Um Projeto: Fundação Estudar
Arara com cabides de camisas em loja de roupas

Varejo: a engrenagem por trás da gôndola

Por Tiago Mittraud

Indústria envolve toda e qualquer atividade de venda de produtos ou serviços para pessoas

Quando você precisa abastecer a despensa com alimentos ou produtos de limpeza, vai ao supermercado. Se tem que comprar um remédio, passa na farmácia mais próxima. Quando bate aquela fome na hora do almoço, busca um restaurante gostoso. Se quer estar por dentro das tendências de moda, compra sua revista preferida na banca. Quando procura passagens para uma viagem esperada, vai até uma agência especializada. Se quer comprar um celular novo, pesquisa os preços em lojas online. Todos esses empreendimentos, físicos ou virtuais, são parte da indústria de varejo. O conceito da palavra é bastante amplo – e envolve toda e qualquer atividade de venda de produtos ou serviços para pessoas.

Até os anos 1980, essa indústria foi vista com desdém pelo mundo corporativo no Brasil. Salvo algumas exceções, como as antigas lojas de departamento Mesbla, Pernambucanas e Mappin, o universo varejista brasileiro se resumia a padarias, vendinhas e boutiques de bairro. Foi a partir daquela década que alguns lojistas conseguiram profissionalizar sua gestão e a construir redes com dezenas de unidades espalhadas pelo país. Com faturamento de empresa grande, essas companhias começaram a chamar a atenção do mercado e a receber investimentos de terceiros para impulsionar seu crescimento.

Ao longo da última década, porém, o varejo tornou-se o motor da economia brasileira, quando mais de 30 milhões de brasileiros ascenderam na pirâmide social e passaram a ter acesso a produtos e serviços antes inalcançáveis. Hoje, somos o sétimo maior mercado consumidor do mundo e, segundo as previsões, ocuparemos o quinto lugar até 2023. Algumas das estrelas do varejo no país são:

Supermercados: Grupo Pão de Açúcar, Carrefour, Walmart

Varejo de móveis e eletrodomésticos: Via Varejo (das redes Casas Bahia e Ponto Frio), Magazine Luiza, Máquina de Vendas (das redes Ricardo Eletro e Insinuante)

Comércio eletrônico: B2W (das marcas Submarino, Shoptime e Americanas.com), Nova Pontocom (PontoFrio.com, CasasBahia.com e Extra.com), Dafiti, Netshoes, Walmart.com

Varejo de moda: Hering, C&A, Marisa, Riachuelo, Lojas Renner

Farmácias: RaiaDrogasil, Drogarias Dp Sp (Drogaria Pacheco e Drogaria São Paulo), Pague Menos

Alimentação: McDonald’s, Burger King, Habib’s, Giraffas, IMC (dos restaurantes Viena e Frango Assado)

Franquias: O Boticário, Cacau Show, Arezzo, Chilli Beans

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo