Bandeira do Brasil, país que está em 56º lugar em educação empreendedora

De acordo com o mais recente relatório do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), o Brasil ocupa a 56a posição em uma lista de 65 países quando se trata de educação empreendedora.

Isso significa, na prática, que a maioria dos jovens não aprende sobre empreendedorismo – incluindo habilidades de negócio e as oportunidades profissionais que ele pode trazer – na época escolar.

E nem tem acesso fácil a essas informações depois: segundo o GEM, o Brasil está em 52º lugar em educação empreendedora após a escola. Os Países Baixos ocupam a primeira posição em ambos os rankings.

 

 

Baixe o template e faça o Teste de Potencial Empreendedor!

Quase 50% dos especialistas em empreendedorismo entrevistados listaram educação e capacitação como uma recomendação para melhorar as condições de empreender no país. Enfrentar barreiras a entrada e investimento em programas governamentais, principalmente aqueles que tratam de financiamento e apoio financeiro, também são ações fundamentais para mudar o cenário brasileiro.

“A pesquisa do GEM confirmou uma relação positiva entre treinamento para começar um negócio e comportamento empreendedor, algo que não é sempre visível no curto prazo”, escrevem os autores.

“Treinamentos práticos e interativos de negócios e empreendedorismo no ensino médio são um fator importante para encorajar o empreendedorismo jovem eficaz”, continuam.

“As escolas também precisam promover ativamente o empreendedorismo como trilha profissional – e convidar jovens empreendedores de sucesso para participar de programas educacionais é um jeito de apresentar jovens a modelos positivos.”

Outras sugestões do relatório incluem oferecer estágios para jovens interessados em empreendedorismo, reformar leis para tornar mais fácil a abertura de novos negócios, criar uma rede de mentoria que conecte jovens e empreendedores de sucesso e tornar incubadoras e aceleradoras mais acessíveis para empreendedores em potencial.

Leia também: Brasil abriga quase um quinto das mais de 200 aceleradoras de startups do mundo

O sonho de ter o próprio negócio

Atitudes deste tipo poderiam ajudar muitos brasileiros a terem o próprio negócio, algo que, segundo outra pesquisa da GEM (disponível em português), é o quarto maior sonho dos cidadãos do país, atrás apenas de viajar pelo Brasil, comprar a casa própria ou um automóvel.

A quantidade de brasileiros que empreende, seja por oportunidade ou necessidade, já é significativa: entre 2015 e 2016, 31% tinham o próprio negócio ou tomaram uma atitude para serem donos de suas próprias empresas.

Outro dado interessante, que destaca a veia empreendedora do país, é que 57,6% dos entrevistados afirmam que o medo do fracasso não os impediria de começar um novo negócio.

É uma atitude que será cada vez mais importante conforme as mudanças no mercado de trabalho tomam forma e aceleram seu ritmo.

De acordo com o GEM, o empreendedorismo cresce em importância desde a crise financeira global de 2008, que mostrou que as pessoas não podem mais depender apenas da oferta de emprego de governos e grandes empresas.

“O empreendedorismo é visto agora como principal condutor do crescimento econômico sustentável. Enquanto um ambiente global de transformação apresenta desafios de várias naturezas e escalas, está claro que também apresenta oportunidades – em particular, para empreendedores inovadores e dinâmicos.”

Leia também: Um raio-x das startups brasileiras: como estão distribuídas e em que áreas atuam

Uma geração voltada para a ação

O Empreendescola, que surgiu no Liderança Na Prática 32h, um curso de formação de lideranças da Fundação Estudar, busca transformar um pedaço desse panorama.

Trata-se de uma escola itinerante que oferece formação empreendedora gratuita para jovens em condição de vulnerabilidade social em cidades brasileiras. Até hoje, já formaram 17 turmas e impactaram cerca de 300 jovens.

A ideia não é que todos saiam dali com um plano de negócios ou uma empresa, mas também ensinar uma mentalidade mais proativa, voltada para a resolução de problemas e para a ação, características essenciais para um empreendedor.

“Eu diria que empreender é um misto de coragem, competência e falta de medo”, resume o cofundador Wellington Santos Silva. “Dia após dia, é preciso provar que você é 200% melhor em níveis de conhecimento que muitas vezes nem imaginava serem necessários.”

Baixe o ebook: Ferramentas Para Tirar Projetos do Papel

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: