Um Projeto: Fundação Estudar
investir em tecnologia

Como é investir em tecnologia no ramo de Wealth Management

Por Suria Barbosa

Investir em tecnologia pode trazer ganhos exponenciais, mas envolve riscos diferenciados (e, por vezes, maiores). Sócio da Turim, pioneira no ramo de Multi-Family Office, explica como a companhia entra nesse mercado e se aproxima de polos como o Vale do Silício.

É fato que investir em tecnologia torna-se, à medida em que as empresas do ramo crescem, cada vez mais relevante. Porém, as peculiaridades do ramo que movimentou quase 500 bilhões em 2017 fazem com que esse tipo de investimento inclua grandes riscos, em geral.

“Trata-se de uma indústria que tem ciclos de inovação muito rápidos, assim, tem muita competição, e o risco de uma companhia não pegar uma mudança de paradigma e de mercados é grande”, afirma Rodrigo Louro, sócio responsável por Product Selection da companhia de Wealth Management Turim. No entanto, enquanto a probabilidade de perda em um único investimento é alto, também há possibilidade de retornos exponenciais.

Na Turim, Multi-Family Office que administra e cria estratégias para preservar o patrimônio dos clientes, o aprofundamento na classe de ativos se deu em 2013 por conta de razões internas – interesse por parte dos clientes – e externas, como mudanças no mercado. Na época, Facebook, Twitter e Uber, por exemplo, atingiam grandes resultados – tanto em número de usuários, quanto em valor.

Leia também: Quer fazer carreira no mercado financeiro? Há inovações que você precisa conhecer

A decisão de se envolver com o ramo veio depois de um processo de avaliação que começa com uma visão macroeconômica. “Olhando os principais países desenvolvidos e emergentes para identificar quais são as tendências, quais são as narrativas, como está a dinâmica, quais são as potenciais oportunidades e potenciais riscos”, detalha Rodrigo.

O sócio, que é integrante da equipe de Gestão da Turim e cuida da análise e seleção de gestores no Brasil e no exterior, além de conduzir pesquisas e alocações em fundos de ações, participará de painel na Conferência Na Prática Mercado Financeiro deste ano. Confira mais informações sobre o evento, que traz grandes representantes do setor, aqui.

Como é a estratégia para tecnologia

Geralmente, em tecnologia, a Turim, que possui cerca de dois terços do patrimônio investido internacionalmente, adota um modelo de alocação, em que encontra um gestor especializado nas ações do setor. “Não é um investimento direto, tipicamente não estamos escolhendo as companhias, mas sim selecionando um gestor que é expert em fazer essa seleção”, explica o sócio.

O trabalho não para na apuração, já que a companhia, que tem investimentos globais, busca manter uma relação próxima com os gestores – inclusive, literalmente. “Temos membros do nosso time visitando gestores investidos ou prospectivos fora do Brasil diversas vezes por ano”, diz Rodrigo. A premissa também vale para investimentos em tecnologia, por isso as viagens ao Vale do Silício são frequentes e acabam servindo também para consolidar relacionamentos, importantes para abrir portas no acirrado mercado local.

“Um dos desafios de investir em tecnologia, especialmente do lado privado e em estágios iniciais, como venture capital, é conseguir acessar os melhores gestores e capacidade de alocação em seus fundos”, afirma. Se, inicialmente, as visitas ao polo de tecnologia tinham teor exploratório (e não específico), hoje a empresa foca em manter e expandir os relacionamentos, motivo que, inclusive, ajudou no difícil acesso inicial ao Vale.

Para Rodrigo, um dos efeitos secundários de investir em tecnologia é educar os clientes acerca do tema e promover mais confiança para futuros investimentos no Brasil.

Na Turim, investir em tecnologia é investir em gente

“Por termos um modelo de alocação, a maior parte do nosso tempo é dedicado a analisar gestores e fundos”, declara o sócio. A análise de “gente” requer não apenas entender os aspectos mais técnicos e quantitativos – em termos individuais e em relação aos outros profissionais do ramo – como avaliar os aspectos qualitativos, que devem estar de acordo com a filosofia interna de investimento da companhia de Wealth Management.

“Nós investimos em pessoas, por isso é muito importante conhecermos bem o time que está a frente de um fundo ou gestora. O processo de diligência para adicionarmos um gestor à carteira é profundo, e o acompanhamento é constante”, resume ele.

O perfil para atuar na companhia de Wealth Management

Escritório da Turim no Rio de Janeiro / Acervo

 

Nos profissionais que recrutam para trabalhar internamente, um dos atributos mais valorizados é a curiosidade intelectual. Segundo Rodrigo, “como o desenvolvimento tecnológico é veloz e tem rompido com o funcionamento tradicional de diversas indústrias e atividades, é fundamental que haja um engajamento muito grande para acompanhar estes movimentos”.

Aliada ao conhecimento técnico sobre diferentes estruturas de investimento, mercados, etc., caracteriza um perfil atrativo de candidato para a Turim, principalmente porque a empresa conta com uma carteira diversificada de investimentos (inclusive, geograficamente). Para quem busca se desenvolver no setor, é benéfico: “o espectro de aprendizado é muito amplo, ou seja, você tem acesso e oportunidade a aprender sobre os diferentes mercados e classes de ativos”, diz o sócio.

Mas ele garante que não existe formação ou background específicos, “o mais importante é o jovem se capacitar do ponto de vista da bagagem tradicional de análise financeira”.

Escritório da Turim em São Paulo
Escritório da Turim em São Paulo / Acervo

Inscrições abertas para o Prêmio Turim

A Turim, em parceria com a Fundação Estudar, lançou a primeira edição do Prêmio Turim, que busca aproximar jovens talentos aos conceitos de Wealth Management e de Multi-Family Office. As inscrições para a competição estão abertas até o dia 12 de agosto. No Prêmio, os participantes apresentarão cases em duas etapas: a primeira, online e a final, presencial.

Todos os finalistas poderão concorrer a uma vaga de estágio na empresa. Além disso, os vencedores ganham 5 mil reais, uma viagem internacional para Londres, para visitar o escritório da Multi-Family Office e almoço com sócios da companhia. O segundo lugar recebe 3 mil reais e participa do almoço, ao qual o terceiro lugar também será convidado.

Confira mais informações sobre o Prêmio Turim e inscreva-se por aqui!

Podem participar estudantes que cursem a partir do 5º período de uma graduação (não há restrições de cursos), inscritos em duplas ou individualmente.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo