Um Projeto: Fundação Estudar
Funcionários do Google seguem metodologia para aprender com os erros

Conheça a técnica oficial do Google para lidar com os erros, que favorece aprendizado e colaboração

Por Suria Barbosa

Sabendo que falhas são acontecimentos frequentes no ambiente de trabalho, o Google definiu um processo para lidar com eles. A metodologia “postmortem” promove compreensão coletiva para evitar reincidência. Baixe um template!

Aprender com os erros em vez de se prender aos seus efeitos negativos. É um conselho que todos ouvem em algum ponto da vida – e uma abordagem que sempre se prova positiva. Quando as falhas são vistas apenas como fatos inconvenientes, perde-se seu maior benefício, que é o aprendizado. No ambiente de trabalho, vale o mesmo. E o Google, uma das empresas mais influentes atualmente, prova isso.

Leia também: Gestão horizontal – como funciona o método organizacional que Google e Netflix adotam

A gigante de tecnologia tem um processo próprio para registrar e aprender com os erros, que descreveu no re:Work, site próprio especializado em assuntos ligados ao ambiente de trabalho. O método, chamado “postmortem”, existe para garantir que haja reflexão sobre as falhas mais importantes.

“Se não forem controlados, os incidentes podem se multiplicar em complexidade ou até cascatear, sobrecarregando um sistema e seus operadores e, por fim, impactando nossos usuários. É por isso que usamos o ‘postmortem’ para documentar cuidadosamente e disseminar o aprendizado.”

Como aprender com os erros, de acordo com o Google

1. Definir critérios: nem tudo precisa de um “postmortem”

Incidentes acontecem com bastante frequência, por isso os times do Google definem parâmetros para o que precisa, realmente, de reflexão.

Para eles, os “cenários postmortem” incluem falhas que impactam a integridade dos dados, soluções lentas para os consumidores e lapsos na detecção de erros.

Embora nossa equipe tenha usado o ‘postmortem’ principalmente para entender problemas de engenharia, as organizações de todos os lugares – técnicas e não-técnicas – podem se beneficiar do processo como uma ferramenta de análise crítica”, diz o texto.

2. Documentar (em conjunto)

O segundo passo é trabalhar em equipe para criar um registro descrevendo o que aconteceu, por quê, impacto, resoluções. E, principalmente, o que será feito para prevenir o mesmo erro no futuro.

“Em equipe” é um ponto importante: garante que todos tenham oportunidade de aprender com cada incidente.

Lições do “postmortem”

O processo do Google de aprender com os erros funciona tão bem que o time detecta benefícios valiosos.

  • Encoraja feedback construtivo e “sem culpa”

“Remover a culpa de um post-mortem pode permitir que os membros da equipe sintam maior segurança psicológica em investigar os problemas sem medo.”

  • Concentra o foco em melhoria e resiliência

Centrar-se na importância do aperfeiçoamento e da aprendizagem pode reposicionar o fracasso como uma oportunidade de crescimento e desenvolvimento, e não como um retrocesso.

  • Promove um processo colaborativo

“A colaboração em tempo real e um sistema aberto de comentários podem permitir a coleta rápida de dados, idéias e soluções.”

Crie o seu processo! Com a ajuda do Google…

Quanto mais sua equipe consegue focar no aprendizado a partir de uma falha, mais proveito se tira dela. Para começar, o Google disponibilizou um template para download, que pode ser customizado para a necessidade da sua companhia ou time. Baixe aqui.

 

Dica do Na Prática:

A forma como você lida com os desafios é o grande diferencial da sua carreira. E o que mais faz diferença nessas horas são seu valores pessoais. Para te ajudar a desenvolver esse seu lado, a Fundação Estudar criou o Liderança Na Prática, um curso de quatro dias que te ensina na prática valores de autoliderança. Inscreva-se agora com 10% de desconto usando o cupom LIDE-10. É só clicar aqui!

 

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo