Um Projeto: Fundação Estudar
pessoas olhando computador

Endeavor na prática: como funciona e como entrar na organização

Por Cecília Araújo

Letícia Queiroz, diretora de empreendedores e responsável pelo programa de trainee, conta seu dia a dia e dá dicas aos jovens interessados em trabalhar lá

Empreender: verbo transitivo direto, 1) Decidir realizar (tarefa difícil e trabalhosa); 2) Tentar; pôr em execução. A definição do dicionário Houaiss, apesar de gramaticalmente correta, não dá conta de todos os aspectos do ato.

Para muitos profissionais que se dedicam a trabalhar com o tema, é preciso ir além. Exemplo disso é a existência da Endeavor, organização de estímulo ao empreendedorismo presente em 18 países, com foco em nações emergentes (no Brasil, atua desde 2000). “Acreditamos que um país pode mudar com a ação de pessoas empreendedoras. Não somente aquelas que têm um negócio, mas também aquelas que correm atrás de um sonho”, afirma Letícia Queiroz, 31 anos, diretora de empreendedores da Endeavor no Brasil.

Ela tem o empreendedorismo nas veias. Cursou Administração na Fundação Getúlio Vargas (FGV) e, durante o percurso acadêmico, fez parte da empresa júnior. “Isso abriu caminhos para minha decisão profissional, pois tive chances de experimentar coisas diferentes”, afirma. Foi nessa época que ela teve contatos com duas pessoas que considera de grande importância em sua vida profissional: a empresária Sandra Betti, que era mentora da empresa júnior, e o professor da FGV Moacir Andrade Peres.

Leia também: Como a Endeavor pode ajudar seu negócio a dar os primeiros passos?

Letícia entrou na Endeavor em 2009, como analista. Ela conta que a parte mais bacana de seu trabalho na organização é sentir que está fazendo a diferença para o país, ao mesmo tempo que aprende diariamente. “Descobri que o empreendedorismo não tem nada de glamoroso. É um trabalho suado. A execução faz a diferença, não tanto a ideia”, diz.

O que faz a Endeavor?

A missão da organização pode ser dividida em três braços. O primeiro é localizar empreendedores de alto impacto que possam ser considerados novos exemplos para a sociedade em suas áreas de atuação. O segundo é dedicado à área da educação, uma vez que faz parte das metas inserir na cultura local a filosofia de inovar e buscar novas formas de fazer negócios. Por fim, não deixa de lado a observação das políticas públicas, uma vez que o ambiente econômico é um fator que impõe muitas barreiras aos empresários.

Para identificar os casos de empreendedorismo que se adequam ao perfil da Endeavor, o processo é bastante rigoroso, explica Letícia, e pode levar de seis a 12 meses. De cada 1.000 empresas analisadas, uma média de dez são chamadas para fazer parte das atividades propostas. A busca é baseada no perfil do empreendedor (prioriza-se aquele que sonha alto e quer de fato mudar o país), potencial de crescimento da empresa, seu estágio de maturidade e seu diferencial competitivo no mercado.

Leia também: Endeavor seleciona novos líderes para rede global de empreendedorismo

As empresas selecionadas têm a oportunidade de passar por experiências transformadoras. “A gente coloca esses empreendedores em contato com outros que já passaram por essa fase e hoje são mais experientes, e agendamos reuniões com mentores. Eles passam a aprender a tomar decisões”, afirma a diretora. A rede Endeavor é composta por profissionais de renome no cenário nacional e internacional, que doam suas horas em prol da causa do empreendedorismo. Os nomes incluem empresários como Emílio Odebrecht e Paulo Passos (Natura).

Seleção para trainee

Letícia também é responsável pelo programa de trainee da organização, que busca estudantes no último ano da graduação ou jovens formados nos últimos três anos. Os aprovados serão alocados em quatro empresas abraçadas pela Endeavor: B2 (agência de eventos ligada ao público jovem), Minha Vida (portal web sobre bem estar), Acesso Digital e Sieve (estas duas últimas ligadas à área de tecnologia). Não há um número determinado de vagas, mas haverá ao menos uma para cada empresa.

Segundo Letícia, a busca é por pessoas que tenham autonomia, proatividade e sejam curiosas. “O trainee vai lidar com um ambiente de instabilidade, pois são empresas que não têm os processos tão bem definidos. Mas, por outro lado, isso também dá a chance de inovar”, observa a diretora. Ao longo de um ano, o trainee passará por um acompanhamento bastante próximo por parte da Endeavor e da Fundação Estudar. “A ideia é que ele tenha oportunidades de virar uma liderança e que fique alocado na empresa”, afirma.

O processo de seleção, em sua primeira fase, inclui exame online de raciocínio lógico e inglês. Além disso, o candidato deve mandar um vídeo contando o motivo pelo qual deseja ingressar em uma das quatro empresas. A segunda etapa inclui entrevista presencial e, posteriormente, um painel com o fundador de cada um dos negócios. A expectativa é anunciar a lista de aprovados no dia 4 de dezembro. O início do treinamento está previsto para janeiro de 2015. As inscrições para a primeira turma estão abertas até o dia 19 de outubro. Candidate-se!

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo