Um Projeto: Fundação Estudar
Gabriel Costa palestrando

Como construir uma carreira em marketing digital

Por Rafael Carvalho

Formado em Engenharia de Alimentos, Gabriel Costa resolveu mudar de carreira e começar sua trajetória na área de Marketing Digital em uma startup; nesse texto, ele compartilha os desafios e aprendizados de sua decisão

Desde que me formei e comecei a trabalhar eu escuto duas perguntas muito frequentemente:

Engenheiro de Alimentos no Marketing?”

“Como começar a carreira em Marketing Digital?”

Acabo ouvindo isso pelo seguinte fato: sou Engenheiro de Alimentos pela Unicamp e atualmente Gerente de Marketing da startup Resultados DigitaisVou aproveitar este convite do Na Prática para responder estas duas perguntas de uma vez só e quem sabe ajudar algumas pessoas que podem estar perdidas, assim como eu estive um tempo. 

Como construir uma carreira em Marketing Digital, especialmente se você não tem formação na área de Marketing ou Administração?

Felizmente, isso é possível graças a uma característica bem singular dessa área: é possível aprender e trabalhar na área de marketing digital com muita qualidade sem nenhuma formação exigida. Por outro lado, ela exige um aprendizado muito intenso e contínuo, uma vez que tudo muda e evolui muito rápido.

Portanto, se você tem interesse na área, recomendo se dedicar e investir para aprender. Além disso, desde já, aceite que essa rotina de estudos diário ou semanal será contínua mesmo quando já estiver dentro da área. O mercado continua crescendo apesar da crise atual e as empresas estão sentindo muita falta de bons profissionais. Nesse cenário, este texto vai te ajudar com os primeiros passos.

Baixe o Ebook: Guia para começar a Carreira em Marketing

O começo da faculdade Antes de tudo, é necessário contar um pouco da minha história para te contextualizar… Eu sou mineiro e me mudei para Campinas para fazer faculdade. Não sei exatamente porque (talvez pelas boas influências), mas desde o início da faculdade eu tinha claro que precisava ter o máximo de experiências profissionais possíveis no período: pesquisa, empresa júnior, estágio na indústria, intercâmbio, associações estudantis ou quaisquer experiências extracurriculares interessantes..

Eu considero este passo algo fundamental: ao experimentar todas essas opções, foi possível descobrir o que eu gostava e não gostava de fazer, o que conseguia fazer bem, o que tinha interesse de aprender, o que não tinha tanta paciência, etc.

Um exemplo claro foi meu projeto de Iniciação Científica: O poder natural antioxidante do Urucum e Coentro na carne de peixe. Depois de um ano e meio de pesquisa e de publicar em um dos maiores periódicos do mundo na área de Alimentos (sim, tive as portas abertas para a carreira acadêmica no meio da faculdade), descobri que aquilo definitivamente não era para mim.

A rotina, a repetição, o pouco dinamismo, as normas da ABNT não me atraíam. Admiro muito o trabalho de pesquisadores e fiz grandes amigos, mas percebi que isso não era para mim.

Também fui para a indústria e tive a experiência que eu precisava no “chão de fábrica”. Fui estagiário na Unilever, tive uma experiência incrível, mas assim como na pesquisa, descobri que também não era o que eu queria para mim. Minha cabeça começou a mudar quando percebi que as experiências de que mais gostei e com que mais me identifiquei tinham uma grande característica em comum: para elas meu curso não importava, mas sim a minha capacidade de aprender rápido um assunto novo e de entregar. Foram elas:

Empresa júnior: meu primeiro contato com o mundo de gestão. Foi onde pela primeira vez eu tinha vontade de verdade de trabalhar e de aprender outros assuntos. Além disso, ainda fiz grandes amigos na época que ainda são grandes amigos até hoje.

Estágio na Alemanha: meu primeiro estágio formal foi na UnternehmerTUM, um centro de inovação e criação de negócios alemão. Foi aqui que minha cabeça se abriu, conheci o mundo do empreendedorismo e percebi que poderia seguir esta linha de trabalho.

Trabalho em startup: a Empreendemia foi minha primeira experiência de trabalho real.  Foi onde conheci pessoas realmente fora da curva, decidi que queria sair da minha área e onde eu aprendi um pouco de tudo: marketing digital, vendas, atendimento e desenvolvimento de produtos.

Resultados Digitaisfui o funcionário #20 da RD e hoje já somos mais de 350. Participar ativamente desse crescimento tão rápido tem me tornado um profissional bem completo, com experiências incríveis e constantemente desafiadoras. Além disso, tem me ajudado a construir minha carreira como gestor.

E foi fácil tomar a decisão?

Talvez essa seja a terceira pergunta mais comum. Muita gente que está em uma situação parecida, querendo tomar outros rumos profissionais, acaba me perguntando isso. E a resposta é não, não foi fácil. No meu caso, além da expectativa que você gera para você e para sua família ao escolher um curso, o fato de estar fazendo uma escolha diferente da maioria também contribui para isso. Mas, depois de passar por todas estas experiências, tive muito mais segurança para tomar a decisão.

Leia também: Especialista explica como planejar a carreira em marketing

Marketing Digital Muitas empresas entenderam o papel e a importância do marketing digital e decidiram investir para aumentar seus resultados. Por ser um assunto relativamente novo e por não termos tantos profissionais realmente bons, o mercado está sentindo falta desses profissionais e está aumentando as contratações, mesmo no nosso cenário de crise atual.

Se você gosta da área e quer saber como pode virar um profissional competente, eu recomendo muito investir seu tempo para aprender bastante sobre o assunto. Para ajudar nesse processo, trouxe um passo a passo para começar a uma trajetória em marketing digital:

1. Siga as pessoas e empresas corretasComo é um mercado aquecido e em expansão, é normal aparecer os pseudo-gurus no assunto. Comece a sua jornada seguindo empresas e pessoas sérias, não aquelas que prometem resultados do dia para a noite. Com certeza há muitas empresas e pessoas sérias, mas neste início recomendo acompanhar poucas para evitar sobrecarga de informação. Minhas sugestões são: Resultados Digitais , Rock Content, Supersonic, Agência Mestre, Sambatech, Viver de Blog, Contentools e Rafael Rez.

2. Estude os temas fundamentaisO segundo passo é conhecer os assuntos essenciais para se tornar um bom profissional. Não se engane, o básico já é bastante coisa e vai exigir bastante dedicação. Esses assuntos (linkados para recomendações de Ebook da própria RD) são: Inbound Marketing, Marketing de Conteúdo, SEO, Social, Blog (WordPress, temas, plugins para otimização) e Email MarketingO conteúdo sugerido acima não é suficiente para se tornar um especialista, porém é um bom ponto de partida para começar seus estudos.

3. Crie um projeto e coloque os conceitos em prática – Na verdade, esta é a única forma real de aprender e é esse tipo de experiência que qualquer empresa vai buscar em um profissional. Pode parecer que apenas experiências em grandes empresas importam e que um pequeno projeto não faz diferença, mas é muito bom achar um candidato que conseguiu colocar um projeto no ar praticamente sozinho e alcançou resultados, mesmo que eles não seja enormes.

Mas vale lembrar que a prática é essencial para o aprendizado. Você só vai aprender a fazer uma pesquisa de palavras chave ou fazer um bom anúncio – por exemplo –  quando fizer na prática e quebrar a cabeça para melhorar os resultados. Ainda assim, sempre vão existir desculpas que você vai usar para não criar um projeto:

“Ah, mas eu não sei nem por onde começar”… De forma bem resumida os passos são: Crie conteúdo de qualidade, faça um bom trabalho de SEO para atrair visitantes, gere Leads e tente vender para estes Leads. Não espere ter o blog e nem um produto perfeito. Se você não tiver um produto ou serviço seu para vender, tente indicar outros conteúdos, cursos. O importante é conseguir provar que as pessoas estão consumindo não só seu conteúdo, mas como suas recomendações.

“Ah, mas eu tenho vergonha”… Isso é normal. Supere isso e comece a produzir conteúdo realmente útil e que ajude verdadeiramente um grupo de pessoas. A partir desse momento as pessoas vão se preocupar mais em absorver o seu conteúdo do que te criticar. E lembre-se: a maioria das pessoas nem te conhece e nunca vai te conhecer.

“Ah, mas não sei sobre o que pode ser o meu projeto”… Se você não souber que tipo de projeto criar, minha sugestão é: faça uma lista de assuntos por que você se interessa e que naturalmente já gosta de acompanhar as novidades e estudar. Pode ser um projeto sobre viagens, maquiagem, idiomas, treinamentos, culinária, relacionamentos, psicologia, bioquímica, empreendedorismo ou qualquer outro assunto formal ou informal.

Lista feita, já use seus conhecimentos de SEO e faça uma pesquisa de palavras chave (Keyword Research) para cada um dos temas. Esse rápido estudo do mercado vai mostrar o tamanho da demanda, dos concorrentes e te indicar um caminho a seguir. 

E, por último, quando começar a buscar por oportunidades, recomendo fortemente que você veja o ebook  Como é o trabalho em uma startup?para conhecer as oportunidades e benefícios únicos que só esse tipo de carreira oferece!

 

Se quiser conversar com o autor do texto, escreva para gabriel.costa@resultadosdigitais.com.br.
As vagas disponíveis na Resultados Digitais podem ser consultadas aqui

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo