Um Projeto: Fundação Estudar
grupo de colegas discutindo soluções em frente a mural de postits

Pesquisar o mercado é a resposta para quem está indeciso com a carreira

Por Rafael Carvalho

Para Anamaíra Spaggiari, uma decisão de carreira assertiva deve levar em conta não só variáveis de mercado, mas também traços individuais, como paixões, valores e estilo de trabalho

Você já sabe onde e com o que quer trabalhar? Tem certeza da carreira que vai seguir? Para muitos jovens, essas dúvidas são te tirar o sono. Anamaíra Spaggiari, coordenadora de carreira da Fundação Estudar, escreveu recentemente um artigo sobre esse tema para o portal UOL. Para ela, a indecisão de muitos jovens em relação a carreira não é um problema, mas mostra a necessidade de conhecer melhor o mercado e as empresas. A seguir, leia o artigo completo:

Muito se fala do quão desafiador é, aos 17 anos, o jovem já ter de escolher para qual curso prestar vestibular. Da opinião de pais e amigos ao status social das profissões, o jovem de ensino médio enfrenta uma série de pressões que influencia sua tomada de decisão.

O mesmo se repete com o jovem universitário, que muitas vezes carece de visão mercadológica e possui pouca clareza sobre qual trilha de carreira seguir. Muitas vezes intitulados “perdidos” por eles mesmos, esses jovens acabam por tomar decisões novamente baseadas em opiniões de familiares e amigos, status social, retorno financeiro imediato ou marca da empresa.

O risco em curto prazo é a insatisfação logo no primeiro emprego, o que leva vários jovens a desistir rapidamente desse trabalho e tentar uma nova oportunidade, em busca do que realmente gosta.

Mas, talvez, nem na segunda ou terceira tentativa ele vai encontrar seu lugar, levando ao fenômeno pelo qual a geração Y é bastante criticada: pular de galho em galho em curtos espaços de tempo.

Em longo prazo, o risco de várias pessoas tomarem uma má decisão de carreira está em criar, no Brasil, uma cultura em que todos veem o trabalho como algo pedante, afetando cada vez mais os ambientes profissionais com gente insatisfeita.

A estatística de que sete em cada 10 brasileiros estão infelizes com sua carreira comprova tal efeito (dados do Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente). Outra recente pesquisa mostra que 77% das pessoas entrevistadas já pensaram em largar o seu emprego e iniciar uma nova carreira (Fonte: Pactive Consultoria, agosto de 2013). 

Por estar trabalhando há cinco anos com jovens universitários e recém-formados, já ter participado da capacitação de mais de 6 mil deles e por eu mesma ter passado recentemente por essa fase de indecisão, percebi que ainda subaproveitamos muitas oportunidades de nos encontrarmos profissionalmente.

O acesso à informação sobre diferentes indústrias, funções e culturas organizacionais é primordial e nem sempre encontrado dentro da sala de aula. Mas, ao invés de colocar a culpa mais uma vez nas instituições educacionais, o próprio jovem pode se colocar como protagonista e correr atrás para embasar suas decisões de carreira.

E não há problema algum em experimentar! Um jovem em início de carreira pode, e deve, buscar informação e capacitação em mais de um setor, caso ainda esteja indeciso. Não sabe se quer trabalhar numa grande empresa ou no governo? Por que não conversar com profissionais de cada um desses setores para conhecer sua rotina de trabalho e as possibilidades de carreira que eles oferecem?

Conheça o Imersão, programa de preparação e decisão de carreira do Na Prática

Ainda não sabe se quer trabalhar com marketing ou finanças? Por que não ir a fundo nas particularidades dessas áreas nas diferentes indústrias e funções para saber quais características elas mais requerem do profissional? E que tal visitar algumas empresas e simular situações reais do seu dia a dia?

Esse comportamento experimental não deve ser visto como desfocado, mas sim como uma forma do jovem antecipar o que ele depois faria no mercado de trabalho, testando diferentes empregos. É melhor ele se embasar com todo tipo de informação e conhecimento sobre diferentes trilhas de carreira desde a universidade do que pular de galho em galho nas vagas das empresas pelas quais passar.

Até mesmo quando o jovem já possui uma opinião formada da trilha de carreira que deseja seguir, muitas vezes ela vem carregada de paradigmas. Nesse caso, ainda assim o jovem deve buscar entender na prática como funciona esse mercado de interesse e a rotina dos profissionais, livrando-se de pré-conceitos e visões distorcidas.

Isso colabora para  a desglamourização de profissões que são recheadas de status social, assim como a valorização daquelas que, a princípio, passam quase despercebidas para muitos jovens.

Uma decisão de carreira assertiva é aquela que leva em conta diversas variáveis de mercado, como indústria, cultura organizacional, função e porte da empresa, e variáveis individuais – como sonho grande, paixões, valores, estilo de trabalho, personalidade e habilidades.

Se todo jovem considerar fortemente essas variáveis na construção de sua carreira, sem dúvidas, teremos ainda mais profissionais realizados contribuindo para um Brasil melhor.

 

Este artigo foi originalmente publicado em UOL

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo