Um Projeto: Fundação Estudar
Amy Cuddy fala sobre linguagem corporal

Como linguagem corporal pode ajudar a diminuir a diferença entre gêneros

Por Redação, do Na Prática

Amy Cuddy, psicóloga e professora de Harvard, diz que atos simples podem ser fatores contribuintes para a desigualdade entre os sexos – e podem ajudar a resolver o problema

Por Gabriel Vinholi

De acordo com Amy Cuddy, uma psicóloga e pesquisadora da Harvard University e autora do bestseller O Poder Da Presença, meninos e meninas possuem uma linguagem corporal parecida no começo da infância.

Em sua palestra durante o HSM Expo 2017, evento de gestão empresarial em São Paulo, ela explica que, a partir de uma certa idade, as meninas começam a adotar posturas que as fazem parecer menor, enquanto meninos tendem adotar posturas mais expansivas.

Baixe o ebook: Ferramentas de Autoconhecimento

O problema, continua Cuddy, é que mudanças na linguagem corporal podem mudar o humor de uma pessoa, fazer alguém se sentir mais feliz ou triste, menos ansiosa ou até mudar sua capacidade de suportar níveis de dor.

Segundo duas pesquisas, esses efeitos podem ser sentidos a partir de dois minutos em uma determinada posição – então imagine o que acontece quando isso se repete ao longo da vida.

Leia também: 3 soluções para a desigualdade de gênero no mercado de trabalho brasileiro

Como reverter o cenário

De acordo com a psicóloga, essas posturas são aprendidas. No caso de meninos e homens que adotam posturas mais expansivas, isso faz com que se sintam mais confiantes, calmos e seguros de si.

Por outro lado, as mulheres acabam adotando posturas mais retraídas, o que pode fazer com que se sintam e transmitam aos outros um sentimento de insegurança.

Essa mudança ajudaria a explicar algumas diferenças de gênero em termos comportamentais e que têm consequências em diversas áreas da vida, como decisões de carreira.

A sugestão da pesquisadora é que mulheres passem a adotar uma linguagem corporal mais expansiva, assim como homens, e que remetam a posições de poder.

De acordo com Cuddy, ao adotar posições expansivas, “nos sentimos mais poderosos, mudamos nossos sentimentos, sentimos mais confiança e adotemos uma postura mais otimista com os outros e com as oportunidades que surgem. Uma mudança de postura muda nossos pensamentos, sentimentos, comportamentos e fisiologia”.

Baixe o ebook: Tudo Sobre Liderança Feminina

O que achou do post? Deixe um comentário ou marque seu amigo