Os erros que o CEO da Ambev cometeu (e no que melhorou)

Durante o evento comemorativo de 25 anos da Fundação Estudar, os CEOs Bernardo Hees, da Kraft Heinz, e Bernardo Paiva, da Ambev, debateram sobre o valor e a importância de 'gente boa' para o sucesso de uma empresa

Camila Pati, de , em 05.08.2016
bernardo paiva e bernardo hees em evento da fundacao estudar [Luis Felipe Moura]

“Toda vez que não escolhi a pessoa certa para uma função, eu falhei”, disse o CEO da Ambev, Bernardo Paiva, ontem em painel na reunião anual da Fundação Estudar. Ao longo da sua carreira ele – que começou na Brahma em 1991 e foi trainee da empresa – procurou (e ainda procura) inspiração máxima para ter a certeza que está contratando a pessoa certa.

Outro ponto que disse ter percebido ser um erro profissional grave é a falta de cuidado em formar as pessoas. “Gente boa dá trabalho, questiona, pergunta, diz que está errado. Gente boa te ensina também. Tem que abrir a cabeça”, disse durante o evento que reuniu jovens bolsistas e parceiros da fundação, criada por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira.

Paiva contou que um dos pontos de melhoria que identificou na sua carreira foi a capacidade de escutar. “Quando se é jovem cheio de confiança, quer fazer e acontecer, você corre o risco de não ouvir”, disse. Escutar as pessoas é tão importante para um líder quanto montar times com profissionais até melhores do ele, segundo o CEO da Ambev.

Leia também: ‘O sucesso não está na estratégia, está na execução’, diz Bernardo Hees, CEO da Kraft Heinz

O que é importante, de acordo com ele, é aprender com os erros. “Em algum momento a pessoa vai ter um resultado que não está bom. Em todo momento da minha vida tive fracassos. Entrei na Brahma para construir outro mundo dentro da empresa, não ganhei bônus no ano um e nem no ano dois”, contou.

Como estagiário da Brahma ele contou que fazia muitas coisas e que, obviamente, aconteciam alguns erros e se lembrou de uma passagem marcante sobre a importância da tolerância ao erro. “Lembro que o pessoal botou pressão por causa disso e um chefe meu falou: parem de bater nesse garoto porque só erra quem faz”, disse.

Tudo o que não deu certo na sua vida profissional, disse, foi experiência de vida e o ajudou a entender que ninguém, é perfeito e que é certo que todos vão errar em algum momento no trabalho. “Mas tem que acertar mais”, disse.

Baixe o Ebook: Como é trabalhar com Operações? Veja diferentes visões sobre a área!

 

Este artigo foi originalmente publicado em EXAME.com