Um Projeto: Fundação Estudar
pessoa sentada em pedra contemplando cachoeira

Semeia na prática: uma carreira em busca de modelos de gestão inovadores para parques brasileiros

Por Rafael Carvalho

Fernanda Aidar fala sobre o trabalho em uma organização do terceiro setor focada em trazer modelos inovadores para parques ambientais brasileiros. A organização está com processo seletivo aberto até o dia 16/8!

“Eu estava em busca de uma trajetória que aliasse impacto a oportunidades de desenvolvimento profissional relevantes”, explica Fernanda Aidar, aos 29 anos, sobre o recente movimento de carreira que a levou ao Semeia, organização sem fins lucrativos que tem como objetivo propor modelos de gestão e financiamento inovadores para parques de conservação ambiental no Brasil pense em lugares como Fernando de Noronha, Cataratas do Iguaçu, Chapada Diamantina, entre outros.

Semeia está com vagas abertas para analistas! Inscreva-se aqui

A trajetória que a trouxe até aqui, no entanto, não é linear. Quando ainda estudava Administração de Empresas na Fundação Getúlio Vargas (FGV), em São Paulo, ela passou por estágios em banco, empresa e consultoria estratégica. “Minha ideia era experimentar o máximo de áreas possíveis, enquanto estava na faculdade”, conta. Depois de formada, continuou por cinco anos trabalhando na área de research em consultorias, como Bain & Company e Roland Berger.

A mudança para o terceiro setor veio de uma “vontade de mais desafios, de lidar com iniciativas mais empreendedoras”, segundo Fernanda, que contou com o apoio da rede Ubuntu para suas reflexões sobre carreira. “Eu reconheço a importância do trabalho que eu realizava, mas sentia falta de trabalhar em alguma coisa com mais impacto social e ambiental”, explica. Ao mesmo tempo, não estava disposta a abrir mão de um ambiente de trabalho meritocrático, focado em resultados e que correspondesse a suas expectativas de desenvolvimento profissional e remuneração.

Foi ativando sua rede de contatos e conversando com diversas pessoas que acabou chegando ao Semeia. “Eles estavam procurando alguém que não necessariamente tivesse envolvimento com a questão de conservação ambiental, mas sim que entendesse de gestão e planejamento e se identificasse com os valores da instituição”, conta. Era esse o seu perfil.

A organização Fundado em 2011 pela família de Pedro Luiz Passos, sócio da Natura, o Semeia é uma organização jovem e empreendedora o que foi ao encontro da vontade de Fernanda: “Comecei a trabalhar no espírito de construir junto com a instituição”.

A missão do Semeia representa um desafio ambicioso para todos os integrantes da equipe: transformar áreas protegidas em motivo de orgulho para os brasileiros. Para isso, aposta na articulação entre os setores público e privado, com a proposição de modelos de gestão inovadores que propiciem uma relação “ganha-ganha-ganha” para todos os envolvidos: governo, empresa e sociedade. “Acreditamos que essas áreas são e devem ser sempre públicas, porém a iniciativa privada pode participar, ajudando a transformar esses espaços em lugares geradores de emprego, renda e fonte de saúde e lazer para a população”, explica Fernanda.

Entre os cases de sucesso da organização, está a estruturação da primeira parceria público-privada em unidade de conservação ambiental no Brasil, junto ao governo de Minas Gerais.  

Atualmente, o Semeia está dividido em três áreas de atuação: conhecimento, focado em gerar e reunir estudos sobre parques e boas práticas de gestão nesses espaços; comunicação, voltado para difundir a causa do Semeia e engajamento; além de um pilar mão-na-massa, envolvido com projetos aplicados. Fernanda atualmente é responsável pela área de conhecimento.

semeia fernanda aidar
Fernanda Aidar, no Parque Nacional de Tongariro, na Nova Zelândia [acervo pessoal]

Conhecimento “Estamos falando de um tema muito novo e ainda pouco explorado do Brasil, por isso é importante entender a realidade local dos parques e também aprender com experiências internacionais bem-sucedidas. É com base nesse conhecimento que seremos capazes de propor modelos de gestão que sejam de fato inovadores”, explica Fernanda sobre a função de sua área. Para ela, dados e informações são essenciais para formular políticas públicas mais robustas e mensurar resultados no longo prazo.

“Na prática, o que fazemos é trabalhar com estudos relacionados ao contexto brasileiro e a casos internacionais, tanto em parceria com consultorias, que elaboram relatórios junto com a gente, como através de uma vivência prática, visitando parques em outros países para entender a gestão por lá”, completa.

Ainda assim, ressalta que não se trata de uma área de conhecimento nos moldes acadêmicos, mas sim de conhecimento aplicado: “Hoje, também estamos envolvidos nos projetos e na implementação desses modelos inovadores”, explica.

Em setembro, Fernanda passou um mês visitando parques na Austrália e Nova Zelândia, e já se prepara para uma viagem aos Estados Unidos ainda este ano. Fará parte de seu roteiro pelas áreas protegidas norte-americanas uma visita ao famoso Monte Rushmore, que traz esculpidos os rostos de quatro presidentes do país.

Leia também: Dez carreiras para quem se interessa por sustentabilidade

Cerca de quinze anos atrás, ainda adolescente, ela visitou esse mesmo parque enquanto fazia high school nos Estados Unidos. Na época, ainda estava amadurecendo a decisão sobre qual curso queria fazer e nem passava pela sua cabeça que, anos depois, sua profissão a levaria para estudar modelos de gestão naquele mesmo lugar.  

Para ela, a mensagem é clara: “Por mais planejada que seja, provavelmente sua carreira ainda reserva surpresas”, aconselha. “Por isso mesmo, não tem problema nenhum se você ainda não tem certeza do que quer fazer. É importante ter metas, objetivos e planos a longo prazo para sua carreira, mas são muitas variáveis que influenciam nisso. Faz parte da vida mudar de trajetória”, conclui.

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo