Um Projeto: Fundação Estudar
várias letrinhas espalhadas na mesa

Marketing de A a Z: veja lista dos principais termos que você precisa saber

Por Rafael Carvalho

Conheça o significado dos termos mais usados no dia a dia de um profissional de marketing em um dicionário exclusivo organizado pelo Na Prática

Quando o quesito é vocabulário, toda profissão tem suas peculiaridades. No marketing não é diferente, e os profissionais da área costumam usar um jargão recheado de siglas e termos em inglês. Para ajudar quem é iniciante nesse mundo, o Na Prática preparou um dicionário com as expressões mais utilizadas pelos profissionais da área e seus respectivos significados. Confira a seguir:

AIDA: cada letra significa uma das etapas de um modelo de conversão: Atenção, Interesse, Desejo e Ação. Ele é baseado no comportamento humano para tomada de decisão e utilizado para direcionar as ações do marketing de maneira mais focada em resultado.

B2B: a expressão business-to-business é a denominação do serviço ou comércio trocado entre empresas, de empresa para empresa.

B2C: a expressão business-to-consumer é a denominação do serviço ou comércio estabelecido entre uma empresa e um consumidor.

Benchmarking: este processo se dá pelo estudo da concorrência e do mercado para incorporação de boas práticas ou aperfeiçoamento dos métodos que são utilizados pela empresa. Você avalia o que está sendo feito de melhor no mercado, tanto pelos seus concorrentes como por empresas de outro setor, como forma de melhorar os seus próprios processos.  

Brainstorming: a “tempestade de ideias” é uma dinâmica de grupo que visa explorar a potencialidade criativa dos indivíduos envolvidos para a resolução de um problema pré-determinado, para a criação de um planejamento ou para o desenvolvimento de novas ideias e projetos, por exemplo. A técnica propõe que as pessoas reunidas exponham seus pensamentos para que possam chegar a um denominador comum. Nenhuma ideia deve ser descartada ou julgada como errada ou absurda e todas devem estar na compilação do processo, para que a solução final seja escolhida.

Branding: é o conjunto de ações estratégicas que contribuem para o posicionamento e percepção de valor da marca de uma empresa perante aos seus consumidores.

Briefing: é o conjunto de informações, dados e instruções necessários para que uma tarefa seja executada. Dentro de uma agência de publicidade, por exemplo, é comum vermos a área de Atendimento, responsável pelo contato com os clientes, enviando briefings para a Criação, que irá desenvolver as peças gráficas da campanha.

Budget: na tradução, o termo significa orçamento. Budget da campanha, da área de marketing ou do cliente são algumas das aplicações que ele pode ter no dia a dia.

Case: é a descrição de um trabalho realizado nas áreas de relações públicas, propaganda, marketing e marketing digital, durante ou após a sua execução. 
É uma análise que inclui pontos positivos, ações feitas, resultados atingidos e avaliação da eficácia das operações.

Co-Branding: é o nome dado para a estratégia de associação de duas grandes marcas para que elas se diferenciem ainda mais frente à concorrência. Um exemplo é a união do Bobs e do Ovomaltine para a produção de um milk shake de leite, cacau e malte.

CRM: é a sigla para Customer Relationship Management (Gestão de Relacionamento com o Cliente), que é o conjunto de programas e ferramentas que permitem que uma empresa acompanhe de forma organizada todas ações que fez com cada um de seus clientes e potenciais consumidores. De modo mais simples, uma CRM permite que todos os contatos feitos com determinada pessoa sejam visualizados de uma vez só.

Deadline: é o prazo para entrega ou conclusão de determinada tarefa ou projeto.

Design Thinking: Abordagem que propõe aplicar ferramentas típicas da criação em design para criação de novos produtos e inovações. Entenda melhor no vídeo abaixo.

Fee:  trata-se de um valor fixo mensal, pré-negociado como pagamento do cliente à agência pelo fornecimento de um pacote mensal de serviços.  

Follow-up: expressão em inglês que significa fazer o acompanhamento de um processo após a execução de uma etapa inicial.  

KPI: o Key Performance Indicator (Indicador Chave de Performance) é usado para medir os resultados e o progresso com base nas metas determinadas. Os KPIs devem ser definidos de acordo com os objetivos finais do negócio, são métricas de controle.

Market Growth Rate: é a Taxa de Crescimento de Mercado que uma empresa teve em um período de tempo.

Market Share: é o grau de participação de uma marca dentro de um mercado específico em termos de vendas de um produto ou serviço. Em ouras palavras, é a fração de mercado controlada por ela.

Proposta de valor: é conjunto de benefícios, tangíveis e intangíveis, que as empresas oferecem aos clientes para satisfazer suas necessidades. É a razão pela qual os consumidores escolhem as suas marcas favoritas.

Prospect: é um possível cliente, que de alguma forma, já demonstrou interesse em determinado produto ou serviço.

ROI: a sigla para Return on Investment (Retorno sobre investimento) é a relação entre o dinheiro ganho ou perdido e o que foi investido nos esforços de marketing.

Segmentação: é a separação de uma base de contatos ou perfis levando em conta um critério pré-definido, por exemplo, a idade ou a profissão.

Target: expressão utilizada para se referir a um público alvo.

Vantagem competitiva: é um conjunto de características que permitem que uma empresa se diferencie da concorrência por entregar mais valor no ponto de vista dos clientes.

Viralizar: termo usado para definir ações de marketing que se espalham rapidamente, geralmente na internet, e caem no gosto popular.

 

O vocabulário do Marketing Digital

O mundo online tem suas especificidades e por isso, os profissionais do marketing digital tem um vocabulário próprio:

Leia também: Como os profissionais de marketing digital podem se reinventar

Adwords: é o serviço de publicidade do Google, onde as empresas podem fazer anúncios que aparecem nas páginas de resultados de busca.

Automação: acontece quando as ações do marketing digital são feitas de forma automática para otimizar o trabalho e permitir maiores resultados em um curto espaço de tempo. O termo é muito utilizado para definir o contexto do disparo de uma sequência de e-mails para um público específico, dependendo do comportamento de cada um.

Black hat: são práticas antiéticas de SEO usadas para melhorar o posicionamento de determinado site dentro de buscadores como o Google.

Conversão: é a realização da ação desejada pela empresa por parte do usuário. Pode ser preencher um formulário, realizar uma compra, curtir uma página ou fazer um teste, por exemplo.

CPC: o custo por clique é uma forma de cobrança de anúncios pagos que são feitos no Google ou no Facebook, por exemplo. Ele é realizado com base no número de cliques efetuados.

CPA: o custo por aquisição também é uma forma de cobrança, porém, é baseada nas conversões realizadas.

CRO: é a sigla para Conversion Rate Optimization (Otimização da taxa de conversão). As estratégias CRO são focadas em aumentar a conversão dentro do site de uma empresa para que os visitantes se tornem clientes.

CTA: a Call To Action, que na tradução literal significaria “chamada para ação”, é um comando passado que leva o usuário a executar determinada ação. Ela pode ser apresentada em botões, links ou banners. Geralmente são usados termos no imperativo como “Curta essa página”, “Clique aqui” ou “Baixe este especial”.

Edge Rank: é um algoritmo do Facebook que determina a relevância das postagens das páginas e consequentemente, o que aparece ou não no feed de notícias de cada usuário da rede. Sua classificação é feita com base em três fatores: formato do post (link, vídeo, imagem ou texto), afinidade (número de interações anteriores com a página), tempo da publicação (quando mais antigos menores são as chances de aparecer).  

Funil de vendas: é representado por uma pirâmide invertida que mostra os diferentes estágios em que os potenciais clientes podem se encontrar durante o processo de venda. Até chegar ao processo de compra, os clientes podem passar pelas seguintes fases do funil: Descoberta, Interesse, Reconhecimento do Problema, Busca da Solução, Avaliação e Compra.

Growth Hacking: ações coordenadas como parte de um esforço coletivo em direção a um único objetivo: crescer — ou, em outras palavras, aumentar números. Isso abre espaço para novas estratégias, metodologias e técnicas. Elas não necessariamente fogem do marketing, mas podem (devem) fugir do tradicionalismo. Assim, consequentemente, growth hacker é o cargo totalmente focado em gerar crescimento rápido na aquisição de clientes. Ele interage com diferentes setores da empresa e faz muitos testes para conseguir aumentar a base de clientes da forma mais efetiva possível.

Inbound Marketing: também conhecido como “o novo marketing”, ele é focado em atrair potenciais clientes, conquistar a sua confiança e direcioná-los para o memento da venda. Para isso são usadas estratégias de criação de conteúdo relevante e de relacionamento. A ideia é conseguir fazer com que o cliente vá até a empresa e não o contrário.

Landing Page: a “página de aterrisagem” pode ser qualquer porta de entrada de um site. No entanto, o termo é geralmente utilizado para definir uma página criada com um propósito específico, como por exemplo, fazer com que o usuário preencha um formulário para ganhar uma recompensa.

Lead: é a pessoa que deixou as suas informações em um formulário de contato, demonstrando interesse em determinada empresa. É considerado um potencial cliente, na etapa inicial do funil de vendas.  

Marketing de conteúdo: é baseado em atrair o interesse dos consumidores por meio da produção de conteúdo relevante e customizado para um determinado público-alvo. É uma das estratégias utilizadas para fazer com que um potencial cliente caminhe pelo funil de vendas até, de fato, concretizar a compra.

Nutrição de Leads: é uma automação que permite o disparo de uma sequência de e-mails depois que o usuário executa determinada ação. Por exemplo, caso ele baixe um Ebook sobre Intercâmbio, irá receber automaticamente uma série de e-mails com conteúdos relacionados ao tema.

Pageviews: é o número de visualizações das páginas de um site.

Remarketing ou retargeting: é a exibição de anúncios em diferentes páginas da web após a visita do usuário a um determinado site. Ao ler a sinopse de um livro, por exemplo, pode ser que depois ele apareça em forma de anúncio no seu Feed de notícias do Facebook.

SEM: sigla para Search Engine Marketing (Marketing para ferramentas de busca), que engloba uma série de estratégias de marketing feitas com o objetivo de promover um site nas páginas de resultados de buscadores como Google e Yahoo.

SEO: sigla para Search Engine Optimization (Otimização para buscadores), é o conjunto de técnicas e métodos que fazem com que um site melhore o seu posicionamento em mecanismos de busca para que alcance a primeira posição nos resultados quando determinada palavra chave é procurada. É uma das estratégias usadas no SEM.

Taxa de conversão: é a porcentagem de clientes que realiza a conversão desejada. Se a taxa de conversão de uma Landing Page for de 80%, significa que de cada 100 pessoas que visitaram a página 80 viraram Leads.

Teste A/B: acontece quando são feitas duas versões diferentes de uma página com o mesmo objetivo para avaliar qual têm um resultado melhor diante dos usuários.

Web Analytics: é a coleta, análise e mensuração dos dados disponibilizados na Internet que tem como objetivo entender e melhorar a usabilidade do usuário e os resultados das ações feitas no site e em outros canais digitais.

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo