Um Projeto: Fundação Estudar
Bill Gates ao lado de uma pilha de livros

O livro sobre liderança recomendado por Bill Gates

Por Redação, do Na Prática

“O mito do líder forte” , do estudioso Archie Brown, integra sua lista de seleções de 2016; saiba por que a obra lhe interessou

Em dezembro, caixas de entrada do mundo todo recebem de Bill Gates um relatório intitulado “Gates Notes”, que contém um resumo de seu trabalho no ano e uma seleção de seus livros favoritos – uma lista que inclui autores famosos, obscuros, obras novas e velhas e futuros bestsellers.

Em 2016, após a eleição de Donald Trump nos EUA, ele destacou “The Myth of the Strong Leader”, ou o mito do líder forte, de Archie Brown, publicado em 2014. “A dura eleição desse ano me fez pegar esse livro de um acadêmico da Universidade Oxford que estuda liderança política – boa, ruim e feia – há mais de 50 anos”, explicou Gates.

Segundo o empresário, o livro mostra que os líderes que mais contribuem para o desenvolvimento da humanidade geralmente não são arquétipos de “líderes fortes”: são aqueles que preferem colaborar, delegar, negociar e reconhecer que ninguém precisa ter todas as respostas. “Brown não poderia ter previsto quão ressonante seu livro se tornaria em 2016”, conclui Gates.

É uma definição de líder que ecoa a de Ronald Heifetz, professor do Centro de Liderança Pública da Universidade Harvard. Em uma entrevista recente ao Na Prática, pouco antes da eleição americana, ele disse que um líder precisa ter “coragem, um profundo senso de propósito e a capacidade de aprender publicamente”.

“Precisamos ter autoconfiança suficiente para admitir que estamos aprendendo na frente dos outros sem precisar fingir que temos as respostas o tempo todo”, continuou Heifetz. “É a habilidade de aprender no trabalho e encorajar outros a fazerem isso também.”

A crítica de Bill Gates

Confira abaixo os melhores trechos da crítica de Bill Gates, disponível na íntegra em inglês no site Gates Notes:

Considerando que a maioria dos livros sobre liderança política são cronologias, mapeando a ascensão e queda dos líderes ao longo do tempo, este é mais uma taxonomia.

Brown analisa profundamente os traços e tendências que os líderes exibem e as categorias em que se inserem como forma de entender os egos, as motivações e os comportamentos responsáveis ​​por tantos progressos e tantos sofrimentos no mundo.

O principal argumento de Brown é exatamente o que seu título sugere: apesar de uma fixação mundial na força como uma qualidade positiva, líderes fortes – aqueles que concentram poder e tomada de decisões em suas próprias mãos – não são necessariamente bons líderes.

Pelo contrário, Brown argumenta que os líderes que fazem a maior diferença no governo e mudam milhões de vidas para melhor são aqueles que colaboram, delegam e negociam – aqueles que reconhecem que ninguém pode ou deveria ter tudo as respostas.

Para fazer seu caso, Brown classifica líderes bem-sucedidos em duas categorias. Os líderes “redefinidores” mudam radicalmente a paisagem política, não ao “[buscar] o centro”, mas “movendo o centro em sua direção”.

Os líderes “transformacionais”, argumenta Brown, vão um passo adiante, transformando fundamentalmente o próprio sistema político ou econômico.

Se você está consternado com quão raro é para um presidente americano remodelar nosso sistema político ou econômico, como muitos eleitores hoje parecem estar, considere que o último líder transformacional americano, na análise de Brown, foi Abraham Lincoln.

Nesta categoria, Brown lista Charles de Gaulle, Mikhail Gorbachev, Deng Xiaoping e Nelson Mandela.

Não precisamos olhar longe para encontrar evidências da tendência esmagadora de equiparar liderança forte com boa liderança. Como Brown diz, pense na última vez que você ouviu alguém dizer: “O que precisamos é de um líder fraco”.

Brown faz um trabalho maravilhoso de mostrar como as mesmas qualidades que parecem tão atraentes em líderes fortes podem levar, nos casos mais suaves, a decisões ruins – e, nos casos mais extremos, à morte e ao sofrimento em grande escala.

Essas qualidades podem ser reduzidas a uma crença, por parte do líder, de que ele ou ela – geralmente é ele – é o único que sabe o que o país precisa e o único que pode liberá-lo.

Através do meu trabalho no mundo dos negócios e na Fundação [Gates], vi em primeira mão quão ineficaz e até perigoso pode ser quando os líderes tomam decisões sozinhos – e quanto bem podemos fazer quando trabalhamos juntos.

Sejamos nós ávidos cientistas políticos ou não, podemos aprender muito da análise de Brown da liderança.

Baixe o ebook: 14 brasileiros que estão colocando o país no mapa do empreendedorismo social

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo