Um Projeto: Fundação Estudar

As lições de carreira de Carlos Degas, eleito um dos melhores CEOs do Brasil

Por Rafael Carvalho

“Engajar as pessoas em uma causa e um estilo que desperte confiança é muito importante”, explica o executivo sobre liderança

Carlos Alberto Guerra Filgueiras – ou Degas como é conhecido desde a infância – entrou na faculdade de engenharia para seguir os passos do pai, um empresário bem sucedido da construção civil. Contudo, a vontade de fazer a própria história o fez mudar de ideia no meio do caminho, “por impulso”, como ele próprio conta. 

A decisão impulsiva, no caso, foi se envolver num empreendimento educacional incerto no Nordeste do país. E deu certo. Eleito esse ano como um dos melhores executivos do Brasil pela revista Forbes, ele é presidente nacional da DeVry, grupo norte-americano que aqui é dono do Ibmec e de 15 outras instituições de ensino, a maioria nas regiões Norte e Nordeste. Ao todo, são 120 mil alunos.

A seguir, conheça melhor a história do executivo e as lições de carreira que ele tem para compartilhar:

A surpresa na faculdade

“Eu não fui um bom aluno até a oitava série”, reconhece. No colegial, descobriu o talento para Exatas e percebeu que era nesta área que cursaria a faculdade. “Durante o curso, percebi que eu adorava engenharia, mas odiava engenharia civil”, brinca.

O estágio que não deu certo

“Decidir errado é fundamental para você identificar o que é certo”, explica Degas. E foi assim com o seu primeiro estágio, na construtora Gafisa. Ao mesmo tempo em que percebeu a falta de vocação para o ramo de obras, também teve ali sua primeira experiência com liderança e trabalho em equipe.

A sombra do pai

Filho de um grande nome da construção civil, Degas pensou por muito tempo que faria a carreira junto ao pai, até que “caiu a ficha” de que talvez o melhor caminho fosse fazer carreira solo. O raciocínio era simples: “se eu ficar com meu pai, minha luzinha vai virar sombra”.

Formei, e agora?

“A indefinição me deixa muito desesperado”, explica o empresário. A decisão foi de tornar-se sócio do tio para reestruturar uma empresa de logística.

Sucesso e fracasso no mercado de logística

O negócio deu certo e Degas tornou-se sócio de Eike Batista – na época um empresário em franca expansão global. O movimento (e o momento) foi desastroso, e ele perdeu tudo.

Estudar fora

O MBA em Stanford veio da vontade de “costurar os conhecimentos de empreendedor”, somado também a uma vontade de morar fora do país. “A experiência me fez lembrar quem eu era”.

Empreendedorismo e Educação

Há 15 anos o executivo começou sua carreira em educação. Mas como o aluno que dava aulas particulares durante a faculdade tornou-se investidor de um empreendimento de educação superior no Nordeste do Brasil? Por impulso! “Eu não sabia nem o que era MEC naquela época”.

Primeiros passos rumo a CEO

Degas assumiu a gestão do grupo educacional que havia se tornado sócio e reestruturou os processos do grupo. Diante de decisões difíceis, acabou se saindo bem, e o sucesso culminou com a venda para o grupo internacional DeVry.

A seguir, veja mais reflexões do executivo sobre carreira e mercado de trabalho e os conselhos que ele dá aos jovens brasileiros que pensam em empreender ou liderar uma grande empresa:

 

Dica do Na Prática:

Faça como mais de 3 mil jovens e construa uma carreira mais alinhada com quem você realmente é. Inscreva-se agora no Autoconhecimento Na Prática com 10% de desconto usando o cupom AUTO-10. É só clicar aqui!

 

Qual a importância do equilíbrio entre carreira e vida pessoal?

O que você busca em um jovem profissional?

Quais são as habilidades necessárias para liderar uma organização?

Qual o seu conselho para jovens empreendedores?

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo