Um Projeto: Fundação Estudar
b3 precisa de profissionais

Por que a B3, a bolsa do Brasil, precisa de profissionais de tecnologia?

Por Suria Barbosa

Tecnologia e mercado financeiro: três profissionais da B3, bolsa de valores oficial brasileira, explicam como a tecnologia impacta o negócio e o ambiente de trabalho da companhia.

A B3 atua nos ambientes de bolsa e de balcão e também no desenvolvimento de produtos e tecnologia para o mercado. Entre as atividades da bolsa do Brasil estão negociação, compensação, liquidação, depósito e registro de ativos, além de atuar como contraparte central garantidora das operações realizadas em seus mercados. “Todas as unidades de negócio possuem algo em comum: são fortemente baseadas no uso de tecnologia”, explica o gerente de arquitetura e inovação, Alexandre Eduardo de Oliveira.

Desde 2009, o ambiente de negociação é totalmente eletrônico. “Não temos mais operações presenciais, o famoso ‘viva-voz’, e toda negociação é realizada de forma eletrônica, utilizando sistemas com requisitos de performance, resiliência e disponibilidade altíssimos”, afirma.

“Extrair o melhor que as tecnologias atuais têm para prover toda segurança que o mercado financeiro precisa e merece é uma das nossas missões mais críticas, sem deixar de lado estarmos antenados a novas tecnologias.”

Nesse contexto, há um movimento forte e constante de investir em desenvolvimento. “Existe uma área que tem esse papel de estudar, mapear novas tecnologias e pensar nas possibilidades de implementar na B3”, conta Cristiane Feliciano, analista do time de Pessoas.

Leia também: O perfil de quem trabalha na bolsa de valores brasileira, a B3

“Hoje, o profissional de TI tem um papel importante para a estratégia da companhia. As áreas de tecnologia trabalham em sinergia com outras para gerar oportunidades de negócio, melhorar a qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos clientes, podendo, assim, desenvolver o mercado e adquirir vantagem competitiva”, afirma Leonardo Ferreira Silveira Lima, product owner na B3.

Segundo ele, os profissionais de tecnologia estão inseridos na maioria das áreas da companhia, das técnicas às de negócio, mas atuam principalmente no desenvolvimento de sistemas, monitoração, suporte, auditoria de TI e segurança da informação. “De qualquer forma, são profissionais versáteis e com flexibilidade de atuação”, completa.

Qual é o perfil do profissional de TI para trabalhar na B3?

De acordo com Alexandre, a complexidade e requisitos técnicos do ambiente da B3 exige profissionais de tecnologia antenados e comprometidos com a causa da companhia, de viabilizar, conectar e desenvolver os mercados financeiro e de capitais.

Quais conhecimentos técnicos são necessários?

O product owner Leonardo destaca cinco conhecimentos técnicos indispensáveis para trabalhar com tecnologia na B3:

  • Metodologias Ágeis
  • Linguagens de programação (Java, .Net, Python, R)
  • Banco de dados
  • UX/UI
  • Design Thinking
  • Lean
  • Six Sigma

De outro lado, as habilidades comportamentais mais valorizadas pela companhia

Porém, não basta dominar as ferramentas tecnológicas. Para fazer parte do time, é preciso estar alinhado com a cultura e os valores da companhia, explica Cristiane. “Como temos sistemas muito robustos e de alta performance e estamos em um mercado de constantes mudanças, precisamos de profissionais dinâmicos que tragam valor ao nosso negócio”, acrescenta.

Leonardo também dá destaque às soft skills, de acordo com ele “são habilidades fundamentais para promover um ambiente colaborativo e com o poder de criar soluções inovadoras”. Como exemplo, destaca ética, trabalho em equipe, inteligência emocional, resiliência, autoconhecimento, empatia, liderança, negociação, gestão do tempo, criatividade, pensamento crítico e resolução de problemas, além da mentalidade de sempre buscar entregar da melhor maneira possível.

Leia também: As inovações que estão por vir no mercado financeiro brasileiro

Como equilibrar os requisitos desejados?

“Em vagas iniciais (estágio e júnior) existe a flexibilização desses requisitos e a possibilidade de aprendizado das competências técnicas dentro da área e com treinamentos oferecidos pela B3”, afirma Cristiane. Nesses casos, os aspectos comportamentais são mais valorizados.

Porém, de forma geral, a companhia busca profissionais que tenham trabalhado com temas como desenvolvimento de software, segurança da informação, ciência de dados, infraestrutura (Cloud), Agile e inovação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo