiro, é comum dizer que a boa alocação de recursos diminui a volatilidade do portfolio. Volatilidade nada mais é do que a imprevisibilidade dos resultados, ou de quanto esses resultados podem variar. Deixar o portfolio menos volátil, portanto, é ter mais certeza sobre o que se pode esperar, em termos de retorno financeiro, da sua carteira de investimentos.

Leia também: Por que e para que surgiram as certificações financeiras?

Quem usa?

Normalmente, quem decide em que tipo de investimentos determinado fundo ou banco vai colocar dinheiro é o gerente de portfólio financeiro. Existem alguns tipos de fundo de investimento que adotam estratégias de asset allocation e disponibilizam para o investidor estruturas de portfólio baseadas na sua idade, apetite para riscos e pretensão de retorno. Os balanced funds são um bom exemplo, e oferecem um mix equilibrado de ações, títulos e moedas mirando no investidor que procuram um mistura de segurança, renda e uma modesta valorização de capital.

Alguns desses fundos mantêm as mesmas proporções para cada classe de investimento ao longo do tempo, apostando na constância, enquanto outros fazem algumas modificações nessa composição em resposta a mudanças nos mercados e na economia.

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

 

Dica do Na Prática:

Conhecer de perto as etapas de um processo seletivo e entender como acontece cada uma delas aumenta as suas chances de contratação. Se você ainda não se sente 100% confiante, não se preocupe, a Fundação Estudar reuniu as maiores referências no assunto em um curso online para te ajudar neste desafio. Inscreva-se agora com 20% de desconto com o cupom PROCSEL-20 clicando aqui.

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo