Um Projeto: Fundação Estudar
jovens advogados participam de debate

Conheça os jovens advogados que criaram um centro de pesquisa financiado pelo Google

Por Rafael Carvalho

“Queremos promover o debate acadêmico e a produção de conhecimento sendo uma estrutura independente das universidades”, diz fundador do InternetLab

O que têm em comum o aplicativo de caronas Uber, o canal de humor no YouTube Porta dos Fundos e a nudez feminina no Facebook como forma de expressão política? Os três temas são objetos de estudo do InternetLab, um centro de pesquisa em direito e tecnologia inaugurado no final de 2014 pelos advogados paulistas Dennys Antonialli, 28, e Francisco Brito Cruz, 25, na Galeria Ouro Fino, na Rua Augusta, em São Paulo.

Conheça o Imersão Jurídico, programa de decisão e preparação de carreira do Na Prática

O InternetLab desenvolve pesquisas em forma de relatórios, infográficos e vídeos sobre os desafios de elaborar e implementar políticas públicas em novas tecnologias. “Com o crescimento do uso da internet no Brasil, aumentou também o número de decisões judiciais e propostas legislativas que enfrentam questões complexas ligadas à ideia de regulação da rede”, diz Dennys. “Muitas dessas decisões e propostas colocam em risco a ideia de uma internet livre e aberta e podem lesar direitos fundamentais dos usuários.”

O InternetLab

Hoje, o InternetLab tem quatro linhas de pesquisa: economia do compartilhamento, liberdade de expressão e humor, gênero e tecnologia e, por fim, judiciário e acesso á informação.

O interesse de Dennys por direito e tecnologia surgiu quando ele era aluno da graduação na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) e fez iniciação científica. Depois disso, ele foi fazer dois mestrados fora do país – um em direito pela Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, e outro em Law and Business pela Bucerius Law School e pela WHU Otto Beisheim School of Management, na Alemanha.

Quando voltou a São Paulo para fazer doutorado na USP, percebeu que temas como privacidade, liberdade de expressão e neutralidade de rede estavam sendo pouco discutidos nas faculdades e pelos juristas. Foi quando conheceu Francisco, aluno do mestrado em Filosofia e Teoria Geral do Direito da USP, que tinha as mesmas inquietações.

Juntos, os dois decidiram criar na faculdade o Núcleo de Direito, Internet e Sociedade (NDIS) para reunir pessoas interessadas em desenvolver reflexões sobre os desafios impostos ao direito pelos avanços da tecnologia. Era o segundo semestre de 2012.

“O grupo começou com encontros informais”, conta Dennys. “Em pouco tempo, meu orientador, o professor doutor Virgílio Afonso da Silva, percebeu potencial no NDIS, passou a supervisioná-lo e o tornou crédito de cultura e extensão na faculdade.” Daí ao núcleo ganhar popularidade fora da USP foi um pulo. “Criamos um grupo no Facebook e começamos a receber mensagens de pessoas de Goiânia, de Belém… que também tinham vontade de estudar o tema.”

Por um ano, Dennys dividiu sua rotina entre tocar o NDIS, fazer doutorado e trabalhar em um escritório de advocacia. “Eu estava exausto, resolvi dar um tempo”, diz.

Apoiadores externos

Tanto ele quanto Francisco decidiram passar uma temporada no exterior como pesquisadores visitantes – Dennys no Alexander von Humboldt Institute for Internet and Society, na Alemanha, e Francisco no Center for Study of Law and Society da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos. “São centros como o InternetLab, também chamados de think tanks. A ideia dessas associações é reunir especialistas independentes da academia para pensar em projetos voltados para políticas públicas”, diz Dennys.

De volta ao Brasil, Dennys e Francisco decidiram fundar uma entidade civil sem fins lucrativos para pesquisar direito e tecnologia – o InternetLab. O Google financiou o primeiro ano de atividade (o valor do aporte não é revelado). Em dezembro de 2014, o centro de pesquisa recebeu outro financiamento – da Fundação Ford, para mais 15 meses de projetos de pesquisas. “Funciona como uma doação. Nenhum dos nossos apoiadores tem ingerência sobre as pesquisas nem sobre os resultados das pesquisas”, afirma Dennys.

Leia também: Advogada fala sobre as diferenças entre trabalhar para escritório ou empresa

Além de produzir pesquisas, o InternetLab também aproxima pessoas que pensam em um projeto e querem disputar um financiamento. “Também queremos produzir conteúdo e trazer especialistas para dar palestras”, diz Dennys. “O objetivo é informar melhor os brasileiros sobre o assunto.”

Desde a inauguração, o InternetLab mantém o blog Deu nos Autos, no Link Estadão. Para Dennys, o desafio do InternetLab agora é se firmar como interlocutor de assuntos relacionados a direito e tecnologia.

“Queremos promover o debate acadêmico e a produção de conhecimento sendo uma estrutura independente das universidades”, diz. Outra preocupação é a captação de recursos. “Estamos constantemente procurando financiadores e participando de editais, já que nossos financiamentos são periódicos e precisam ser renovados”, afirma. Atualmente, o InternetLab está implementando uma plataforma de doações no site da entidade. “Queremos atrair doações de pessoas físicas e jurídicas que gostem do nosso trabalho.”

Este artigo foi originalmente publicado em DRAFT

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo