Um Projeto: Fundação Estudar
Escritório do Google no Brasil

Google na prática: o trabalho de um analista de finanças

Por Tiago Mittraud

A função de Rony Sousa é analisar e entender o que está acontecendo com o negócio do ponto de vista financeiro

“O ambiente de trabalho no Google é um caos organizado. A empresa preza pela inovação, as tarefas dos funcionários são muito dinâmicas, surgem produtos novos com frequência, as prioridades mudam a todo o momento. O nosso desafio diário é organizar essa bagunça”, conta Rony Sousa, que é formado em engenharia de controle e automação e hoje atua como analista de finanças.

Rony chegou a trabalhar com controle de voo, até que descobriu uma queda por finanças. Fez estágio em corporate finance na Johnson & Johnson, e hoje trabalha como analista no setor de planejamento financeiro do Google. “Enquanto na Johnson & Johnson meu foco era em processos, no Google o meu foco é no business”, explica.

Leia também: Tecnologia, inovação a todo vapor

Finanças

Seu trabalho é muito próximo à área comercial. “Meu papel é analisar e entender o que está acontecendo com o negócio do ponto de vista financeiro e sugerir decisões, com base nesses dados”, diz. “Avaliamos se a alocação de recursos entre as áreas é a melhor, ou se é necessário mudar algo para maximizar os resultados”, acrescenta.

Sua equipe precisa pensar em como aumentar a lucratividade e trazer o melhor resultado para os acionistas. Para isso, é necessário cortar custos, mas sem prejudicar a essência da cultura da empresa, com todas as mordomias que os funcionários têm. “Temos que deixar o time consciente dos seus gastos e da importância de economizar.”

Leia também: Saiba o que pensam os RHs das empresas IBM, Claro, SAS e GVT

Dia a dia de um analista de finanças

De segunda a quarta, Rony fica focado em projetos de longo prazo do Google. Em tecnologia, esse período é muito curto em relação a outras indústrias: dura só de 6 a 7 meses, explica ele. “Nesses dias, tento entender o que está fora do previsto, onde há oportunidade para melhorar e pensar em ações para corrigir um erro ou potencializar algo positivo.”

Às quintas, ele analisa a performance de produtos já lançados, para saber se tendências mudaram desde o começo, o que pode ter causado essas mudanças e o que fazer para atualizá-las. Às sextas, se reúne com a diretora de América Latina e outros representantes regionais para entender o que está acontecendo em cada mercado e fazer um report.

Leia também: Sete sugestões para quem quer se dar bem em processos seletivos

Novos produtos

Rony destaca que o mercado de tecnologia muda o tempo inteiro, já que produtos novos são lançados com frequência, novas empresas surgem todos os dias, aplicativos viram uma febre de uma hora para outra. “Por isso, a gente tem que se planejar rapidamente e mudar os planos rapidamente também. Em outras indústrias, isso não é tão acelerado”, afirma.

Por outro lado, ressalta que é importante prestar atenção nos produtos antigos também. “A gente tende a focar nos produtos mais novos, mas em 2012, por exemplo, nossa equipe analisou a relevância de um produto tradicional do Google nas Américas em relação a outros continentes. Chegamos a insights interessantes, que geraram um barulho até em Mountain View.”

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo