Um Projeto: Fundação Estudar
Jovem farmacêutica

Do curso de Farmácia a uma carreira em empreendedorismo

Por Rafael Carvalho

Formada em Farmácia, Juliana Saldanha se encontrou profissionalmente como sócia-fundadora de uma aceleradora de startups

O fim de um curso de graduação gera diversas dúvidas nas cabeças dos jovens. Mas nem sempre o caminho profissional está nas possibilidades oferecidas naquela área. Sempre é tempo de recomeçar e aprender, como nos exemplifica Juliana Saldanha. Ao terminar o curso de graduação em Farmácia, optou pelo empreendedorismo, trabalha com marketing e hoje é sócia-fundadora da Techmall, aceleradora de startups localizada em Belo Horizonte.

Depois de cinco anos e meio mergulhada nos processos produtivos de medicamentos, cosméticos e produtos de higiene pessoal, Juliana, como ela mesmo diz, estava no local certo e na hora certa, e começou a trabalhar na Inova (incubadora de empresas da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG).

Conheça o Imersão, programa de decisão e preparação de carreira do Na Prática

Foi lá que conheceu o universo do empreendedorismo e passou a desempenhar funções na área de marketing. Dessa etapa para montar sua própria startup não demorou muito, mas o resultado não foi dos melhores. “Nossa ideia era conectar as pessoas que queriam doar produtos que não usam mais com aquelas que poderiam ter interesse naqueles produtos. Mas não pesquisamos se as pessoas queriam aquela solução que oferecíamos, estávamos viciadas naquele produto sem entender as reais necessidades dos clientes”, explica Juliana.

Empreendedorismo: aprendizados na prática

Os erros do primeiro negócio foram assimilados e surgiu a possibilidade de participação na sociedade de uma aceleradora de startups em 2013, a TechMall, que atua no apoio financeiro e estratégico com foco na formatação do negócio para que ele ganhe tração e cresça. Juliana é Diretora de Marketing da Techmall e cuida de toda a parte de comunicação da empresa, como mídia, assessoria e eventos.

“Existem pessoas preparadas que estudaram muito nessa área. Mas eu executo muito bem, o que me dá segurança. Não acho que uma graduação é fundamental para ser bem-sucedido. Vários grandes empreendedores não são formados. Hoje os métodos de ensino são muito unilaterais”, conta.

Mesmo não tendo estudado Marketing em sua graduação, ela sabe que é preciso se atualizar e entender o que de novo tem sido debatido. “Atualmente eu faço uma pós-graduação em Marketing, procuro sempre estar atenta aos sites sobre o assunto. Nas redes sociais também tem muita coisa legal. O marketing tem mudado nos dias de hoje. O relacionamento com o cliente deve ser muito próximo, ele está muito exigente. É preciso explorar cada canal de comunicação corretamente para chegar aos resultados”, acrescenta.

Formação 

Sobre a experiência durante a graduação de Farmácia, Juliana procura sempre observar o lado positivo. “Eu aprendi a ter senso crítico no curso de Farmácia. Temos que aproveitar cada experiência que vamos tendo na nossa vida. Mas uso muito pouco do que aprendi no curso no meu dia a dia. Eu tenho um branco quanto ao conteúdo atualmente. Se precisar de um medicamento, pergunto a uma amiga”, brinca a empresária.

Os debates acadêmicos sobre a possibilidade de se aprender empreendedorismo são longos, com alguns autores dizendo que determinadas características já nascem com as pessoas. Entretanto, Juliana é um exemplo de que é possível desenvolver certas habilidades com a prática.

“Digo que empreendedorismo pode ser ensinado, pois eu mudei muito e aprendi na prática. Meus filhos serão todos empreendedores, digo na mentalidade. Faria toda diferença se as pessoas aprendessem empreendedorismo nas escolas ou universidades. Não estudamos para solucionar problemas, mas para aprender aquilo que dizem ser importante”, analisa.

Leia também: Dez livros que todo empreendedor deve ler

Perguntada sobre o futuro, Juliana parece ter escolhido seu caminho. Já recusou uma proposta de trabalho em uma empresa líder de mercado e quer disseminar essa cultura empreendedora. “Minha meta é disseminar o empreendedorismo. Tenho pavor de quem é acomodado, isso me estressa. Queria que todos fossem empreendedores, quanto mais consigo passar isso para frente, melhor. Fazer o mundo fluir mais dinâmico é algo que me motiva”.

Juliana Saldanha participou do Imersão Empreendedorismo, programa de preparação e decisão de carreira promovido pelo Na Prática. Quer conhecer melhor as oportunidades de carreira que uma trajetória empreendedora apresenta? Saiba mais aqui.


O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo