Jim McKelvey desmitifica seis ‘verdades de ouro’ do empreendedor

‘Não acredito em invenção, sempre suponho que uma tecnologia já existe', diz o cofundador da startup de pagamentos Square, uma das mais dinâmicas do Vale do Silício

Rafael Carvalho, do , em 09.11.2015
Jim Mckelvey palestrando [_@openspace_]

“Inovação e criatividade significa fazer as coisas de modo diferente, o que nem sempre é algo confortável”, explica Jim McKelvey. De personalidade excêntrica e cheio de energia, ele é um dos empreendedores mais respeitados do Vale do Silício além de premiado artista de esculturas em vidro.

Ele está por trás de startups como a Square, de pagamentos mobile, a Launchcode, que ensina programação gratuitamente, e a Mira Digital Publishing, empresa que fez emergir Jack Dorsey, o criador do Twitter.

Onde o Vale do Silício errou Nesta segunda-feira (9/11), em participação no evento HSM Management, que contou com a presença do Na Prática, o empreendedor refletiu sobre como a inovação e a criatividade podem ser orientadas para o mercado. Para isso, ele começou questionando seis crenças da cultura empreendedora que surgiu no Vale do Silício e se espalhou entre diversos empresários no mundo todo ao longo das últimas décadas.

A seguir, veja esses seis mitos mais recorrentes sobre atitudes empreendedoras, e veja por que Jim acha que você deveria ser exatamente o oposto do que o Vale do Silício tradicionalmente prega:  

Mito: O empreendedor deve sempre buscar oportunidades
Verdade: O empreendedor deve sempre buscar resolver problemas

O discurso corrente sobre inovação diz que a função do empreendedor é olhar para o futuro, saber o que vai acontecer e agir em cima disso. Assim, o empreendedor deve ter sempre essa visão de longo prazo e buscar as oportunidades que vão surgir. “Todo mundo acha que devemos começar tendo essa visão do que vai acontecer, mas a verdade é que eu nunca fui bom em adivinhar o futuro”, conta Jim. Enquanto as oportunidades estão no futuro, e por isso mesmo são incertas, Jim enxerga prefere olhar para o presente.

Assim, troca a máxima por outra, mais urgente: resolva problemas. Quando começou a Square, startup que revolucionou serviços financeiros nos EUA, Jim pensava em resolver o problema de um amigo que tinha dificuldade de acesso a crédito. “Eu não estava pensando em algo revolucionário, estava pensando no meu amigo Bob.”

Mito: O empreendedor deve oferecer grandes produtos
Verdade: O empreendedor ter um produto bom o suficiente e melhorar rápido

Pensando que o empreendedor deve estar sempre focado em melhorar, surge a noção de que o produto não deve ser oferecido para o mercado até que esteja perfeito. Só assim, com um ‘grande produto’, será possível fazer uma empresa estourar. Jim, quando foi mostrar o seu produto a Steve Jobs, acabou passando tanto tempo aprimorando o design de seu leitor de cartão para chegar a um ‘grande produto’ que acabou atrapalhando o próprio funcionamento do aparelho. A lição foi aprendida: “Deixe o mundo reagir ao seu produto primeiro, e assim você passará por um ciclo rápido de aprimoração”. No final das contas, empreendeder não é sobre perfeição.

Mito: O empreendedor deve inventar algo
Verdade: O empreendedor deve aproveitar a tecnologia

Para ser um ‘grande produto’, não basta ser só perfeito, deve ser também inovador. Realmente inovador. Inventado, não copiado. “Mas eu não acredito em invenção. Invenção é sempre meu último recurso”, ele explica. “Sempre suponho que a tecnologia que eu preciso já existe”, completa. O conselho de Jim é: aproveite o que já existe. Segundo ele, a tecnologia existente hoje é capaz de ser utilizada de diversas maneiras inusitadas e inovadoras para fazer o que o empreendedor precisa. Somente se você se deparar com algo que realmente não pode ser feito, daí a invenção é o caminho.

Mito: O empreendedor deve trabalhar super rápido
Verdade: O empreendedor deve saber o timing certo

Atualmente, tudo deve ser feito em tempo de internet ou seja, na velocidade de nanossegundos. Qualquer respiro é uma perda de tempo que vai te impedir de chegar com a ‘next big idea’ antes de seus competidores. Pelo menos parece ser esse o clima no agitado e caótico universo do empreendedorismo tecnológico! Para Jim, tudo isso é bobagem. Ele usa o exemplo das redes sociais: a primeira não foi a que estourou. Assim, saber o “quando” e tão importante quanto o “como”. Fazer a coisa certa na hora errada não traz bons resultados.

Mito: O empreendedor deve estudar grandes líderes
Verdade: O empreendedor deve questionar grandes líderes

Quando Jim ouviu de um colega dinamarquês que, em seu país as teorias de Jack Welch não funcionavam, ele se deu conta: mesmo o aprendizado dos maiores líderes está preso a realidade de suas épocas e de suas empresas sem contar o fator sorte, que está por trás de muitas boas decisões. Assim, a mesma fórmula que deu certo para os maiores empresários não vai poder ser replicada para resolver os problemas do seu negócio… Mesmo se forem as lições do ex-CEO da GE, eleito melhor executivo do século. Ouça o que os grandes executivos têm a dizer, mas não hesite em tomar o caminho contrário.  

Mito: O empreendedor deve ser ousado
Verdade: O empreendedor deve ser perseverante

Sabe aquela ideia de que o empreendedor é aquele cara que quem tem algo a mais, algo especial? Alguém ousado, que tem apetite para tomar altos riscos e apostar no que ninguém mais teve coragem? Para Jim, nem todo empreendedor é assim. “Eu já abri seis empresas, e cinco se deram bem”, ele conta. “Por mais vezes que eu tenha acertado, eu sempre volto a essa mesma sensação, que é basicamente medo”. O que importa aqui é continuar em frente, apesar do medo e dos obstáculos. É essa perseverança que determinará o quão longe você vai chegar e não a ousadia do seu primeiro passo.