Um Projeto: Fundação Estudar
Eduardo Martins, diretor da Startup Viajala

Diretor nacional do Viajala explica como é trabalhar em uma startup global

Por Suria Barbosa

Eduardo Martins atua como diretor nacional desde a abertura do site Viajala no Brasil. Menos de um ano e meio depois do lançamento, a startup global tem seu segundo maior mercado no país.

Primeiro diretor nacional do metabuscador de voos e hotéis Viajala, Eduardo Martins enxerga trabalhar em startup internacional como catalisador de uma busca constante por conhecimento. O aprendizado contínuo não é só um desafio relacionado à sua função, especificamente, mas sim à própria estrutura de empresas inovadoras, que demandam um alto grau de autonomia. E também de ambição, que “vale 10 vezes mais do que para uma empresa consolidada”, explica.

O site brasileiro do Viajala foi lançado em outubro de 2016, e o executivo havia começado a trabalhar lá um mês antes. A primeira etapa da sua trajetória na empresa teve reflexos efetivos no processo de estruturação da companhia. “Todo o progresso foi fruto de ações de empreendedorismo, buscar novas parcerias e alternativas que talvez funcionem só aqui”, conta. Com menos de um ano e meio de funcionamento no país, o Viajala, que está presente em outros oito países, já tem no Brasil seu segundo maior mercado.

A chance de exercitar o empreendedorismo também é uma oportunidade que Eduardo atribui, em específico, a trabalhar em uma startup. Apesar de muitas instituições consolidadas incentivarem ações inovadoras, elas geralmente têm menor escala e dependem da função e da cultura da instituição. “Em uma startup, você tem que pensar como se fosse dono de um pedaço da empresa”, diz. Isso significa idealizar processos, gerenciá-los e obter resultados próprios.

Startup x Grandes Empresas

Quando se fala em estrutura organizacional, geralmente as startups são “horizontais”, com pouca ou nenhuma hierarquia. Muitas vezes, os funcionários têm acesso direto aos mais altos executivos e bastante autonomia para tomar decisões. Já em uma organização com a estrutura mais complexa, há maior possibilidade de ampliar habilidades pessoais relacionadas a lidar com a hierarquia e necessidade de respeitar processos. Na opinião de Eduardo, todos que desejam trabalhar no ambiente corporativo deveriam passar pelos dois mundos. “Com as duas experiências, o profissional consegue desenvolver um espectro completo de competências pessoais e técnicas”, explica.

Ele, que atuou em empresas grandes como IBM e Oracle, também vê diferença nas formas de aprendizado: enquanto empresas grandes possuem métodos mais rígidos, contando com centros de treinamento e parcerias com instituições de excelência, em uma startup internacional a formação é bem menos convencional – ele passou a buscar conhecimento em outras fontes, como no seu networking e com seus colegas.

A oportunidade em uma startup pode encurtar o tempo de amadurecimento profissional. Por isso, Eduardo considera que, para um jovem, a experiência é especialmente interessante. “Ele vai ter que desenvolver rápido um alto nível de disciplina, de autogestão, iniciativa, autocontrole e trabalho em equipe”, relata o diretor.

 

Leia também: Como este advogado se preparou para abrir uma startup de investimentos

Desafios de trabalhar em startup internacional

Responsável por buscar parcerias para o site, Eduardo mantém relacionamentos com empresas da Europa e também Canadá e Estados Unidos. Além dos parceiros, comunica-se frequentemente com colombianos, argentinos e franceses que administram o Viajala regionalmente. “Isso me traz aprendizado não só do idioma, como de boas práticas de mercado”, conta.

Outro de seus desafios como diretor nacional da startup global é “garantir que a empresa funcione bem para os brasileiros”. O obstáculo, nesse quesito, é que ele deve convencer a gestão do Viajala, que é formada por estrangeiros, do que é melhor para o mercado interno. Ao mesmo tempo que nas empresas nacionais, a atuação limitada ao país possibilita mais facilidade no conhecimento do mercado e adaptação rápida.

 

Dica do Na Prática:

Autoconhecimento é fundamental para você embasar as suas decisões de vida e carreira. É por meio  dele que você vai responder dúvidas que podem estar na sua cabeça, como: “O que te traz felicidade genuína?”, “O que dá significado para sua vida?”, “Qual carreira faz mais sentido para mim?”. Foi pensando nesse seu momento que a Fundação Estudar criou o Autoconhecimento Na Prática, um curso de três dias que vai ajudá-lo a desvendar o seu verdadeiro Eu e a guiar com mais segurança suas escolhas profissionais e de vida. Inscreva-se agora com 10% de desconto usando o cupom AUTO10. É só clicar aqui!

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo