Um Projeto: Fundação Estudar
ecossistema empreendedor

Você já ouviu falar em ecossistema empreendedor? Entenda o termo!

Por Por Portal DRAFT

Saiba por que o mercado empresta da biologia o termo "ecossistema" para descrever uma situação atual que beneficia para o empreendedorismo e para quê, afinal, serve o conceito.

O portal DRAFT continua a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

Ecossistema empreendedor

O que acham que é:

Empreendedorismo na área da Biologia.

O que realmente é:

Ecossistema Empreendedor (ou de Inovação) é o ambiente, formado pelos mais diversos stakeholders do empreendedorismo, no qual há interconexão, extinção de hierarquia (equilíbrio) e dinamismo. Aqui, iniciativas de apoio ao empreendedorismo são tomadas, necessariamente, em rede.

O conceito não empresta o termo da Biologia à toa: parte-se do pressuposto de que, assim como acontece entre as espécies, no empreendedorismo também precisa-se do outro para sobreviver. O meio ambiente do Ecossistema Empreendedor é composto por empresas, governo, instituições de pesquisa e ensino, incubadoras, aceleradoras, associações de classe e prestadores de serviço e, claro, empreendedores.

De acordo com Rene José Rodrigues Fernandes, professor e gerente de projetos do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getulio Vargas (FGV-CENN), no Ecossistema Empreendedor a inovação e o empreendedorismo são vistos como um processo dinâmico, no qual o conhecimento é acumulado por meio do aprendizado e da interação entre os stakeholders. “Esta abordagem enfatiza a importância da transferência e da difusão de ideias, experiências e informações.”

Fernandes diz, ainda, que o Ecossistema Empreendedor — que pode também ser chamado simplesmente de “sistema” — difere dos conceitos de cluster, indústria ou segmento de mercado; o primeiro, é heterogêneo e abarca o todo; o segundo, trata de conjuntos de organizações com características semelhantes. Aqui também distinguem-se as formas de uso da hierarquia. “O Ecossistema de Inovação possui governança multinível por princípio, ou seja, os atores estatais, empresariais e outras instituições devem cooperar, competir e interagir com interdependência, sem hierarquização.”

Quem inventou:

Segundo Marcelo Nakagawa, diretor de empreendedorismo da FIAP, a importância de um sistema que incentive o meio empreendedor existe desde a origem do empreendedorismo moderno. “Isso, pela publicação de trabalhos do economista e cientista político austro-americano Joseph Schumpeter, especialmente o livro The Theory of Economic Development. Atualmente, a principal referência sobre Ecossistema Empreendedor é o professor Daniel Isenberg, da Babson College”, diz.

Fernandes cita o texto The Big Idea: How to Start an Entrepreneurial Revolution, no qual Isenberg faz nove recomendações para formuladores de políticas públicas e para outros atores sobre como criar um Ecossistema que favoreça a atividade empreendedora.

Quando foi inventado:

O livro de Joseph Shumpeter é de 1934. Nakagawa diz que, de lá para cá, diversos autores defenderam e propuseram ideias para a criação de sistemas de empreendedorismo. “A partir da década de 1970, alguns autores passaram utilizar o termo Ecossistema Empreendedor, que ganhou destaque durante a primeira bolha das empresas pontocom, no final da década de 1990.” O texto de Isenberg é de 2010.

Para que serve:

Para entender quem são os players, seu papéis, suas interações e os resultados na criação de novos negócios com maior potencial de sucesso. “A partir disso, é possível planejar melhores políticas públicas, interações entre os elos e, no final, melhores empreendedores e negócios”, diz Nakagawa.

Quem usa:

Principalmente formuladores de políticas públicas (países, estados, regiões, cidades e até bairros), interessados em desenvolvimento econômico, social e tecnológico. Cidades como Belo Horizonte (com o San Pedro Valley) e Santa Rita do Sapucaí, também em Minas, usam o termo para identificar e fortalecer as relações entre os stakeholders do empreendedorismo.

Nakagawa conta que, mais recentemente, empresas passaram a se interessar em incentivar ecossistemas empreendedores com determinado tipo de atuação. “E os próprios empreendedores passaram a valorizar a participação ativa, pois enxergaram oportunidades de crescimento e investimentos.”

Efeitos colaterais:

Mal uso do conceito pelo uso de uma visão macro do sistema. “A noção de Ecossistema não pode perder de vista os subsistemas contidos em si e as relações entre esses subsistemas, negligenciando recortes”, diz Fernandes. Nakagawa afirma que há possibilidade de surgimento de elos que formem iniciativas cartelizadas: “Isso traria efeitos negativos a curto prazo, mas a médio e longo prazo, a tendência é que os lados se equilibrem novamente”.

Quem é contra:

Nenhum dos dois entrevistados acredita haver quem seja contra.

Para saber mais:

  1. Leia, na Forbes, o texto Introducing the Entrepreneurship Ecosystem: Four Defining Characteristics, em que Daniel Isenberg responde à pergunta: “O que é exatamente esse Ecossistema Empreendedor que está fazendo tanto barulho ultimamente?”.
  2. Leia, na Pequenas Empresas & Grandes Negócios8 Passos para Desenvolver o Ecossistema de Startups, texto de Felipe Matos.
  3. Leia, na SalonWhat Makes an Entrepreneurial Ecosystem?. O texto começa dizendo que o Ecossistema Empreendedor está virando um clichê e segue com críticas e observações.
  4. Leia, no Financial TimesSão Paulo: the biggest, strongest start-up ecosystem in Brazil, sobre como a capital paulista abriga tanto iniciantes como empreendedores bem sucedidos.

 

 

 

Este artigo foi originalmente publicado em DRAFT

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo