Um Projeto: Fundação Estudar
Mesa com celulares, laptops e tablets

Confira as ferramentas e apps favoritos de 5 empreendedores brasileiros

Por Rafael Carvalho

Os jovens por trás de cinco startups bem sucedidas – Dog Hero, Ingresse, Voxus, ProntoChef e contratado.me – contam o que usam para trabalhar e dão dicas de leitura

Seja para acompanhar a produtividade da equipe, gerenciar tarefas, analisar dados ou mesmo ir para casa pelo menor preço, a tecnologia está aí para facilitar o dia a dia do empreendedor.

Como o número de ofertas tecnológicas não pára de crescer e às vezes o excesso de ofertas causa certa confusão, o Na Prática consultou cinco empreendedores que integram a rede de bolsistas da Fundação Estudar para saber quais são seus aplicativos e ferramentas prediletos. 

Quer saber o que eles usam, assistem e leem – além de Ben Horowitz, autor de O lado difícil das situações difíceis citado por todos? Confira!

1. Eduardo Baer, da Dog Hero
Cofundador da Dog Hero, Eduardo Baer startup fundada em 2014 funciona como um Airbnb para animais – e arrecadou R$ 12 milhões em sua última rodada de investimentos.

Aplicativos: Trello para ajudar na organização do time, Todoist para controle de tarefas e to dos, Gmail pelo melhor serviço de email e Slack para comunicação entre o time.

Ferramentas: Iugu para recebimento de pagamentos, Fabric.io para controle de estabilidade/crashes do aplicativo e Diligence, ferramenta de analytics do socialcapital.com, para contabilidade de crescimento.

Referências: A16Z.com (do empreendedor Ben Horowitz) e os autores Eric Ries, Steve Blank e Irv Grousbeck – principalmente sua palestra “Risk, Reward & Entrepreneurs Path”.

2. Anderson Ferminiano, da Voxus
Aos 22 anos, Anderson tem centenas de ecommerces brasileiros como clientes em sua empresa de marketing digital, que mistura análise de dados e publicidade.

Aplicativos: Slack é ótimo pra conversar com o time e organizar as conversas em tópicos e grupos de pessoas (mini times) e o Zendesk para responder dúvidas de clientes e entender como está indo o trabalho de atendimento.

Ferramentas: Hoje temos diversas ferramentas de analytics pra entender a empresa e comportamento de pessoas em tempo real, uma vez que processamos muitos dados. O principal é o Loggly, que permite que a gente organize de forma bem simples quase qualquer dado em formato de timeline com agrupamentos por infinitas variáveis. Conseguimos saber se ocorreu algum problema em poucos minutos e resolver também com os alertas que temos configurados.

Referências: Sobre startups e negócios: “Feitas para durar” de Jim Collins, “Dobre seus lucros” de Bob Fifer, “Predictable Revenue” de Aaron Ross e Marylou Tyler, que é muito bom para novos CEOs ou vendedores, e “O lado difícil das situações difíceis” de Ben Horowitz, ótimo para novos CEOs.

Além disso, costumo ler biografias e assistir filmes e documentários sobre muita gente no tempo livre. Alguns livros legais relacionados são “No Better Time“, de Molly Knight Raskin, sobre a vida do fundador da Akamai, Danny Lewin, e “Moneyball: O Homem que Mudou o Jogo”, de Michael Lewis.

3. Gabriel Benarrós, do Ingresse
Gabriel é o amazonense que foi para a Universidade Stanford e fundou a Ingresse quando ainda estava por lá. Em 2016, estima-se que a plataforma vá movimentar cerca de R$ 150 milhões.

Aplicativos: A versão corporativa do Uber é uma excelente ferramenta. Alguns calendários são bastante úteis e hoje acredito que o Google Calendar é o melhor (tem também o Fantastical). O Inbox app do Google também é um bom app de email que já sugere, através de interpretação semântica, as respostas dos emails.

Ferramentas: Minha principal sugestão que alguns não devem conhecer é o Zoom, que torna as vídeos e teleconferências mais simples e estáveis. Oferece uma solução simples e funcional que combina vídeo, web, app e dial-ins.

Referências: Os dois livros que mais me influenciaram foram: “O lado difícil das situações difíceis de Ben Horowitz” e “Reinvente sua empresa” de Jason Fried. Fiquem ligados nos blogs Both sides of the table, do Mark Suster, Thomas Tungunz, Platform Thinking, do Sangeet Paul Choudary, e no Medium em geral. A melhor fonte de conhecimento de dúvidas é o Quora.com – que é surpreendentemente pouco usado.

4. Lucas Mendes, do contratado.me
A plataforma de emprego criada por Lucas seleciona o top 5% dos profissionais inscritos e busca os melhores talentos de tecnologia e negócios do país. O crivo atraiu grandes clientes, como 99taxi, UOL e Monsanto.

Aplicativos: Slack, uma plataforma de comunicação para times que usamos na Contratado.me e que é muito fácil de usar e integrar com muitos outros aplicativos. Youcanbook.me permite que você crie um calendário público, deixando muito mais fácil para pessoas agendarem compromissos com você – só nos horários que você pode.

Ferramentas: Trello, gratuito, é para organização de tarefas e projetos. Uso muito para acompanhar o andamento do trabalho das minhas equipes, além de organizar meus próprios to dos. Pivotal Tracker é um gerenciador de tarefas mais sofisticado, que permite que você alinhe as prioridades da sua equipe com as métricas chave da organização.

Referências: “Rápido e devagar: duas formas de pensar”, de Daniel Kahneman, é um livro de psicologia comportamental que oferece insights muito bons sobre como a nossa cabeça funciona e sobre como às vezes somos vítimas do nosso próprio cérebro. “Previsivelmente irracional”, de Dan Ariely, também é sobre psicologia comportamental e mostra como muitas vezes a gente se engana com a nossa própria cabeça.

“Do sonho à realização em 4 passos” de Steve Blank é indispensável pra quem quer empreender. Pra quem gostou de “A Startup Enxuta”, de Eric Ries, é uma versão mais detalhada e estruturada. “O lado difícil das situações difíceis”, de Ben Horowitz: empreender é feito de altos e baixos e esse aqui é ótimo para as horas de baixos. O Ben Horowitz, cofundador do Netscape e da Andreesen Horowitz, conta as partes mais difíceis do percurso dele.

5. Karina Hirai, do ProntoChef
CEO da startup que entrega kits de refeições semanais fundada em 2015, Karina trabalhou por cinco anos como consulta da McKinsey e obteve seu MBA em Kellogg School of Management, na Universidade Northwestern

Aplicativos: Somente aplicativos relacionados a social media, como Instagram, Facebook, FB Pages (que me ajuda a gerenciar mensagens e anúncios no Facebook) e Google Analytics, que monitora acessos ao site e suas origens.
Ferramentas: Para minha startup, ter uma plataforma robusta e customizada era super importante – temos um backoffie para gerenciar clientes, entregas, pagamentos, conteúdo do site, receitas etc.

Baixe aqui o ebook: 14 brasileiros que estão colocando o Brasil no mapa do empreendedorismo

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo