Um Projeto: Fundação Estudar
controle de epidemias

Quem são os profissionais que atuam no controle de epidemias?

Por Tatyane Mendes

Os profissionais da saúde seguem sendo grandes heróis no combate ao coronavírus, mas existem outras profissões que também têm um papel primordial nesse cenário. Conheça outras profissões indispensáveis.

Desde que o coronavírus começou a se propagar em níveis alarmantes diversos profissionais se mobilizaram para buscar soluções e impedir que a doença se espalhe. Trabalhar buscando o controle de epidemias é uma tarefa extremamente importante em um momento como o atual. E não são apenas os profissionais de saúde, como médicos e enfermeiros, que realizam um papel essencial nesse cenário.

Quem é chamado para fazer o controle de epidemias?

Que profissionais da saúde estão sendo os grandes heróis no combate ao coronavírus não há dúvidas. Mas existem outras profissões (e especializações dentro da própria área da saúde também) que têm um papel primordial nesse cenário também. Conheça algumas profissões indispensáveis para o controle de epidemias. Vale ressaltar que nem todas as profissões envolvidas estão descritas abaixo, mas o Na Prática valoriza a contribuição de todos os profissionais.

Infectologista

Seguramente o profissional mais procurado durante uma pandemia como a atual, o infectologista é um médico especializado em estudar doenças causadas por diversos patógenos, como o vírus que causa a COVID-19. Os especialistas na área também atuam realizando testes de vacinas e outras técnicas que podem ajudar a evitar a disseminação de vírus e doenças. Eles geralmente representam grandes fontes de informação e costumam realizar diagnósticos como o do coronavírus.

 

 

Biomédico

Uma das maneiras de evitar que doenças afetem a sociedade de maneira descontrolada é por meio da vacinação. O profissional responsável por desenvolver as vacinas é o biomédico, que se dedica ao estudo de doenças infecciosas e de mecanismos de tratamento e prevenção de patologias. No cenário atual, os biomédicos são responsáveis por mapear o genoma do coronavírus, trabalho essencial para conhecer a origem do vírus e desenvolver vacinas e testes diagnósticos que possam ajudar no controle da epidemia.

Leia também: COVID-19: 14 iniciativas contra a crise promovidas por Líderes Estudar

Psicólogo

Uma das estratégias encontradas para desacelerar e conter o coronavírus foi o isolamento social. Contudo, apesar do método ter se mostrado eficaz em outros países, muitas pessoas sentiram que sua saúde mental foi prejudicada pela falta de contato com outras pessoas, além da ansiedade e estresse que o momento provoca. Nesse contexto, profissionais da psicologia e psiquiatria são essenciais para fazer o acompanhamento e evitar que a sociedade desenvolva ou agrave problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade. Alguns profissionais da área inclusive se mobilizaram para criar um guia específico de cuidados em tempos de coronavírus.

Comunicólogo

Por mais que as epidemias sejam um problema de saúde, e portanto demandem uma grande mobilização de profissionais da área, dificilmente é possível ter controle de epidemias efetivo sem a participação de profissionais da comunicação. Eles são responsáveis por divulgar informações relevantes à população, transmitir conteúdo complexo de forma simples, organizar dados, produzir infográficos e imagens que facilitem a compreensão, preparar profissionais da saúde para dar declarações, entre outras atividades. Os comunicólogos também tem um papel importante em cobrar respostas de governantes e divulgar medidas eficazes de prevenção.

 

Economista

Também dentro do leque de profissões fora do setor de saúde, os economistas são profissionais extremamente estratégicos para o controle de epidemias. Isso porque problemas de saúde pública nessa escala trazem implicações econômicas gigantescas, além da necessidade maior de gerenciamento de recursos, sejam eles hospitalares, de comida ou outros. Com o isolamento social, por exemplo, muitos negócios viram suas receitas diminuírem, o que consequentemente afeta sua força de trabalho e isso vai se desdobrando em um ciclo de escassez financeira, que pode gerar uma pobreza social. Os economistas são peças essenciais na criação de estratégias para minimizar essas danos em tempos de crise.

Leia também: Liderar em meio à crise: conduzir o barco X gerenciar respostas

Cientista de dados

Acompanhar a progressão de mortes e casos durante a pandemia é uma tarefa importante para avaliar se as estratégias adotadas estão sendo efetivas e quais são as regiões mais críticas. Para essa função, o cientista de dados é um profissional mais indicado por sua habilidade de trabalhar com uma grande gama de informações, cruzar referências e conseguir traduzir números em desdobramentos para a vida real. Os cientistas também podem atuam mais proximamente à tratamentos em testes, verificando sua efetividade, fazendo sugestões e buscando outras referências.

Internacionalista

Os profissionais de relações internacionais também tem um papel importante no controle de epidemias, definição que constata que o problema existe a nível global. Durante a crise, é necessário trocar informações com outros países, mobilizar recursos, resgatar conterrâneos que estejam expostos ou sem auxílio no exterior e traçar estratégias e acordos em conjunto. Dentre muitos profissionais que podem estar envolvidas, quem trabalha com relações internacionais com certeza é um deles.

Esses são apenas alguns dos profissionais que são indispensáveis para o controle de epidemias, mas existem ainda muitos outros. Em momentos como esse, o essencial é que cada um faça o que estiver ao seu alcance para contribuir, uma vez que a situação afeta a sociedade como um todo.

Leia também: 21 (possíveis) profissões do futuro para conhecer hoje

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo