Um Projeto: Fundação Estudar
Barack Obama discursa na Universidade Rutgers, em 2016

“Não perca a esperança, e não perca tempo esperando”, diz Barack Obama

Por Redação, do Na Prática

Em discurso de formatura na Universidade Rutgers, uma das mais antigas dos EUA, o presidente americano destaca a importância da cidadania e da persistência para o progresso

A tradição americana de discursos de formatura em universidades, os chamados commencement speeches, é forte – e é difícil achar alguém tão importante quanto um presidente para faze-los.

Barack Obama, naturalmente, é convidado por muitas instituições. Ele explica que aceitou discursar na Universidade Rutgers após uma campanha tenaz de três anos que incluiu até bilhetes de avós de estudantes pedindo sua presença. “Devo dizer que foi isso que selou o acordo, porque tenho um ponto franco por avós”, disse.

A fala aconteceu em maio de 2016, antes do resultado da eleição presidencial americana, e destaca a importância de um  debate bem informado e do conhecimento para o progresso de um país. É uma lição importante para qualquer democracia, dada por quem conhece bem o assunto.

“Sei que a democracia não é sempre bonita, mas é como pouco a pouco, geração a geração, fizemos progressos”, falou. “Você tem que ser um cidadão em tempo integral.”

Confira abaixo as melhores partes do discurso, traduzidas pelo Na Prática.

O discurso de formatura de Barack Obama

O progresso é acidentado. Sempre foi assim. Mas por causa de sonhadores e inovadores e lutadores e ativistas, progresso tem sido a marca desse país. Gostaria de citar o Dr. Martin Luther King, Jr., que disse: “O arco do universo moral é longo, mas se inclina para a justiça.” Eu acredito nisso.

Mas creio também que o arco da nossa nação, o arco do mundo, não se inclina para a justiça, nem para a liberdade, nem para a igualdade, nem para a prosperidade por si só.

Depende de nós, das escolhas que fazemos, particularmente em certos pontos de inflexão da história.

E você está se formando em tal ponto de inflexão. Desde o início desse novo milênio, já testemunhou horríveis ataques terroristas, guerras, uma grande recessão. Viu mudanças econômicas e tecnológicas e culturais que estão alterando profundamente como trabalhamos e como nos comunicamos, como vivemos, como formamos famílias.

O ritmo da mudança não está diminuindo. Está acelerando. E essas mudanças oferecem não só grandes oportunidades, mas também grandes perigos.

Felizmente, sua geração tem tudo que precisa para levar este país para um futuro mais brilhante. Estou confiante de que vocês podem fazer as escolhas certas – longe do medo, da divisão e da paralisia, e em direção à cooperação, à inovação e à esperança.

Estou confiante porque, em média, vocês são mais espertos e melhores educados do que a minha geração – embora provavelmente tivéssemos melhor caligrafia.

Vocês não são apenas melhores educados, estão mais exposto ao mundo e a outras culturas. São mais diversos, mais conscientes sobre o meio ambiente. Tem um ceticismo saudável em relação à sabedoria convencional.

Então têm as ferramentas para nos guiar. E precisamente porque tenho tanta confiança em vocês, não vou gastar o resto do meu tempo lhe dizendo exatamente como você vai fazer o mundo melhor.

Você vai descobrir. Você vai olhar para as coisas com os olhos mais frescos, sem os preconceitos e pontos cegos e inércia e a irritação geral de seus pais e avós e velhos como eu.

Mas eu tenho algumas sugestões que vocês podem achar úteis para conquistar o mundo.

Ponto número um: quando você ouve alguém ansiando pelos “bons velhos tempos”, desconfie. Acho que é parte da natureza humana, especialmente em tempos de mudança e incerteza, querer olhar para trás e esperar por algum passado imaginário, quando tudo funcionou.

E adivinha só: não é assim. Os “bons velhos tempos” não foram tão bons. Na verdade, em quase todas as medidas, a América está melhor e o mundo está melhor do que há 50 anos, há 30 anos ou mesmo oito anos atrás.

Desde que me formei, uma cortina de ferro caiu, o apartheid terminou. Há mais democracia. Nós praticamente eliminamos certas doenças como a poliomielite. Cortamos drasticamente a pobreza extrema, reduzimos enormemente a mortalidade infantil.

Meu segundo ponto: o mundo está mais interconectado do que nunca. Construir paredes não vai mudar isso.

Se as duas últimas décadas nos ensinaram alguma coisa, é que os maiores desafios que enfrentamos não podem ser resolvidos isoladamente. Para ajudar a nós mesmos, temos de ajudar os outros – e não tentar manter o mundo fora.

Meu terceiro ponto: fatos, evidência, razão, lógica e compreensão científica são boas coisas. São qualidades que você quer nas pessoas que fazem política. São qualidades que você quer continuar a cultivar em si mesmos como cidadãos.

Leia também: Por que Barack Obama quer trabalhar no Vale do Silício

Parece óbvio. Mas se você ouve o debate político de hoje, pode estar se perguntando de onde veio essa tensão anti-intelectual.

Então, Classe de 2016, deixe-me ser tão claro quanto eu posso ser. Na política e na vida, a ignorância não é uma virtude. Não é legal não saber do que você está falando.

Isso não é mandar a real. Isso é só não saber o que você está falando.

Hoje, em cada telefone, temos acesso a mais informações do que em qualquer outro momento da história humana.

Ironicamente, o dilúvio de informações não nos fez discernir melhor a verdade. De certa forma, apenas nos fez mais confiantes de nossa ignorância.

Assumimos que o que está na web deve ser verdade. Buscamos sites que apenas reforçam nossas próprias predisposições, opiniões mascaradas como fatos, teorias de conspiração das mais selvagens são tomadas como reais.

É interessante que, se ficarmos doentes, queremos ter certeza de que os médicos tenham feito medicina. Se entrarmos num avião, queremos que um piloto seja capaz de pilotar o avião.

Em nossas vidas públicas, no entanto, pensamos: “Eu não quero alguém que já fez isso antes”.

A rejeição dos fatos, a rejeição da razão e da ciência – são o caminho para o declínio.

Lembra as palavras de Carl Sagan, que disse: “Podemos julgar nosso progresso pela coragem de nossas perguntas e pela profundidade de nossas respostas, por nossa vontade de abraçar o que é verdadeiro e não o que parece bom”.

O debate em torno das mudanças climáticas é um exemplo perfeito disso. Há provas. Há fatos. E se não agirmos, sua geração sentirá o peso desta catástrofe.

Portanto, cabe a você insistir e criar um debate bem informado.

Para tomar decisões coletivas em nome de um bem comum, temos que usar nossas cabeças. Temos que concordar que fatos e provas são importantes. E precisamos responsabilizar nossos líderes – e nós mesmos – de que precisamos saber do que estamos falando.

Ponto quatro: Tenha fé na democracia. Olha, eu sei que ela nem sempre é bonita. Realmente, eu sei. Tenho vivido isso. Mas é como, pouco a pouco, geração por geração, fizemos progressos.

Eles não aconteceram porque algum líder carismático conseguiu que todos de repente concordassem em tudo. Não aconteceu porque alguma revolução política maciça ocorreu.

Na verdade, aconteceram ao longo de anos de ativismo, organização, construção de alianças, negociação e mudança de opinião pública. Aconteceram porque os americanos comuns participaram do processo político.

Se você quiser mudar este país para melhor, é melhor começar a participar.

Leia também: ‘Nunca tenham vergonha das dificuldades’, diz Michelle Obama

E, sim, o dinheiro grande na política é um problema enorme. Temos que reduzir sua influência. Sim, interesses especiais e lobistas têm acesso desproporcional aos corredores do poder.

Mas, ao contrário do que ouvimos às vezes, tanto da esquerda como da direita, o sistema não é tão manipulado como você pensa, e certamente não é tão desesperador como você pensa.

Os políticos se preocupam em ser eleitos, e eles se preocupam especialmente em ser reeleitos. E se você votar e eleger uma maioria que representa suas opiniões, obterá o que quer. Se optar por sair ou parar de prestar atenção, não vai. É simples assim.

Agora, uma das razões que as pessoas não votar é porque eles não vêem as mudanças que estavam procurando de imediato.

Nenhum dos grandes passos da história aconteceu imediatamente.

Cada etapa do caminho exigiu compromisso. Às vezes você pegava metade do pão. Fazia aliados. Às vezes você perdeu e voltou para lutar outro dia. É assim que a democracia funciona.

Então você tem que se comprometer a participar não apenas se houver gratificação imediata, mas tem que ser um cidadão em tempo integral, o tempo todo.

Se discordar de alguém, faça-o defender suas posições. Se alguém tem uma idéia ruim ou ofensiva, prove que é errada. Debate-a. Defenda o que você acredita.

Não tenha medo. Não sinta que tem que cobrir os ouvidos porque você é muito frágil e alguém pode te ofender. Enfrente-os se eles não fizerem sentido. Use sua lógica, sua razão e suas palavras.

Ao fazê-lo, você vai fortalecer sua própria posição e aprimorar seus argumentos. E talvez aprenda alguma coisa, perceba que não sabe tudo. De qualquer maneira, você ganha. E mais importante, nossa democracia ganha.

É isso, classe de 2016.

Exceto que tenho uma última sugestão. Apenas uma: prepare-se para o longo prazo.

Seja qual for o caminho que escolher – negócios, ONGs, gestão pública, educação, saúde, artes –, você terá alguns contratempos. Vai lidar ocasionalmente com pessoas tolas, ficará frustrado, terá um chefe que não é ótimo.

Você não vai sempre obter tudo o que quer – pelo menos não tão rápido.

Então você tem que ser persistente. E o sucesso, ainda que pequeno, ainda que incompleto, o sucesso ainda é sucesso.

Eu sempre digo às minhas filhas: melhor é bom. Pode não ser perfeito, pode não ser grande, mas é bom. É assim que o progresso acontece, nas sociedades e em nossas próprias vidas.

Portanto, não perca a esperança se às vezes houver um bloqueio. Não perca a esperança ao enfrentar opositores.

E certamente não deixe a resistência torná-lo cínico. O cinismo é tão fácil e cínicos não conseguem muito.

Não perca seu tempo esperando.

Leia o discurso na íntegra, em inglês, no site da Casa Branca.

Baixe o ebook: O guia de como fazer a diferença no setor público

 

Dica do Na Prática:

Faça como mais de 3 mil jovens e construa uma carreira mais alinhada com quem você realmente é. Inscreva-se agora no Autoconhecimento Na Prática com 10% de desconto usando o cupom AUTO-10. É só clicar aqui!

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo