Um Projeto: Fundação Estudar
Larissa Maranhão brasileira estudante de Harvard

‘É nossa obrigação devolver as oportunidades que tivemos’, diz brasileira em Harvard

Por Rafael Carvalho

Jovens brasileiros que estudam na melhor universidade do mundo criam projeto de mentoria para alunos da rede pública

Qual é a importância de um mentor? Seja pelos conselhos ou pela criação de oportunidades, para um grupo de universitários brasileiros que estudam em Harvard, nos Estados Unidos, essa figura foi essencial no seu desenvolvimento acadêmico e pessoal. E está na hora de devolver esse benefício.

Leia também: Dez livros que os alunos de Harvard leem sobre liderança

Dos 13 brasileiros que atualmente cursam graduação em Harvard nos mais variados cursos, sete são bolsistas da Fundação Estudar e contam com a rede de apoio e mentoria oferecida pela organização. Agora, com o intuito de compartilhar as experiências que tiveram com outros jovens, esses alunos querem oferecer mentoria para estudantes de escolas públicas com potencial e boas ideias para desenvolverem projetos sociais de alto impacto no Brasil.


Promovido pela HUBA (Harvard Undergraduate Brazilian Association), associação que reúne estudantes brasileiros em Harvard, o programa Brasilitas irá selecionar 15 jovens, entre ensino fundamental e médio, para um programa de mentoria online com duração de um ano. Além desse acompanhamento individual, os alunos terão a oportunidade de participar de oficinas voltadas para o desenvolvimento de seus projetos de vida.

Leia também: ‘Fui rejeitado por Harvard dez vezes’, diz fundador do Alibaba

“O que a gente vai fazer é ajudar com a nossa experiência para que esses alunos possam chegar onde eles querem”, afirma Larissa Maranhão, 21, ex-presidente da HUBA e uma das bolsistas da Fundação Estudar envolvidas no projeto. Para a universitária, essa iniciativa foi uma das formas que ela e outros colegas encontraram para desenvolverem ações de impacto no seu país. “É nossa obrigação devolver as oportunidades que tivemos de uma maneira significativa”, conta.

De acordo com Larissa, a escolha do participante não está relacionada ao fato desse aluno ser o melhor da sala ou de ter o desejo de estudar fora. “Vamos escolher alunos brilhantes e essa definição não tem relação com nota. É gente que fez muito com o pouco que foi dado.”

As inscrições podem ser feitas por um formulário online até o dia 1 de agosto. O resultado deve ser divulgado em setembro.

Este artigo foi originalmente publicado em Porvir

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo