Um Projeto: Fundação Estudar
silhueta de executivo em preto e branco

Headhunter explica o que fazer para impressionar recrutadores do mercado financeiro

Por Ana Pinho

Headhunter especializado em recrutar altos executivos para o mercado financeiro, André Abram aponta papeis e habilidades mais promissores e avisa aos jovens: "É hora de orgulho pequeno e entrega grande"

Trabalhar no mercado financeiro é o sonho de muitos jovens – e uma das trilhas profissionais mais disputadas entre egressos de cursos como Engenharia e Administração.

Por isso mesmo o setor, responsável por financiar grande parte das atividades econômicas do país, possui processos seletivos bastante concorridos.

Dentro da Egon Zehnder, a maior firma de headhunting do mundo, André Abram – que também é integrante da rede Líderes Estudar – está acostumado a ver executivos com currículos extensos e anos de experiência. Aqueles que chamam mais a atenção dele, no entanto, são os que têm histórias de transformação – e sabem contar como se envolveram com elas.

No mundo do headhunting – termo normalmente associado ao recrutamento das posições “C level” (CEO, CFO, CMO, e outros cargos de alta liderança) – André se especializou em recrutar talentos para o mercado financeiro como presidentes, vice-presidentes e diretores.

Mesmo lidando diariamente com profissionais de nível bastante sênior, ele acredita que é possível começar a montar sua própria “coletânea de transformações” desde cedo. “Há fortalezas que podem ser desenvolvidas em qualquer idade”, explica.

Quer trabalhar no setor financeiro? Participe do curso Carreira Na Prática Mercado Financeiro e conheça esse mercado!

Construindo a trajetória

Para além das habilidades tradicionais valorizadas nos aspirantes a ingressar no mercado financeiro (capacidade analítica, saber lidar com pressão e estar disposto a trabalhar longas horas) o headhunter  aconselha a construção de uma trajetória de carreira que também traga à tona outras capacidades. 

Entre elas está a capacidade de fazer as coisas acontecerem e agir como dono do problema. No jargão dos recrutadores, o famoso “sentimento de dono”.

Ele frisa que este comportamento não tem nada a ver com arrogância, e sim com enxergar além de sua própria área e trabalhar para encontrar soluções que melhorem a empresa como um todo.

Leia também: As máquinas estão chegando: como se preparar para um novo mercado financeiro

Habilidades valorizadas

A curiosidade também é um dos pontos mais importantes. “Se você não está curioso para saber o que está acontecendo com você, com o mercado, com os competidores ou com outras áreas, não chega lá”, diz.

De acordo com ele, essa habilidade pode ser desenvolvida assim que você quiser, e ainda ajuda a afinar uma série de outras competências.

“Seja lá qual for o projeto – profissional, universitário, pessoal –, a pessoa pode conseguir fugir de seu escopo e ver como outras pessoas, setores e universidades fizeram coisas parecidas”, explica.


André Abram [divulgação]
[André Abram / Divulgação]


Uma vez com o projeto redondo em mãos, é hora de testar sua resiliência e aprimorá-lo ainda mais. “Quando achar que está muito bom, chame a pessoa mais crítica para marretar este projeto”, aconselha. “Está em nosso controle desenvolver a humildade e a autoconfiança de falar: ‘Adoraria que alguém encontrasse dez defeitos aqui’.”

Para André, ter uma curiosidade extrema a ponto de querer ser provado errado é o que determina o sucesso na juventude. “E é maravilhoso trabalhar isso nessa idade, porque tem um elemento emocional muito forte e fica difícil desenvolvê-lo mais tarde.”

Currículo básico

Para quem quer uma carreira longeva no setor financeiro, ter uma base forte também é fundamental. E isso envolve a escolha de onde começar a carreira.

“Trabalhar em empresas de auditoria, consultoria de finanças, bancos de investimento ou áreas de crédito, por exemplo, ensinam muito sobre as áreas core e servem como uma primeira fase para a trajetória profissional”, diz ele.

Outra boa ideia para arredondar o perfil é participar da construção de um projeto, como uma nova unidade ou um novo negócio.

Assim é possível ver o progresso de dentro ao longo de todas as etapas, da implementação da tecnologia ao back office e às estratégias de go to market, como é chamada a estratégia de entrar de forma competitiva em um mercado.

“Participar desse tipo de projeto te ajuda a ter uma visão abrangente e te prepara para uma nova fase na carreira”, aconselha.

Baixe o ebook: 8 Áreas Do Mercado Financeiro: Qual É Para Você?

Um jovem que conseguiu vivenciar essas bases da profissão acaba naturalmente mais curioso, com mais ideias, mais provocações e mais valor a agregar para as empresas do mercado financeiro.

Quando questionado sobre o que fazer desde já para chamar a atenção do mercado, André lista três tendências de recrutamento para posições de liderança. Apesar do mercado financeiro ser sua área de expertise, as dicas não se aplicam somente a este setor.

1. Novos papeis em indústrias estabelecidas

Seja num grande banco ou numa organização de bens de consumo, novos papeis estão surgindo o tempo todo. Indivíduos capazes de trabalhar com Big Data ou tratar de canais digitais, assim como gestão de risco e o chamado orçamento “base zero” (uma abordagem nova e alternativa à orçamentação tradicional), por exemplo, têm cada vez mais demanda.

2. Habilidade para mudanças

“A transformação agora precisa ser muito mais rápida, independente do setor”, conta.

Logo, é importante demonstrar que não só você é capaz de assumir desafios transacionais, como já o fez! Isso significa conseguir mostrar que, ao longo da sua trajetória acadêmica e profissional, você conseguiu levar algo do ponto A ao ponto B.

“Para fazer uma organização inteira mudar, é preciso ter um agente de mudança que consiga transpassar diversos níveis.”

Inscreva-se no curso por e-mail: Como Iniciar A Carreira No Mercado Financeiro

3. Turnaround

Postos consultivos com viés de transformação estão em franca ascensão. “É o papel de turnaround em gestões operacionais”, resume ele, fazendo referência ao processo de mudanças radicais dentro de uma empresa, com o objetivo de atingir resultados ainda melhores.

Ou seja, serão valorizados profissionais capazes de dar consultoria e ajudar as empresas a passarem por essa transformação.

Participar desse tipo de empreitada é uma ótima oportunidade para quem está no começo da carreira aprender muito – e de maneira intensa – sobre diversas áreas.

Transformação é chave

De volta ao ponto inicial, André enfatiza a importância de dar tudo de si na juventude. “É uma fase da vida em que você precisa demonstrar que é capaz”, conta. “Orgulho pequeno e entrega grande são sempre melhores que o contrário.”

Seu conselho final é que vale a pena insistir um pouco mais, mesmo que o lugar não seja perfeito, se isso lhe der a oportunidade de crescer. 

“É importante ter flexibilidade e ir onde há uma grande história para contar”, conclui. “Se te deram os limões, faça a limonada e esqueça que a fruta é meio ardida – isso é um mindset muito valioso e que faz um bom executivo.”

Leia também: Mercado Financeiro: 8 livros para quem quer alavancar a carreira

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo