Um Projeto: Fundação Estudar

6 coisas que você não sabia sobre a carreira de arquiteto

Por Suria Barbosa

No Dia Mundial da Arquitetura, o Na Prática conversou com o arquiteto Beto Magalhães, fundador e sócio-proprietário do escritório Beto Magalhães Arquitetura sobre as peculiaridades da profissão. “É, ao mesmo tempo, uma profissão linda e muito difícil. Vale a pena desde que se tenha muito amor e dedicação.”

Formado em Arquitetura e Urbanismo pela USP e UNIP, Magalhães trabalhou como gerente de obras e de projetos até abrir sua própria oficina e, posteriormente, o escritório que toca atualmente. Confira o que ele destaca sobre ser um arquiteto!

#1 A maior particularidade é enxergar coisas que os outros não veem

“O arquiteto olha para pontos, e possui percepções, que muitas pessoas não conseguem notar”, destaca Magalhães. “Sonha acordado e projeta até dormindo . É quase um vício. A paixão pela criação nos dá uma liberdade infinita e isso é muito prazeroso.”

#2 Lógica, senso estético e “capacidade de sonhar” são atributos valiosos

“A lógica está diretamente ligada a todas as questões relativas a um projeto, já o senso estético corre paralelamente aos caminhos que a lógica nos levou. Às vezes, até nos mostrando outros caminhos. A capacidade de sonhar, por sua vez, é fundamental para equilibrar esse labirintos, ela nos mostra a melhor saída.”

#3 Técnicas tradicionais são tão relevantes quanto tecnologia

“É extremamente importante que o arquiteto se acostume a desenhar, independente dos programas de modelagem em 3D, que também são extremamente úteis e importantes”, diz o profissional. “O desenho a mão livre estimula a visualização espacial e isso ajuda muito durante o processo criativo”, explica.

#4 Como em outras áreas, a situação econômica do país pode ser limitante

“Projetos [arquitetônicos] são resultantes diretos de investimentos, nas mais variadas escalas.

Leia também: Conheça o segredo de Darwin – e outros gênios – para produtividade e criatividade

#5 O Brasil tem peculiaridades negativas

“O respeito e a valorização da profissão, aqui no Brasil , ainda é muito baixa se comparada a outros países.”

#6 Divulgar o trabalho é essencial (tanto quanto ser bom no que faz)

“Vivemos em um mercado extremamente competitivo. O quanto antes o profissional entender que, tão importante quanto ser um bom arquiteto, é divulgar seu trabalho, maiores serão suas chances de sucesso”, destaca Magalhães.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo