Um Projeto: Fundação Estudar
Programa de aceleração do BrazilLAB

Programa de aceleração de startups dá 250 mil reais e viagem para Vale do Silício

Por Suria Barbosa

BrazilLAB, hub que conecta empreendedores ao governo, busca soluções em áreas de interesse do setor público. Qualquer startup com foco em um dos temas pode participar. Além de investimento, recebem apoio na implementação.

O BrazilLAB, hub que conecta empreendedores com o poder público, lança a quarta edição do seu Programa de Aceleração. Com objetivo de fomentar uma cultura de inovação no governo, seleciona ideias que ajudem a solucionar problemas reais (que recebem investimento de 50 a 200 mil reais) e dá suporte na implementação no setor público. O objetivo da iniciativa é ampliar conexão entre soluções e o governo.

Qualquer startup que atue em relação a um dos desafios propostos pode participar a partir da inscrição, a ser realizada pelo site do BrazilLAB até 18 de novembro. Após período de aplicação, 25 finalistas serão anunciadas em 18 de dezembro. A quarta edição do Programa de Aceleração do BrazilLAB tem início, efetivamente, em 10 de dezembro.

Como funciona o Programa de Aceleração do BrazilLAB

Ao longo de quatro meses de programa, as startups selecionadas participarão de capacitações sobre como vender para governos, webinários, mentorias com especialistas, além de poderem se conectar com gestores públicos de mais de 30 municípios parceiros da organização.

Cursos da Fundação Estudar

Após o DemoDay, evento que finaliza o Programa de Aceleração do BrazilLAB, três startups sairão vencedoras, recebendo assessoria jurídica de participação em eventos de inovação em governo. O grande vencedor ainda leva um contrato de investimento de até 250 mil reais e uma viagem ao Vale do Silício.

Leia também: Cidades inteligentes: quais os bloqueios do Brasil para desenvolvê-las?

Categorias

Neste ano, o programa procura startups com soluções tecnológicas voltadas para três frentes:

  • Smart cities e urban techs: melhorias no funcionamento das cidades, a exemplo da mobilidade;
  • Eficiência na gestão pública: automatização e transparência de processos e
  • Habilidades na sociedade 5.0: educação empreendedora, com foco em projetos que fomentem competências socioemocionais e formação tecnológica e de programação para as próximas gerações.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo