Um Projeto: Fundação Estudar
Ambiente de trabalho de bolsa de valores

Entenda a certificação CGA para gestores do mercado financeiro

Por Rafael Carvalho

Pablo Camargo, sócio-gerente na FK Partners, explica melhor como funciona o trabalho de um gestor de 'asset management' e qual a importância do CGA para esse profissional

Já imaginou ganhar a vida como um operador do mercado financeiro? De um lado, clássicos do cinema como Wall Street deram um empurrão na vontade de seguir esse caminho e um certo glamour à profissão.

Por outro, os problemas com as hipotecas nos EUA em 2008 fizeram que desde então o trabalho de qualquer pessoa relacionada ao mercado financeiro fosse a profissão mais mal vista pela sociedade – pelo menos é o que apontam pesquisas realizadas em diversos países.

Mercado financeiro ou mercado de capitais é o conjunto de entidades que interagem entre si movimentando o dinheiro entre poupadores e tomadores de recurso. Essa definição é muito parecida com o dia a dia de qualquer pessoa que entra num banco para pegar um empréstimo.

Mas, enquanto no caso da pessoa que vai ao banco estamos tratando de prazos, montantes e complexidades baixas, os players do mercado financeiro (empresas, bancos, corretoras e fundos de investimento) lidam com volumes, prazos e complexidades bem maiores. A essência das operações, no entanto, é a mesma.

INSCREVA-SE NO NOSSO CURSO POR EMAIL:
COMO COMEÇAR A CARREIRA NO MERCADO FINANCEIRO

Asset Management

Dentro desse ecossistema, existe a figura dos asset managers. O que isso signifca? Uma Asset Management é uma empresa que faz a gestão de recursos de terceiros. Ela pode estar ligada a um grande grupo financeiro, ou ser uma gestora independente, e faz a gestão do dinheiro de seus clientes.

Acontece que os investidores, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, têm suas preferências de retorno e de riscos que estão dispostos a correr. Por essa razão, cada gestora oferece uma enorme gama de fundos de investimentos que vão de encontro a essas preferências de risco e retorno.

O trabalho de um gestor dentro de uma Asset é o de aplicar o dinheiro dos clientes com a maior diligência possível. Diariamente somos inundados por uma grande quantidade de informações que fazem com que fatores como preço dos ativos e valor de uma ação oscilem para cima ou para baixo.

O trabalho de um gestor é o de servir como um filtro dessas informações, agrupando as mais relevantes e realizando operações de compra e venda de ativos de acordo com a maneira que ele interpreta essas informações.

A periodicidade e o tamanho das operações variam de acordo com os riscos que o fundo pode correr, determinado por sua política de investimentos. O gestor deve maximizar o lucro das operações, mas sempre respeitando essas políticas.

Leia também: O trabalho de gerir recursos e assessorar empresas no Pátria Investimentos

Certificações

Como esse trabalho envolve uma enorme responsabilidade, a ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), órgão de representação e auto regulação do mercado, criou a certificação CGA – Certificado de Gestores ANBIMA. Essa certificação tem como objetivo certificar o conhecimento por parte dos gestores de uma grande gama de produtos e ferramentas necessárias para a boa execução de sua função.

Dividida em dois módulos com 60 questões cada, a certificação ocorre quatro vezes ao ano, normalmente nos meses de abril, junho, outubro e dezembro. Para passar no exame, que é a etapa mais importante na obtenção do certificado, o candidato deve ter um acerto mínimo de 70% em cada um dos módulos.

Caso o candidato consiga a nota mínima em um módulo e não no outro, ele tem até um ano para realizar apenas o módulo restante. Cada módulo tem três horas de duração. O primeiro acontece na parte da manhã e o segundo na parte da tarde.

Leia também: Por que e para que surgiram as certificações financeiras?

Detalhes do exame

No primeiro módulo, matérias de ferramentas para o mercado (métodos quantitativos, economia, análise de balanços, entre outros) são intercalados com a teoria sobre os mercados de renda fixa, renda variável e derivativos.

Por último, também são abordadas questões de ética e legislação dos fundos brasileiros. Em geral esse primeiro módulo é focado em matérias mais objetivas, com a intenção de testar o conhecimento do candidato sobre os principais produtos do mercado brasileiro.

O segundo módulo tem um grau maior de subjetividade nas respostas. Nessa etapa, a maioria das matérias trata de teorias como gestão de carteiras de renda fixa, gestão de renda variável, teoria de carteiras, modelos de precificação e gestão de risco e desempenho.

A prova cumpre muito bem o seu papel de cobrar dos candidatos uma visão geral dos produtos, leis e teorias que envolvem o processo de tomada de decisões. Atualmente, menos de 600 pessoas possuem a certificação, de modo que representa um diferencial necessário para os novos gestores.

Pablo Camargo, CFA é sócio-gerente na FK Partners, empresa de treinamentos em certificações financeiras que oferece cursos presenciais e online, além de cursos customizados na área de finanças e apoio aos estudantes que desejam estudar no exterior. Trabalhou anteriormente como Portfolio Manager e Trader de grandes instituições brasileiras e estrangeiras.

Esta reportagem faz parte da seção Explore, que reúne uma série de conteúdos exclusivos sobre carreira em negócios. Nela, explicamos como funciona, como é na prática e como entrar em diversas indústrias e funções. Nosso objetivo é te dar algumas coordenadas para você ter uma ideia mais real do que vai encontrar no dia a dia de trabalho em diferentes setores e áreas de atuação.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo