Portão de Bradenburgo

Muitos editais de bolsas de estudos e descrições de vagas internacionais destacam formatos específicos de currículo. Um deles é o Europass, o currículo europeu, que busca deixar visíveis as habilidades e competências dos candidatos em qualquer país do continente.

O formato popularizou-se desde sua criação, em 2005, por uma decisão do Parlamento e do Conselho Europeus. Por trás dele, estava a necessidade de estabelecer documentos padronizados que favorecessem a transparência na mobilidade de cidadãos pela União Europeia.

Na mesma época, surgiram documentos como o Passaporte de Línguas, em que cada sujeito autoavalia sua proficiência em idiomas usando como base o Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas.

Mas o que há de diferente no currículo europeu?

Para começar, o Europass está disponível em 31 idiomas, incluindo línguas que vão do português e do inglês ao russo. Em outras palavras, é mais fácil seguir o mesmo modelo e preencher o documento para candidaturas em países diferentes, já que os espaços disponíveis são padronizados.

Baixe o ebook: Pós-graduação: Tudo Que Você Precisa Saber Antes de Decidir

O modelo do currículo europeu condensa aspectos como qualificação acadêmica, experiência profissional e também uma tabela padronizada com o nível de proficiência em idiomas.

Para elaborar um documento nesses moldes, basta acessar o site oficial do Europass e escolher o idioma. Pelo mesmo sistema, é possível criar uma carta de apresentação e anexar anexos, que auxiliam nos processos de candidatura.

Aproveite e confira indicações sobre como fazer um currículo europeu nos moldes do Europass:

1) Sintetize as informações antes de colocá-las no Europass

Assim como qualquer outro documento do tipo, o currículo europeu exige que o candidato resuma bem suas experiências. Na prática, isso significa descrever funções e conquistas de forma direta, apresentando resultados e condensando informações.

Em vez de uma longa descrição sobre como entrou na empresa e assumiu um cargo de gestão, com detalhes sobre tarefas do dia a dia, opte por frases simples e separadas em bullets que deem noção do todo.

Leia também: Qual é o modelo de currículo mais adequado para vagas internacionais

2)  Várias experiências contam

Não é apenas uma questão de listar cargos em grandes empresas. No currículo europeu, vale incluir, por exemplo, experiências de voluntariado e projetos sociais, bem como detalhar as conquistas acadêmicas. Presença em congressos, apresentação de artigos e participação em grupos de pesquisa são alguns dos itens possíveis.

No espaço para “educação e formação”, também se pode adicionar competências gerais e técnicas obtidas em cada item. Em um curso de jornalismo, por exemplo, podem ser citadas as bases teóricas e disciplinas, além do conhecimento em ferramentas de edição de vídeo e áudio.

Baixe modelo de currículo criativo!

3) Não superestime suas competências pessoais

O currículo europeu exige que o candidato liste sua língua matéria e o nível de proficiência em cada idioma no qual tem experiência. Na hora de preencher a tabela padronizada, nessa etapa, nada de superestimar as próprias habilidades.

Para isso, o caminho certeiro é entender, por meio do Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas, qual o nível do candidato em termos de compreensão oral, escrita, leitura e interação oral. Lembre-se de que, comumente, tais habilidades podem ser testadas em outros momentos do processo de seleção, como uma entrevista presencial ou online.

 

 

Artigo originalmente publicado no portal EstudarFora.org

Os melhores conteúdos para impulsionar seu desenvolvimento pessoal e na carreira.

Junte-se a mais de 1 milhão de jovens!
Casdastro realizado, fique ligado para os conteúdos exclusivos!
Seu cadastro não foi realizado, tente novamente!

O que você achou desse post? Deixe um comentário ou marque seu amigo: