Algumas atividades podem ser feitas no “modo automático”, mas, muitas outras, principalmente ligadas a estudo e trabalho, precisam de concentração. Se parece que está cada vez mais difícil se concentrar com toda a disponibilidade de distração que o mundo moderno traz, é porque é verdade.

Quer desenvolver habilidades únicas de Liderança?

A gente tem o curso que te ensina a Liderar com os melhores!

Uma pesquisa recente mostrou que no ano de 2000 as pessoas se concentravam completamente por 12 segundos. Em 2015, esse tempo caiu para 8.25 segundos. Para comparação, o estudo constata que um peixe dourado se concentra por cerca de 9 segundos.

Leia mais: Sentindo-se sobrecarregado? Veja 13 dicas de mindfulness para pessoas ocupadas

Não ajuda o fato de que, com mais acontecimentos demandando atenção ao mesmo tempo, é fácil cair na tentação do multitasking (realizar várias tarefas ao mesmo tempo). O aumento de produtividade que o multitasking traz é apenas aparente.

Na realidade, as pessoas têm pouco poder de dividir a atenção, segundo o médico e pesquisador da área, Marcelo Demarzo. Trabalhando no modo multitask, o que acontece é a “mudança rápida do foco de atenção”, diz ele.

Para a eficiência, isso é ruim: “a mente tem um tempo de latência para estarmos completamente imersos em uma atividade. Quando é interrompido, demoramos até 10 vezes mais para focar novamente”, esclarece Marcelo. O multitasking, além disso, provoca mais cansaço, o que também pode afetar a produtividade.

Como mindfulness pode ajudar a concentração?

Marcelo é especialista na prática mindfulness (atenção plena), coordenador do curso de especialização no tema da UNIFESP e fundador do Centro Brasileiro de Mindfulness e Promoção da Saúde. Ele defende que a prática de atenção plena, que tem resultados comprovados em desempenho e bem-estar, pode aumentar a facilidade com que se concentra.

Os exercícios de mindfulness “treinam a consciência para, quando estamos desatentos, perceber e conseguir redirecionar a atenção”, conta o médico. A frequência do treino de atenção plena, que são tipos de meditação, provoca a neuroplasticidade – adaptação do cérebro – e faz com que voltar ao foco se torne uma habilidade.

Leia também: Procrastinação do bem: é possível ter bons resultados adiando tarefas?

De acordo com o especialista, quando se trata de diminuir a tendência pessoal à divagação, a prática do mindfulness pode provocar uma melhora. No entanto, Marcelo reitera que a capacidade de redirecionamento da atenção, que é estimulada ao treinar a concentração, é o mais importante. Isso porque as distrações sempre vão depender de várias circunstâncias, algumas delas externas – como o ambiente em que se está.

Exercícios para treinar a concentração

As formas mais simples de praticar a atenção plena de mindfulness são baseadas em criar um ponto de atenção – chamado de âncora. Para treinar a concentração, os exercícios devem ser feitos com regularidade, em ambientes silenciosos e posições confortáveis. Quando as distrações tiram o foco durante uma atividade, eles também podem ser feitos para reajustar a atenção.

1. Três minutos (ou três passos) de mindfulness

De olhos fechados, levar a atenção para o corpo – pode ser para as sensações físicas ou até pensamentos e sentimentos. Em seguida, se concentrar em movimentos ou sensações da respiração. E, o terceiro passo, voltar a atenção para o corpo, incluindo as percepções do local.

2. Mindfulness da respiração

Também consiste em levar a atenção para o corpo – que serve como a âncora. Mas, nesse caso, deixar que a mente divague naturalmente. Então, ao perceber a distração, levá-la de volta para o corpo. O ideal é fazer isso quantas vezes forem necessárias durante o tempo em que pratica o exercício.

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: