Um Projeto: Fundação Estudar
Prédio corporativo

Itaú Asset Management na prática: o trabalho na mesa de operações

Por Tiago Mittraud

Gilberto Almeida diz como é lidar com o mercado de capitais e conta o que acha mais legal no seu dia a dia no banco

Gilberto Almeida chegou a cogitar estudar engenharia, por gostar de números e de matemática. Porém, acabou optando por economia depois de conversar com várias pessoas das duas áreas. “Descobri que me identificava mais com a usabilidade da matemática no contexto econômico, especialmente no mercado financeiro”, conta Gilberto Almeida, que fez a graduação e um mestrado profissionalizante em Finanças e Econometria no Insper.

Depois de passar por várias organizações como trader, hoje Gilberto trabalha com mercado de capitais no Itaú Asset Management. Essa área é constituída pelas bolsas de valores, sociedades corretoras e outras instituições financeiras autorizadas. O trabalho está relacionado à distribuição de valores imobiliários e tem o objetivo de proporcionar liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabilizar seu processo de capitalização.

Leia também: A experiência de um consultor de negócios no Itaú Unibanco

A rotina na mesa de operações

O dia a dia de Gilberto no banco é na mesa de operações. “Sempre fui muito proativo e tive facilidade em me adaptar. Por isso, me identifico bastante com a função. Preciso estar sempre pronto para tomar riscos e lidar com situações novas. Cada dia é um dia, não existe rotina”, diz. Ele explica que outra função mais estratégica exigiria uma visão mais de longo prazo, além de tomadas de decisão mais lentas e quantitativas.

Para Gilberto, a parte mais legal de trabalhar na mesa de operações do Itaú Asset Management, com mercado de capitais, é o dinamismo e a ausência de rotina. Por outro lado, ele destaca a responsabilidade que é tomar conta do dinheiro dos outros. “É preciso ter um background consistente em economia e finanças e estar preparado para um nível de comprometimento de tempo bem grande com o trabalho”, ressalta.

O perfil do profissional no mercado financeiro

Àqueles que pensam um dia trabalhar no mercado financeiro, Gilberto destaca a importância de falar inglês bem e ter conhecimentos em finanças quantitativas. Também sugere que não entrem com preconceitos sobres as diferentes funções, pois é muito difícil entender de fato a dinâmica da profissão antes de experimentar na prática. “Fazer um estágio ou summer em alguma organização do setor pode ser definidor antes de qualquer escolha.”

Leia também: Sete dicas para quem quer ser trainee em um banco

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

 

Dica do Na Prática:

Conhecer de perto as etapas de um processo seletivo e entender como acontece cada uma delas aumenta as suas chances de contratação. Se você ainda não se sente 100% confiante, não se preocupe, a Fundação Estudar reuniu as maiores referências no assunto em um curso online para te ajudar neste desafio. Inscreva-se agora com 20% de desconto com o cupom PROCSEL-20 clicando aqui.

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo