Um Projeto: Fundação Estudar
Bruna Negri mulher trainee do Itaú

Ex-trainee do Itaú dá dicas para jovens no início de carreira

Por Rafael Carvalho

Formei, e agora? Bruna Negri, que atualmente cursa MBA na ESADE em Barcelona, escreve sobre os primeiros passos de sua trajetória profissional depois da graduação

Formada em Economia pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), Bruna Negri atualmente mora em Barcelona, onde cursa MBA na ESADE, conceituada escola espanhola de negócios e uma das líderes na Europa. Antes disso, ela trabalhou no Itaú Unibanco – onde ingressou como trainee – por cerca de quatro anos. A seguir, ele escreve sobre os seus primeiros passos na carreira, sua experiência profissional no banco e como sua vontade de novos desafos a levou para uma pós-graduação no exterior:

Leia também: Recrutadora do Itaú BBA fala sobre o programa de trainee do banco

Meu primeiro estágio foi em uma empresa de energia elétrica. Minha primeira surpresa foi ver que o mundo empresarial não precisava ser tão “boring” como eu imaginava. Lá eu também descobri que as pessoas são a sua maior fonte de aprendizado – guarde isso, é meu primeiro conselho!

No início da sua carreira, é importante buscar referências, grudar nos seus ídolos e exemplos (você vai encontrar muitos!) e não perder o contato com eles. Eles serão grandes mentores e poderão ajudá-los nos seus maiores desafios.

Durante o meu estágio, também percebi que gostava de trabalhar!
Sim, é verdade! Descobri que eu era um daqueles bichinhos que os sábios vivem criticando, sabe? Uns tais de “workaholic”… pois é!

Então, decidi que precisava dar um passo maior. Queria trabalhar em uma empresa global, que me desafiasse todo dia, e que o céu (ou Espanha, Estados Unidos, África) fosse o limite. Resolvi tentar o programa de trainee do Itaú. A esta altura, eu já havia me formado e continuava na empresa de energia elétrica.

Antes do processo me preparei, e o mais importante: Entrei para ganhar!
Foi o único processo seletivo para trainee que prestei no ano. Coloquei na minha cabeça, me preparei para o processo e fui! Passei!

Aí vem o conselho número 2: na sua carreira, uma vez que você descobriu um interesse, uma paixão, não se dedique 50, 70 ou 90%. Dedique-se 100%. Mentalize, se prepare. E de volta ao conselho número 1: lembre-se das pessoas! Elas são o seu ativo mais importante, então converse, pergunte e seja curioso.

No Itaú, a experiência como trainee foi excelente, com desafios constantes. E é aí que entra o conselho número 3: seja humilde. Por mais que você seja trainee, ou sua mãe te ache o máximo. Pare, respire!

Quando entrar no seu emprego, lembre-se que existem pessoas ali que conhecem melhor o processo, a lei, o mercado, o cliente, o valor da empresa. Então, escute primeiro. E depois, vem o conselho número 4: bote pra quebrar!

Tenho certeza que no seu processo de “descoberta”, você pensou em mil ideias de mudança! Seja ousado, proponha mudanças! Você vai ouvir vários “não”, 1, 2, 3, 4…. não tem problema. Os “sim” virão. Minha meta pessoal no inicio era “transforme não em sim”.

Leia também: Jovem conta como foi do curso de Direito na UFMG ao mestrado em Berkeley, na California

Quinto conselho: Sonhe! Sonhe grande, já que sonhar grande e pequeno dá o mesmo trabalho, não? Depois de 3 anos no Itaú, percebi que o momento de dar um passo ainda maior havia chegado. Estava na hora de dar uma pausa no alucinado ritmo de trabalho e colocar a cabeça para pensar em soluções maiores. MBA! Fora do Brasil! Em uma das melhores universidades do mundo! Este foi meu grande passo.

Mas aí vem conselho número 6: eu sabia que queria MBA desde que entrei no Itaú, então não perdi tempo, e ao longo dos anos me preparei intelectualmente e financeiramente para quando a hora chegasse. Conselho número sete? Trabalhe para alcançar seus objetivos!

Próximo passo…. Bom, estou com a cabeça aberta para as empresas e para o mundo. Já já vou me formar novamente, e agora? To formando! E o que estou fazendo sobre isso?

Conselho número oito: networking! Estou conversando com ex-alunos, empresas, amigos. Sei que quero trabalhar com negócios digitais, logo participo de grupos de inovação, ajudo em projetos de startups, entro em competições globais com times multinacionais e converso muito com gente do mundo inteiro. Assim eu vou trilhando meu próximo grande passo.

O mundo está cheio de oportunidades, não deixe de buscá-las. E sonhe, mas sonhe grande!

Este artigo foi originalmente publicado em Formei, e agora?, projeto independente desenvolvido pela estudante Luiza Negri durante participação no evento LABx, organizado pelo Na Prática. Na página do portal, é possível ler mais histórias e relatos de diversos profissionais sobre como foi se formar e entrar no mercado de trabalho. Vale conferir o conteúdo completo aqui!

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo